Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
330,00 312,00 328,00
GO MT RJ
315,00 309,00 309,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2620,00
Garrote 18m 2920,00
Boi Magro 30m 3610,00
Bezerra 12m 2300,00
Novilha 18m 2670,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 19/1/2022 10:45

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

UE quer barrar produto até de desmatamento legal

 
 
 
Publicado em 17/11/2021

A União Europeia (UE) colocou uma ameaça adicional sobre as exportações brasileiras ao estabelecer uma proposta de barrar importações de commodities que supostamente tiverem sido produzidas em terra onde houve desmatamento. 

Não há distinção entre desmatamento legal e ilegal. A iniciativa europeia visa atingir todo desmatamento que ocorrer ou tiver ocorrido a partir de 2021.

Isso significa que produtos que são legalmente produzidos com base no Código Florestal brasileiro terão acesso ameaçado aos 27 países do bloco comunitário. Se essa cláusula for mantida numa futura lei, um contencioso parece inevitável na Organização Mundial do Comércio (OMC), com o Brasil podendo questionar a medida europeia.

A UE espera implementar por volta de 2025 as novas regras para barras importações de commodities provenientes de terras desmatadas. Mas o Comissário de Meio Ambiente, Virginijus Sinkevicius, alertou que o impacto da proposta começará logo.

Ele chamou a atenção para o chamado “cut-off date” de 31 de dezembro de 2020. Ou seja, nenhuma das commodities será autorizada a entrar no mercado do bloco europeu se tiver sido produzida em terra onde houve desmatamento depois dessa data.

“Mesmo se a lei vier em 2023 ou 2024 (depois, as companhias e os Estados membros terão um ano para operacionalizar o sistema), vamos ainda assim checar em relação a dezembro de 2020”, afirmou o comissário.

Ao apresentar o que chamou de regras pioneiras para barrar importação de commodities provenientes de terras desmatadas, o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, destacou que a iniciativa “é fortemente desejada pela população”.

De fato, a pressão ambiental cresce na Europa e os exportadores agrícolas do Brasil vão precisar adotar medidas adicionais para mostrar que não estão destruindo o meio ambiente.

Há mais riscos à frente: a proposta da Comissão Europeia, o braço executivo da UE, seguirá agora pelo processo de decisão europeu no Conselho Europeu, que reúne os líderes dos 27 países-membros, e no Parlamento.

O debate no Conselho Europeu começará assim na presidência francesa da UE no primeiro semestre do ano que vem. Os franceses estão entre os que mais pressionam por mais regras ambientais no acordo UE-Mercosul, alegando desmatamento na Amazônia.

No Parlamento Europeu, não será surpresa se os deputados procurarem endurecer a proposta contra desmatamento, inclusive para expandir a lista de produtos-alvo. A avaliação é de que um bom grupo de europarlamentares são bem mais ambiciosos para barrar importações de outras commodities que ficaram fora da proposta anunciada hoje.

Parece claro também que, ao não fizer distinção entre desmatamento legal e ilegal, um futuro texto final nessa condição deixará o espaço aberto para mais contenciosos, já que estará ignorando na prática leis nacionais de países produtores, como o Código Florestal no Brasil.

As informações em Bruxelas são de que a divisão de comércio da Comissão Europeia alertou as outras áreas envolvidas na regulação sobre esse potencial de questionamento. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/01/2022] - Arroba: exportações podem bater recorde histórico
[19/01/2022] - Agro domina exportações em portos do Paraná
[19/01/2022] - Marfrig: ômicron não afeta abates
[19/01/2022] - Pecuaristas recusam acordo com frigorífico fechado
[19/01/2022] - Leite: ano pode ser complicado para o produtor
[19/01/2022] - Milho volta a rondar os R$ 100 a saca
[19/01/2022] - IGP-M volta a acelerar

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/01/2022] - Exportações de carne estão acima de janeiro 2021
[18/01/2022] - Arroba: cenário de estabilidade
[18/01/2022] - Escalas estão menores em Mato Grosso
[18/01/2022] - Briga por ICMS sobre o milho vai à Justiça
[18/01/2022] - Pecuaristas protestam contra a Globo Rural
[17/01/2022] - Arroba: nem pra cima, nem pra baixo
[17/01/2022] - Frigorífico fecha e deixa dívida milionária
[17/01/2022] - Milho volta a ser negociado acima de R$ 100 a saca
[17/01/2022] - JBS anuncia novo presidente da JBS Brasil
[17/01/2022] - Globo Rural ataca a Pecuária brasileira
[17/01/2022] - Estados decidem elevar ICMS sobre combustível
[14/01/2022] - PIB do Agro cresceu 10% em 2021
[14/01/2022] - Arroba: pecuarista vai segurar o boi
[14/01/2022] - Arroba: preços não acham espaço para cair
[14/01/2022] - Milho: produção deve crescer em 2022
[14/01/2022] - Varejo vendeu mais puxado por supermercados
[14/01/2022] - Exportações do Agro cresceram 9,5% em SP
[14/01/2022] - Câmara aprova incentivo a reservas em fazendas
[13/01/2022] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pressão
[13/01/2022] - CEPEA: ano inicia com arroba em alta
[13/01/2022] - Chineses vão pagar mais caro pela carne suína
[13/01/2022] - Tereza Cristina visita áreas atingidas pela seca
[13/01/2022] - Safra tem perdas severas também no Paraná
[12/01/2022] - Consultoria prevê mercado bom para exportações
[12/01/2022] - Exportações de carne de MT bateram US$ 1,7 bi
[12/01/2022] - Arroba: frigoríficos e pecuaristas olham o mercado
[12/01/2022] - Onda de calor preocupa produtores do Sul do Brasil
[12/01/2022] - Chuvas começam a perder força no Brasil Central
[12/01/2022] - Polícia prende quadrilhas que roubam defensivos
[11/01/2022] - Arroba: frigoríficos tentam baixa, sem sucesso
[11/01/2022] - Exportações: China já movimenta o mercado
[11/01/2022] - Frigoríficos dos EUA reduzem produção por COVID
[11/01/2022] - Canadá registra caso de vaca louca
[11/01/2022] - Milho: como ficará o mercado em 2022?
[11/01/2022] - Peste Suína Africana se espalha pela Europa
[11/01/2022] - Peste suína também chega à Tailândia
[11/01/2022] - Inflação bateu recorde, puxada por combustíveis
[10/01/2022] - Neloristas cobram posicionamento claro do Bradesco
[10/01/2022] - Spoleto ataca e depois pede desculpas a produtores
[10/01/2022] - Exportações: faturamento cresceu apesar da China
[10/01/2022] - Arroba: boi exportação tem ágio de até R$ 15
[10/01/2022] - Milho: produtores seguram as vendas
[10/01/2022] - Agro responde por 77% das exportações de Goiás
[10/01/2022] - Crédito rural: contratações dispararam 30% em 2021
[17/12/2021] - Boi pode subir com força nos próximos dias
[17/12/2021] - MAPA quer que a China habilite novos frigoríficos
[17/12/2021] - Arroba: quem vai ceder primeiro?
[17/12/2021] - ABPA: cenário está muito bom para carne brasileira
[17/12/2021] - Frigoríficos pedem novas normas contra o Covid
[17/12/2021] - Leite: inflação está alta para o produtor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br