Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
330,00 312,00 328,00
GO MT RJ
315,00 309,00 309,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2620,00
Garrote 18m 2920,00
Boi Magro 30m 3610,00
Bezerra 12m 2300,00
Novilha 18m 2670,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 19/1/2022 10:45

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Senador dos EUA quer barrar carne brasileira

 
 
 
Publicado em 19/11/2021

O senador americano Jon Tester, do Partido Democrata, apresentou ontem (18/11) um projeto de lei para suspender as importações de carne bovina do Brasil. O parlamentar alega que as autoridades brasileiras demoraram para notificar a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) sobre os dois casos de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), também conhecida como mal da “vaca louca”, confirmados em setembro.

Segundo ele, o Brasil demorou muito mais para informar a OIE sobre os casos do que outros países que enfrentaram o mesmo problema. “Em 3 de setembro de 2021, o Brasil anunciou dois casos de EEB atípica detectados em junho do mesmo ano. A maioria dos países relata casos semelhantes imediatamente. Neste ano, Reino Unido e Alemanha relataram casos alguns dias depois de sua ocorrência”, disse, em nota.

O senador alega que o atraso gerou uma “quebra de confiança”. “Isso tem sido uma ocorrência rotineira. O Brasil também esperou meses ou até anos para relatar casos semelhantes em 2019, 2014 e 2012”, acrescentou.

Sob esse argumento, o parlamentar pede em seu projeto o embargo das importações até que especialistas possam conduzir uma “revisão sistemática da segurança do produto”. Vale lembrar que, após notificar a notificação à OIE, em setembro, o órgão concluiu dias depois que o risco de contaminação do rebanho brasileiro era “insignificante”.

“Embora casos raros e únicos de EEB atípica não indiquem necessariamente problemas sistêmicos com a saúde do rebanho bovino brasileiro, atrasos repetidos nos relatórios sugerem um regime de segurança alimentar excessivamente frouxo e levantam preocupações sobre o relato de doenças perigosas adicionais, como a febre aftosa, peste suína africana e gripe aviária”, concluiu Tester.

Os casos atípicos de "vaca louca", ocorridos em Minas Gerais e Mato Grosso, obrigaram o Brasil a fazer um autoembargo de suas vendas para a China, maior comprador da carne bovina do país. De acordo com um protocolo sanitário entre os dois países, agora cabe aos chineses definirem quando os embarques serão retomados. A pendenga já se estende por mais de dois meses.

No entanto, apesar do embargo chinês, os frigoríficos brasileiros têm encontrado grandes oportunidades no mercado americano. O país restabeleceu a entrada da carne bovina in natura no começo de 2020, o que ampliou o leque de opções para as negociações.

De janeiro a setembro deste ano, os Estados Unidos importaram US$ 62,3 milhões em carne bovina e derivados do Brasil, um aumento de 36% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados compilados pela agência Reuters. Em volume total, os brasileiros foram o segundo maior fornecedor dos americanos durante o período, atrás apenas do México.

“Há uma ameaça clara associada às importações de carne bovina brasileira que precisamos interromper imediatamente. A criação de um grupo de trabalho permitirá que todos os interessados tenham voz na avaliação da ameaça aos produtores e consumidores americanos”, disse Leo McDonnell, diretor da Associação de Pecuaristas dos EUA (USCA, na sigla em inglês).

Representante do Estado de Montana, Tester apresenta-se como o único agricultor em atividade do Senado americano. Ele já tem histórico de questionar as exportações brasileiras. Em abril de 2019, o senador apresentou projeto de lei semelhante para testar a carne bovina do Brasil. A iniciativa não avançou. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/01/2022] - Arroba: exportações podem bater recorde histórico
[19/01/2022] - Agro domina exportações em portos do Paraná
[19/01/2022] - Marfrig: ômicron não afeta abates
[19/01/2022] - Pecuaristas recusam acordo com frigorífico fechado
[19/01/2022] - Leite: ano pode ser complicado para o produtor
[19/01/2022] - Milho volta a rondar os R$ 100 a saca
[19/01/2022] - IGP-M volta a acelerar

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/01/2022] - Exportações de carne estão acima de janeiro 2021
[18/01/2022] - Arroba: cenário de estabilidade
[18/01/2022] - Escalas estão menores em Mato Grosso
[18/01/2022] - Briga por ICMS sobre o milho vai à Justiça
[18/01/2022] - Pecuaristas protestam contra a Globo Rural
[17/01/2022] - Arroba: nem pra cima, nem pra baixo
[17/01/2022] - Frigorífico fecha e deixa dívida milionária
[17/01/2022] - Milho volta a ser negociado acima de R$ 100 a saca
[17/01/2022] - JBS anuncia novo presidente da JBS Brasil
[17/01/2022] - Globo Rural ataca a Pecuária brasileira
[17/01/2022] - Estados decidem elevar ICMS sobre combustível
[14/01/2022] - PIB do Agro cresceu 10% em 2021
[14/01/2022] - Arroba: pecuarista vai segurar o boi
[14/01/2022] - Arroba: preços não acham espaço para cair
[14/01/2022] - Milho: produção deve crescer em 2022
[14/01/2022] - Varejo vendeu mais puxado por supermercados
[14/01/2022] - Exportações do Agro cresceram 9,5% em SP
[14/01/2022] - Câmara aprova incentivo a reservas em fazendas
[13/01/2022] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pressão
[13/01/2022] - CEPEA: ano inicia com arroba em alta
[13/01/2022] - Chineses vão pagar mais caro pela carne suína
[13/01/2022] - Tereza Cristina visita áreas atingidas pela seca
[13/01/2022] - Safra tem perdas severas também no Paraná
[12/01/2022] - Consultoria prevê mercado bom para exportações
[12/01/2022] - Exportações de carne de MT bateram US$ 1,7 bi
[12/01/2022] - Arroba: frigoríficos e pecuaristas olham o mercado
[12/01/2022] - Onda de calor preocupa produtores do Sul do Brasil
[12/01/2022] - Chuvas começam a perder força no Brasil Central
[12/01/2022] - Polícia prende quadrilhas que roubam defensivos
[11/01/2022] - Arroba: frigoríficos tentam baixa, sem sucesso
[11/01/2022] - Exportações: China já movimenta o mercado
[11/01/2022] - Frigoríficos dos EUA reduzem produção por COVID
[11/01/2022] - Canadá registra caso de vaca louca
[11/01/2022] - Milho: como ficará o mercado em 2022?
[11/01/2022] - Peste Suína Africana se espalha pela Europa
[11/01/2022] - Peste suína também chega à Tailândia
[11/01/2022] - Inflação bateu recorde, puxada por combustíveis
[10/01/2022] - Neloristas cobram posicionamento claro do Bradesco
[10/01/2022] - Spoleto ataca e depois pede desculpas a produtores
[10/01/2022] - Exportações: faturamento cresceu apesar da China
[10/01/2022] - Arroba: boi exportação tem ágio de até R$ 15
[10/01/2022] - Milho: produtores seguram as vendas
[10/01/2022] - Agro responde por 77% das exportações de Goiás
[10/01/2022] - Crédito rural: contratações dispararam 30% em 2021
[17/12/2021] - Boi pode subir com força nos próximos dias
[17/12/2021] - MAPA quer que a China habilite novos frigoríficos
[17/12/2021] - Arroba: quem vai ceder primeiro?
[17/12/2021] - ABPA: cenário está muito bom para carne brasileira
[17/12/2021] - Frigoríficos pedem novas normas contra o Covid
[17/12/2021] - Leite: inflação está alta para o produtor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br