Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Preço da carne sobe em MT apesar da arroba
 
 
Publicado em 05/02/2007

Mesmo com o preço da arroba do boi em queda, o preço da carne continua subindo para o consumidor nos supermercados. Pesquisa realizada pela Associação dos Produtores Rurais de Mato Grosso (APR/MT) mostra que O valor da arroba do boi começou 2006 a R$ 47,66, chegou a R$ 56,60 em outubro e voltou a R$ 47,75 em dezembro. Em compensação, o quilo da carne não acompanhou essa redução, com aumentos de até 10% entre os meses dependendo do tipo da carne.

Os produtores não conseguem explicar por que o preço da carne do boi ao consumidor continua subindo, se o valor da arroba para o pecuarista está em queda livre. “Não dá para entender. Se o preço da arroba para o fornecedor cai, automaticamente também deveria baixar no varejo. Mas não vemos isso acontecer”, afirma o diretor executivo da APR, Paulo Resende.

Para ele, a cada dia que passa a única parte que ganha com lucros na venda da carne é o intermediário. Resende explicou que independe dos produtores os valores finais para o consumidor e, por isso, não podem fazer nada para reduzir os preços no varejo.

Resende diz que outro motivo que reforça essa curiosidade dos produtores é o fato dos valores da arroba da vaca e do boi serem diferenciados. A carne da vaca, segundo Resende, é inferior ao do boi em qualidade e, por isso, é mais barata.

“O comércio varejista repassa ao consumidor de Cuiabá carne de vaca e não de boi. A carne de boi vai para os grandes centros ou é destinada às exportações. Esse é outro motivo de dúvidas para os produtores. Se o consumidor da Grande Cuiabá compra carne de vaca, que é mais barata ao intermediário, por que continua pagando mais caro a cada dia?”, pergunta Resende.

A pesquisa da APR é realizada semanalmente em duas grandes redes de vendas de carne da Capital. Os técnicos da APR atualizam o preço do quilo de 13 diferentes cortes da carne e também de nove tipos de carnes resfriadas embaladas.

De acordo com a pesquisa, o preço do quilo do filé mignon em janeiro de 2006 estava em média R$ 15,95. Em dezembro, o quilo do mesmo corte estava em torno de R$ 16,94. Um dos poucos tipos de carne que apresentaram queda no preço foi a costela. Em janeiro o quilo era vendido, em média, por R$ 4,17, mas fechou o ano em torno de R$ 3,46.

O vice-presidente da Associação dos Supermercados de Mato Grosso (Asmat), José Katena, reconhece que não há motivos para a carne estar subindo para o consumidor. Katena explicou que, para os donos de supermercados, o preço da carne está estabilizado há algum tempo pelos frigoríficos. Lembrou que, inclusive, os supermercados estão fazendo ofertas com preços muito mais em conta aos consumidores.

“Os frigoríficos estão mantendo os preços estabilizados há alguns meses. Para nós, não chega a queda do preço da arroba do boi. Imagino que essa estabilização ocorra por conta dos custos que os frigoríficos têm. E nós temos que comprar as carnes com o carimbo do SIF (Serviço de Inspeção Federal”, frisou Katena.

SINDIFRIGO - O presidente do Sindicato dos Frigoríficos de Mato Grosso, Sindifrigo, Luiz Antônio Martins, informou que os frigoríficos trabalham de acordo com a planilha de custos. “Se sobe energia, frete, imposto ou se há a queda de um subproduto, a situação para nós fica apertada. Precisamos trabalhar com uma margem mínima de lucro”.

Segundo ele, não há “nada de espetacular” que faz o preço da carne subir ao consumidor. “Tudo faz parte de uma composição de custos. Na verdade, os donos de frigoríficos têm trabalhado com uma margem bem apertada”, explica Martins.

Fonte: Diário de Cuiabá

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir


   Leia também:
 
[28/07/2014] - Pressão dos frigoríficos sobre a arroba continua
[28/07/2014] - Boi teve alta de quase 20% em um ano no MS
[28/07/2014] - Chuvas ajudam a manter pastos verdes em SP
[28/07/2014] - Copa não ajudou a vender mais carne
[28/07/2014] - JBS compra unidades da Tyson no Brasil e México
[28/07/2014] - Confirmados casos de estomatite em 4 estados
[28/07/2014] - MAPA orienta: como enfrentar a estomatite?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/07/2014] - Demanda fraca prejudica arroba do boi
[25/07/2014] - Entidade pede mudança na lei da tuberculose
[25/07/2014] - MPF e Abiec assinam acordo por sustentabilidade
[25/07/2014] - Farelo e caroço de algodão mais baratos
[24/07/2014] - Pressão de baixa no boi é maior em São Paulo
[24/07/2014] - CEPEA: com confinamento, frigoríficos pressionam
[24/07/2014] - Economia piora e pressiona frigoríficos
[24/07/2014] - Pecuária cresce 15,6% e puxa PIB do agro
[24/07/2014] - Multinacionais de lácteos de olho no Brasil
[24/07/2014] - Entidade pede Zona de Alta Vigilância para aftosa
[24/07/2014] - Reação à vacina: prejuízo para o pecuarista
[24/07/2014] - Como combater lagartas nas pastagens?
[24/07/2014] - Governo publica regras para o ITR 2014
[23/07/2014] - Confinamento começa a afetar preço da arroba
[23/07/2014] - Após bater recorde, preço do bezerro cai
[23/07/2014] - Imea: economia pode prejudicar demanda por carne
[23/07/2014] - Pecuarista já se prepara para a estação de monta
[23/07/2014] - Polpa cítrica em falta
[23/07/2014] - Foco de estomatite já traz prejuízos no MT
[22/07/2014] - Acordo com EUA poderá prejudicar carne do Brasil
[22/07/2014] - Pressão e lentidão no mercado do boi
[22/07/2014] - Indea confirma estomatite e descarta aftosa no MT
[22/07/2014] - O boi em xeque
[22/07/2014] - Governo destina R$ 25 mi à qualidade do leite
[22/07/2014] - Escândalo da carne se espalha na China
[21/07/2014] - Exportações aos países árabes crescem 18,4%
[21/07/2014] - Situação econômica já afeta vendas de carne
[21/07/2014] - Oferta de boi encurta, escalas ainda confortáveis
[21/07/2014] - Reposição: fêmeas têm queda de preço
[21/07/2014] - No Triângulo Mineiro, o problema é a seca
[21/07/2014] - Cheias destroem pastos e lavouras no RS
[21/07/2014] - Superavit do agro continua em alta: US$ 8,4 bi
[21/07/2014] - Venda de adubo bate recorde
[21/07/2014] - CAR avança, mas ainda tem problemas
[21/07/2014] - Fazendas sofrem com falta de mão-de-obra
[18/07/2014] - China derruba embargo à carne brasileira
[18/07/2014] - Brasil espera vender R$ 1 bi de carne à China
[18/07/2014] - ABIEC: abertura chinesa é estratégica
[18/07/2014] - Economia afeta consumo e segura a arroba
[18/07/2014] - Milho abaixo de R$ 10 a saca
[17/07/2014] - Pressão de baixa sobre a arroba não é generalizada
[17/07/2014] - CEPEA: arroba cai, custos em alta
[17/07/2014] - Embargos derrubam exportações do Mato Grosso
[17/07/2014] - Reposição está até 26% mais cara no MT
[17/07/2014] - Alta das carnes ajuda a reduzir deflação
[17/07/2014] - Produtores denunciam abates clandestinos de índios
[17/07/2014] - Lácteos Brasil pode se tornar venezuelana?
[16/07/2014] - Mercado do boi continua devagar
[16/07/2014] - Reposição: só bezerro caiu no MS
[16/07/2014] - Laboratório tenta relançar promotor polêmico

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br