Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

ARTIGO - Rastreabilidade é dever de todos

 
 
 
Publicado em 20/08/2009

Cesário Ramalho da Silva
Presidente da Sociedade Rural Brasileira

A Sociedade Rural Brasileira (SRB) vê com bons olhos a medida do BNDES de atrelar a concessão de crédito ou a participação societária em frigoríficos ao rastreamento do gado adquirido de fazendas da Amazônia. O banco vai exigir licenciamento ambiental e regularização fundiária e trabalhista dos fornecedores dos frigoríficos, entre eles os pecuaristas.

Todavia, um alerta: a exigência de cumprimento das regras ambientais, fundiárias e trabalhistas como atributos para o embrião da rastreabilidade de processos e produtos - no caso a bovinocultura - precisa levar em conta que as legislações relativas a esses segmentos estão sendo objeto de mudança, em busca de sintonia com a realidade. Embora ainda não haja consenso sobre a amplitude das modificações que serão feitas na legislação ambiental, é fato que ela será alterada. No caso fundiário, a medida provisória de regularização das terras da Amazônia foi um passo importante. Quanto à legislação trabalhista, o desafio é maior, já que nem consta da agenda um debate que mostre ser necessário adequar essa legislação às particularidades da atividade rural.

Especificamente sobre o rastreamento do gado - da identificação de sua origem, passando pelo registro dos acontecimentos do seu processo de desenvolvimento (como alimentação, manejo e vacinas), chegando ao abate -, o que se busca, em primeiro plano, é segurança alimentar. A segmentação de qualidade, por meio de características como cortes, precocidade e marmoreio, é outra coisa.

A implementação do Serviço Brasileiro de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos (Sisbov) sem consulta e debate com os principais agentes da cadeia produtiva, especialmente o principal ator, o pecuarista, levou à vulnerabilidade e ao colapso do sistema. Tentar identificar individualmente, de uma vez só, mais de 180 milhões de cabeças de gado num país de dimensões continentais foi e é utopia.

Pior, foi jogar a conta de um modelo inviável para a realidade da pecuária nacional no bolso do pecuarista. Se a rastreabilidade é o registro do animal desde seu nascimento até a mesa do consumidor, parece-nos claro que a responsabilidade tem de ser de toda a cadeia produtiva. Mas não foi o que aconteceu. O Sisbov configurou-se, na verdade, em mais um custo para o produtor.

Lembrando o momento posterior à imposição do Sisbov, como requisito para exportar para a União Europeia, o fato é que o preço da arroba do boi rastreado ficou praticamente igual à cotação do boi não rastreado antes da existência da rastreabilidade. E o boi não rastreado teve seu preço reduzido. Em vez de incentivado, o pecuarista se viu desestimulado. A esperança do ágio se concretizou em deságio.

Foram criados programas de bonificação para a carne rastreada, mas são iniciativas individuais, que não têm consistência para estabelecer um conceito nacional de segurança alimentar para o boi brasileiro. É disso que falamos. De uma reputação para o País todo, baseada na confiabilidade de um eixo central que seja flexível para ser aperfeiçoado constantemente. Diferenciais de preço significativos para carne rastreada só virão com o tempo, com a compreensão de que os atributos de segurança alimentar advindos de uma boa rastreabilidade custam, tornam o produto mais confiável e por isso devem ser remunerados.

Neste turbulento cenário faltou também disposição ao diálogo de algumas lideranças dos produtores, que privilegiaram o confronto em detrimento do consenso. Isso acarretou na inexistência de um discurso uniforme para os produtores. Sem contar ainda o cartel das certificadoras, que tentaram criar um mercado confiável de validação, que naufragou pela frágil credibilidade.

Para que a rastreabilidade vingue é preciso o envolvimento do varejo. Como um elo poderoso e próximo ao consumidor, o setor varejista não pode se manter alheio à questão. Recente encontro entre representantes do varejo e dos frigoríficos sinaliza mudanças. Mas entendemos que os pecuaristas também devem participar das negociações.

Até agora, a implantação da rastreabilidade bovina foi muito mais uma questão mercadológica do que um serviço de interesse público. Para ganhar musculatura, a rastreabilidade não pode restringir-se a ser um requisito para o mercado externo. Se ela ainda não encontra ressonância no mercado doméstico, em breve encontrará. E, ao ser valorizada naturalmente dentro de nossas fronteiras, certamente funcionará como um selo de confiança para os mercados internacionais.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br