Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

ARTIGO - Onde está a Pecuária no PAC?

 
 
 
Publicado em 24/03/2010

Nelson Pineda

Recentemente, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz anunciou a retração do PIB da atividade pecuária no ano de 2009. As perdas de exportação da indústria frigorífica superam a casa de US$ 1 bilhão, produto da retração mundial de consumo, das variações cambiais e das barreiras sanitárias impostas à carne bovina brasileira.

A sanidade animal em nível continental continua sendo um desafio para a América do Sul. Sermos barrados de alguns mercados por motivos sanitários, começar 2010 ainda com a União Europeia de portas fechadas, à espera de uma nova missão que possa nos dar um parecer de boa conduta, é emblemático e mostra o quanto a pecuária brasileira precisa ser repensada pelo setor.

Como é possível que o Brasil, com o maior rebanho bovino do mundo explorado comercialmente, com faturamento líquido que se mede na casa dos bilhões de dólares, desde 2002 continue refém da falta de competência para implantar um sistema de rastreabilidade? Como é possível que uma doença chamada aftosa possa paralisar as exportações, gerar enorme desemprego nos frigoríficos e complicar o abastecimento interno pelo acúmulo de oferta? Enfim, como é possível o Brasil continuar refém dessa situação por falta de investimento em defesa sanitária com um orçamento atual depauperado?

A pecuária brasileira, como segmento estratégico na produção alimentar e na interiorização da economia de forma produtiva, merece uma defesa sanitária altamente eficiente e, mais do que isso, tem condições de alavancar a erradicação da febre aftosa na América do Sul por meio de ações diplomáticas e de sanidade pró-ativas e compartilhadas. Não podemos continuar à mercê de uma doença já erradicada em boa parte do mundo civilizado, sendo que se detém tecnologia para isso. É difícil acreditar que faltem recursos. Um país que não dá prioridade à sanidade animal não enxerga esse segmento no prisma real da sua importância.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não contemplou até hoje a agropecuária diretamente. Apesar de o governo declarar que o setor agrícola será beneficiado pelos investimentos anunciados em infraestrutura, a realidade é que continuamos sem um programa estratégico de crescimento das exportações do agronegócio e da transformação do Centro-Oeste num celeiro mundial. Não temos planejamento estratégico de desenvolvimento da agropecuária e, tal como o programa de rastreabilidade continua uma colcha de retalhos, o PAC não passa de um remendo de estradas e de um anúncio de ideias. A infraestrutura tem de ser tratada num projeto macroeconômico e estratégico, para o Brasil realmente vir a crescer.

O Ministério da Agricultura não é tratado como prioritário pelo governo. Na verdade, esse comportamento tem sido praxe de todos os governos nos últimos 30 anos, que sempre subestimaram a agricultura. Em ano eleitoral os projetos aparentemente visam a entusiasmar a população para um novo Brasil com crescimento acelerado, mas o governo se esquece novamente da agricultura. As áreas que engendraram essas ideias são nitidamente urbanas e representam outros interesses políticos. O que falta à pecuária brasileira é repensar uma agenda de retomada do setor.

O PAC é uma lista de intenções, em que a pecuária não foi contemplada. Os governantes confundem a imagem do setor com os interesses pessoais do pecuarista e deixam de pensar em interesses nacionais e projetos que envolvem empregos e competitividade internacional, que amealham dólares e recursos para financiar nosso desenvolvimento.

Se o País tivesse uma agenda de crescimento real para a pecuária, não estaríamos procurando clientes na África, estaríamos apresentando ao mundo um projeto de produção de carne bovina com sustentabilidade. Esse é o Brasil grande com que sonhamos e que certamente não está no PAC nem nas intenções de governo forte, centralizador e social de dona Dilma Rousseff.

Nelson Pineda é pecuarista, engenheiro químico e membro da Câmara Setorial da Carne do Estado da Bahia.

Artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 24/03/2010

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br