Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
299,00 287,00 279,00
GO MT RJ
275,00 282,00 283,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2560,00
Garrote 18m 2790,00
Boi Magro 30m 3770,00
Bezerra 12m 2070,00
Novilha 18m 2530,00
Vaca Boiadeira 2820,00

Atualizado em: 24/5/2022 12:56

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Leite: ano pode ser complicado para o produtor

 
 
 
Publicado em 19/01/2022

O ano deve ser de cautela para os produtores de leite em 2022. Segundo análise da Embrapa Gado de Leite, fatores decorrentes da pandemia, como desemprego, redução de renda e o endividamento das famílias brasileiras, continuarão impactando o setor lácteo em 2022, levando-o a se adaptar a custos de produção ainda mais altos.

A equipe do Centro de Inteligência do Leite da Embrapa apresentou números que sugerem atenção por parte dos agentes produtivos. Para o analista José Luiz Bellini, o esperado fim da pandemia não se concretizou, mantendo as incertezas na economia mundial. “Nos dois últimos anos, praticamente todas as cadeias mundiais de produção e suprimento sofreram com a elevação dos custos e problemas de abastecimento, provocando inflação generalizada”, argumenta.

Segundo Bellini, embora tenha havido avanços substanciais no combate ao vírus, persistem incertezas que impactam a produção de bens e serviços com repercussão ao longo das cadeias produtivas. As ações de estímulo dos governos das principais economias mundiais para alavancar o crescimento econômico afetado pela pandemia, também geraram processo inflacionário global.

Se em 2020 a cadeia produtiva do leite colheu bons frutos devido ao auxílio emergencial de R$ 600, concedido pelo governo federal, o mesmo não aconteceu no ano que se encerrou. O dólar se manteve numa taxa elevada, numa curva de ascensão que antecede à pandemia. Nos últimos três anos o aumento da taxa cambial chega a 44%. Esse foi um dos fundamentos econômicos que elevou a inflação a dois dígitos, algo que não acontecia desde 1994, contribuindo para que a renda das famílias caísse 20% em relação a 2019.

Outros fatores que prejudicam o consumo, com forte impacto no ano que se inicia, segundo os especialistas do Centro de Inteligência do Leite são o elevado desemprego (12,6%) e a taxa de endividamento das famílias brasileiras (67%). Fechando o cenário macroeconômico, a taxa Selic, regulada pelo Banco Central para conter a inflação, chegou ao seu maior nível desde 2017 (9,25%), encarecendo os investimentos e o crédito e, com isso, inibindo o consumo.

Rentabilidade menor

O aumento nos custos de produção de leite foi um dos piores agravantes na atual crise do setor. O índice de custo de produção, calculado pela Embrapa Gado de Leite (ICPLeite) já vinha de uma elevação de 10,7% em 2020 e atingiu 30,0% em 2021, reduzindo a margem de lucro dos produtores. Segundo o pesquisador da Embrapa Samuel Oliveira, o que mais impactou esse índice foi a alimentação do rebanho. A produção e compra de volumosos teve um aumento de 75%, a alimentação concentrada, 26% e o sal mineral, 53%.

Os outros fatores que pesaram nos custos foram a alta da energia elétrica e a dos combustíveis, com elevação de 27% em 12 meses, lembrando que o preço do petróleo também impacta o preço dos fertilizantes. O pesquisador explica que a valorização das commodities está na raiz desses aumentos. O preço da soja e do milho, presentes na formulação da ração concentrada, por exemplo, encontram-se numa curva ascendente há cinco anos, disparando nos anos de pandemia.

Segundo análises da Embrapa Gado de Leite, custos mais elevados de produção e a redução de preços reais recebidos pelos produtores da ordem de 5% em 2021, impactaram negativamente as margens de lucro. Em 2020, o preço real líquido do leite pago ao produtor fechou o ano em R$ 2,44. Já em dezembro do ano passado, o valor ficou em R$ 2,13. No mercado spot (compra de leite entre laticínios) o recuo foi ainda maior: dados de dezembro do ano passado, em Minas Gerais, apontavam um preço médio de R$ 2,08. Na entressafra daquele ano, o leite no mercado spot mineiro atingiu o pico de R$ 2,78.

Quanto ao atacado dos produtos processados pelos laticínios, os principais produtos registraram queda real de preços em 2021. O leite UHT registrou queda de 8,9% passando de R$3,88/litro em 2020 para R$3,53/litro em 2021. O queijo muçarela, produto que mais subiu de preço no primeiro ano de pandemia, fechou o ano passado próximo do seu preço histórico (R$ 27,30/kg – em 2020, o produto chegou a ser vendido pela indústria por cerca de R$ 30/kg).

Segundo Bellini, os valores na indústria foram impactados pelo aumento dos custos de produção, logística e energia. Os especialistas reconhecem que o atual preço dos derivados esteja sendo influenciado pela acanhada demanda em função da diminuição de renda das famílias.

Exportações de leite têm cenário promissor

Mas se o cenário para este ano ainda é preocupante, “diversas projeções apontam para um futuro mais promissor”, conforta Bellini. A Tetra Pak, maior produtora mundial de embalagens para o setor lácteo, revela que a demanda global por alimentos lácteos deve crescer 36% na próxima década, puxada pelo aumento da população mundial e pela elevação do poder aquisitivos nos países da Ásia, África e América Latina. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) segue a mesma linha e afirma que a produção mundial de leite irá crescer em todo o planeta.

Os especialistas do Centro de Inteligência do Leite concordam que há muito espaço para a cadeia produtiva do leite brasileira crescer, de modo sustentável. O aumento da demanda mundial deve levar o agronegócio do leite nacional a investir, cada vez mais, na exportação, que hoje é tímida. O Brasil fechou 2021 com cerca de 142 milhões de litros exportados e um saldo negativo na balança comercial de lácteos acima de 800 milhões de litros. Para Bellini, “o grande desafio do setor é tornar o Brasil autossuficiente e aumentar, de forma substantiva, a sua presença no mercado internacional de lácteos” Com informações da Embrapa.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/05/2022] - China barra compras de mais três frigoríficos
[24/05/2022] - Preço da carne exportada subiu quase 30%
[24/05/2022] - Arroba: frigoríficos derrubam cotações
[24/05/2022] - Queda do preço do boi pode estar perto do fim
[24/05/2022] - Brasil vai exportar milho à China
[24/05/2022] - Milho: abertura do mercado chinês puxa cotações
[23/05/2022] - Custo alto deve reduzir confinamento em 2022

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/05/2022] - Arroba: mercado devagar em SP
[23/05/2022] - Arroba: até quando frigoríficos tentarão a baixa?
[23/05/2022] - Milho: frente fria não prejudicou a safra
[23/05/2022] - Milho: mercado travado no Sul do Brasil
[20/05/2022] - Senadores dos EUA: frigoríficos formam cartel
[20/05/2022] - Exportações do Agro batem recorde histórico
[20/05/2022] - Frigoríficos querem boi barato e exportação cara
[20/05/2022] - Arroba: frigoríficos continuam derrubando preços
[20/05/2022] - População ocupada no Agro: maior número desde 2016
[20/05/2022] - Falso policial aplicava golpe em produtores rurais
[20/05/2022] - Argentina aumenta novamente impostos sobre o Agro
[20/05/2022] - Satélites da SpaceX ajudarão a monitorar Amazônia
[19/05/2022] - Bloqueio chinês gera prejuízos incalculáveis em GO
[19/05/2022] - China compra quase 50% das exportações do Brasil
[19/05/2022] - Arroba: frigoríficos testam valores menores
[19/05/2022] - Arroba: onda de frio segue influenciando cotações
[19/05/2022] - Onda de frio continua sem grandes danos ao Agro
[19/05/2022] - Inflação do aluguel desaba na prévia de maio
[18/05/2022] - Frigoríficos aproveitam o frio para derrubar o boi
[18/05/2022] - Onda de frio: até quando?
[18/05/2022] - Arroba: preço dos machos cede em São Paulo
[18/05/2022] - Analista prevê mais quedas para o boi gordo
[18/05/2022] - Custo em alta derruba confiança do pecuarista
[17/05/2022] - China está usando os EUA para pressionar o Brasil?
[17/05/2022] - Ações de frigoríficos caem com ação da China
[17/05/2022] - Como estão as exportações de carne em maio?
[17/05/2022] - Arroba: preços no mesmo lugar
[17/05/2022] - Preço do boi estável em Rondônia
[17/05/2022] - Lucro da Frigol dispara com exportações
[17/05/2022] - Embrapa: leite subiu menos que custo de produção
[17/05/2022] - Funcionários de fazenda presos por furto de gado
[17/05/2022] - MP muda Tabela de Frete Rodoviário
[17/05/2022] - PIB cresce 1,5% puxado pela exportação do Agro
[17/05/2022] - Inflação medida pelo IPC-Fipe perde velocidade
[16/05/2022] - MAPA corrige para cima o PIB estimado do Agro
[16/05/2022] - Arroba: pecuarista não aceita queda do boi
[16/05/2022] - Preço de produtos do Agro recuam em SP
[16/05/2022] - China habilita 13 frigoríficos dos EUA
[16/05/2022] - Milho: frente fria reverte cenário de queda
[13/05/2022] - Exportações: Brasil vendeu mais para 101 países
[13/05/2022] - Volume exportado aos EUA já bate 25% da China
[13/05/2022] - Arroba: frigoríficos seguram as compras
[13/05/2022] - Leite: custo de produção reduz ritmo de alta
[13/05/2022] - Produtores de milho protestam contra tarifa zero
[13/05/2022] - Tarifa zero não preocupa produtores de frango
[12/05/2022] - Arroba: frigoríficos aumentam a pressão de baixa
[12/05/2022] - Diferença entre machos e fêmeas bate recorde
[12/05/2022] - JBS não vê impacto de lockdowns na China
[12/05/2022] - IBGE: Abates cresceram, produção de leite caiu
[12/05/2022] - JBS tem o melhor trimestre da história

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br