Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O confinamento do pós-crise

 
 
 
Publicado em 02/02/2009

Juan Lebrón Casamada*

Saber até que ponto a crise no sistema financeiro mundial produzirá efeitos que poderão prejudicar a produção agropecuária e, principalmente, como vai impactar a oferta de alimentos nos próximos anos é uma questão a sem resposta conclusiva. A alta do dólar e a realidade de uma crise que traz incertezas para todos os setores da produção agrícola são os maiores indicativo de que o mercado demandará algum tempo até se refazer por completo do susto.

Se, de um lado, a produção agrícola sofre com as oscilações e a desvalorização nos preços das commodities - fator mais importante de atração do capital estrangeiro -, com a escassez e a alta progressiva dos preços dos principais insumos usados pelo setor primário e a dúvida quanto à garantia de preço mínimo lá na frente, do outro, o governo federal se mobiliza para injetar recursos destinados à criação de linhas de financiamento, compra de equipamentos e custeio da produção.

Alguns setores, no entanto, inevitavelmente, sofrerão os reflexos dessa situação um pouco mais adiante. É o caso da pecuária de produção intensiva (confinamento), setor que tem seus resultados atrelados de maneira muito próxima ao equilíbrio das contas. Por esse motivo, a ordem, hoje, entre os confinadores é "esperar para ver" e "não pagar para ver" se as medidas adotadas para socorrer a economia terão de fato o efeito pretendidos.

O último levantamento realizado pela Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) com seus associados, relativo ao fim de novembro do ano passado, sobre a intenção de confinamento no país, mostrou, justamente, crescimento muito pequeno, apenas 1,3% maior em comparação a 2007, e projeções não muito otimistas com relação à continuidade dos investimentos neste ano.

Agora, em parte, os motivos que levam a essa desaceleração do ímpeto de produzir boi gordo têm pouca ou nenhuma relação com a falta de crédito no mundo. Pelo contrário, muitos dos gargalos que travam o sistema de produção são, na verdade, efeito colateral da fartura de capital disponível no mercado interno nos últimos anos e do súbito interesse do investidor estrangeiro nos dividendos gerados pelo agronegócio brasileiro.

O movimento de abertura de capitais na Bolsa e dos IPO (lançamento inicial de ações) depois de dois anos bastante positivos, praticamente, estagnou e especialistas calculam que haverá uma possível retomada somente no segundo semestre de 2009. O resultado desse crescimento desordenado que envolveu uma série de fusões, aquisições e a construção de novas plantas frigoríficas nas principais fronteiras agrícolas do Brasil, neste momento, é motivo de preocupação, já que o setor assiste ao movimento inverso, com frigoríficos importantes simplesmente fechando suas portas ou reduzindo sensivelmente as escalas de abate.

O cenário indica, ainda, déficit já comprovado na oferta de boi magro, pressão maior dos custos para compra de insumos do confinamento, incidindo na rentabilidade da produção além de pressionar por melhorias na qualidade dos processos do pasto ao prato do consumidor. Em resumo, tudo isso demandará ação estratégica e muito diálogo por parte dos agentes envolvidos na cadeia do negócio da carne. Esses ajustes são, de fato, necessários para que em 2009 toda a cadeia produtiva sobreviva a este momento agudo da crise e a produção possa ser retomada mais adiante com maior tranquilidade.

* Diretor executivo da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon)

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br