Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
141,00 129,00 135,00
GO MT RJ
131,00 127,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1270,00
Garrote 18m 1530,00
Boi Magro 30m 1860,00
Bezerra 12m 940,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 22/11/2017 10:27

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Itaú endurece negociação com JBS por R$ 1 bilhão

 
 
 
Publicado em 13/06/2017

O Itaú Unibanco ameaça deixar as negociações com a JBS e cobrar antecipadamente cerca de R$ 1 bilhão que tem a receber da empresa. A intenção foi manifestada ao grupo de bancos que discute a renovação de empréstimos feitos às empresas da família Batista, segundo executivos do alto escalão de duas instituições envolvidas nas conversas.

Procurado, o Itaú negou que esteja endurecendo nas negociações. Em nota, afirmou que "não há nenhum movimento nesse sentido".

Participam do grupo de credores os maiores bancos do país: Banco do Brasil, Caixa, Bradesco e Santander, além do próprio Itaú. A avaliação da cúpula dessas instituições é que, como há muito dinheiro em jogo, a negociação é o melhor caminho a ser seguido nesse momento.

Juntos, os cinco têm quase R$ 25 bilhões a receber das empresas da família Batista. Entre eles, o Itaú é o que tem exposição menor. A conta dos bancos públicos —BB e Caixa— beira os R$ 15 bilhões.

Com a delação de Joesley e Wesley Batista e a profunda crise que se abateu sobre a JBS, os bancões foram chamados a renegociar financiamentos. A empresa não pede dinheiro novo por ora, mas quer um prazo maior para honrar seus compromissos.

Em tratativas desse tipo, é comum que as conversas sejam duras. Desde o início, porém, Itaú e Caixa assumiram posição mais belicosa, de acordo com executivos que participam das negociações.

A instituição estatal recuou recentemente e mostrou-se disposta a dialogar. Já o Itaú optou por subir o tom.

O movimento pode levar a um perigoso efeito cascata e, por isso, a posição do Itaú tem causado grande desconforto entre os demais bancos.

Num cenário em que de fato exija a quitação da dívida e a JBS não honre o pagamento, as outras instituições ficariam numa situação muito difícil, explica o executivo de um dos bancos envolvidos.

Cláusulas nos contratos de financiamento dos outros bancos os obrigariam a também pedir a quitação antecipada, uma vez que a companhia estaria inadimplente com o Itaú. Não há dinheiro para pagar à vista todos ao mesmo tempo.

Outra possibilidade seria a JBS quitar a dívida com o Itaú, evitando o calote e a reação em cadeia dos outros bancos. Mas isso deixaria o caixa da empresa mais debilitado.

No fim de março, a JBS tinha R$ 10 bilhões em caixa e R$ 58 bilhões em dívidas —um terço vencendo até o início do ano que vem. O endividamento do grupo J&F, somadas a JBS e outras empresas, está perto de R$ 70 bilhões.

Nos bastidores, os bancos tentam demover o Itaú da ideia de rompimento e lembram que os grandes bancos também são credores de outras empresas que podem enfrentar dificuldades. Para eles, o melhor é insistir num acordo e rolar dívidas, como foi feito com a Odebrecht.

Para que um acerto saia, os bancos tentam atrelar a renovação das linhas à venda de empresas do conglomerado —além da JBS, os Batista são donos de Alpargatas, da Eldorado Celulose e da Vigor.

Em nota, a JBS afirmou que não comenta negociações específicas com os bancos e que "tem mantido discussões construtivas e produtivas com os parceiros financeiros".  Com informações da Folha.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[22/11/2017] - Arroba em alta com oferta curta
[22/11/2017] - ABIEC: ractopamina não é usada na carne bovina
[22/11/2017] - Rússia depende da carne brasileira
[22/11/2017] - Minerva exportará à Rússia por outros países
[22/11/2017] - Leite: vendas ruins derrubam preço do longa vida
[22/11/2017] - Reposição começa a se movimentar no MA
[21/11/2017] - Arroba: semana começou com escalas curtas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[21/11/2017] - Maggi nega que Rússia tenha fechado mercado
[21/11/2017] - Embargo russo atinge 59 frigoríficos de bovinos
[21/11/2017] - Governo do MS suspende benefícios fiscais da JBS
[21/11/2017] - Carne: EUA apontam irregularidades na fiscalização
[21/11/2017] - Leite longa vida tem queda de preço
[21/11/2017] - Agro demitiu em outubro, saldo continua positivo
[20/11/2017] - Rússia confirma bloqueio à carne bovina brasileira
[20/11/2017] - Arroba segue em alta
[20/11/2017] - BNDES quer avaliar mercado pecuário
[20/11/2017] - Preço do leite continua a cair em Minas Gerais
[20/11/2017] - Pesquisadores querem vaca gir transgênica
[20/11/2017] - Compradores de milho recuam e preço cai
[20/11/2017] - MP do Funrural é presente de Natal à JBS
[20/11/2017] - Prazo para aderir ao Refis rural está acabando
[17/11/2017] - Arroba: mercado está movimentado
[17/11/2017] - Reposição começa a se novimentar
[17/11/2017] - Frigol reabre unidade em Goiás
[17/11/2017] - Marfrig quer avançar mais sobre o mercado da JBS
[17/11/2017] - JBS já levantou R$ 6 bi com vendas de ativos
[17/11/2017] - Polícia recupera carga milionária de sêmen
[17/11/2017] - Milho: produção deve cair em 2018
[16/11/2017] - Arroba: mercado firma e pode subir mais
[16/11/2017] - Arroba: frigoríficos pagam bem acima da referência
[16/11/2017] - Rússia ameaça barrar importações de carnes
[16/11/2017] - Marfrig parcela dívida bilionária no Refis
[16/11/2017] - Funrural: mudanças na MP beneficiam frigoríficos
[16/11/2017] - Produtores expulsam índios invasores no Paraná
[16/11/2017] - Farelo de soja: dólar parou de subir
[16/11/2017] - MAPA ainda prevê queda para o PIB da Pecuária
[14/11/2017] - Confinamento surpreende e sobe 12% no MT
[14/11/2017] - Arroba: mercado firme com alta na demanda
[14/11/2017] - Minerva prevê dois anos favoráveis aos frigos
[14/11/2017] - Delação derrubou as vendas da JBS no Brasil
[14/11/2017] - Marfrig tem prejuízo de R$ 58,4 milhões
[14/11/2017] - China já representa quase 40% das exportações
[14/11/2017] - Leite: margens devem continuar apertadas
[14/11/2017] - CCPR tem até o final do mês para pagar pela Itambé
[14/11/2017] - Confiança da pecuária sobe e puxa índice do Agro
[14/11/2017] - Reforma Trabalhista já está valendo
[14/11/2017] - Empregado rural perde e deve pagar R$ 8,5 mil
[13/11/2017] - Arroba volta a subir
[13/11/2017] - Carne segue em alta no varejo
[13/11/2017] - Reposição começa a subir em Rondônia
[13/11/2017] - Turquia aumenta compras de boi em pé do Brasil
[13/11/2017] - Minerva retoma abates em unidade reaberta
[13/11/2017] - JBS: incertezas quanto ao futuro continuam
[13/11/2017] - MAPA acompanha risco de quebra da JBS
[13/11/2017] - JBS nega que esteja em dificuldades
[13/11/2017] - Para evitar embargo, Brasil libera trigo russo
[13/11/2017] - Exportações puxam para cima o preço do milho

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br