Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

ARTIGO - Dá para entender o MST?

 
 
 
Publicado em 07/12/2009

Zander Navarro
Publicado na Folha de S. Paulo - 07/12/2009

Enredado em laranjais, desmatamentos ilegais, a ameaça de uma CPI e infindáveis ações, muitas conduzidas sob impressionante primarismo político, talvez seja oportuno um sucinto balanço sobre o MST, um quarto de século após a sua fundação. Como estudo a organização antes mesmo de ser formada, em 1984, ofereço algumas teses para aqueles que têm interesse nos processos sociais rurais e, particularmente, curiosidade sobre o movimento.

Sobre a sua natureza: não obstante o nome, o MST deixou de ser um movimento social há muitos anos, pois logo se estruturou como uma organização, centralizada no essencial (as formas de luta política e as principais bandeiras), mas descentralizada no varejo, ou seja, liberando a criatividade local.

Sociologicamente, movimentos sociais supõem algum grau de espontaneidade na ação e uma liderança flexível, o que o MST não apresenta desde os anos 80. Já as organizações, entre outros aspectos, criam carreiras, e atualmente o Movimento mobiliza centenas de militantes que não sabem desenvolver outra atividade, senão a agitação social.

Os "tempos do MST": a organização nasceu, de fato, na segunda metade dos anos 90, quando passou a frequentar a agenda nacional. Antes era sulista e menos conhecida.

Na mesma época, alterou o seu mecanismo principal de financiamento, até então provido pela generosidade de igrejas europeias, pois descobriu os furos das burras do Estado, com o início do processo de reforma agrária e a constituição do MDA, entre outras fontes estatais, das quais extrai os fundos, via entidades fantasia.

Mas continua recebendo recursos externos. A chance perdida: a "Marcha a Brasília", em abril de 1997, foi o único momento em que uma organização popular encurralou o governo de Fernando Henrique Cardoso, forçado a receber os sem-terra no Planalto. Seria o momento ideal da institucionalização, pois foi o auge da influência e do prestígio do MST. Poderia se transformar em agremiação sindical dos mais pobres do campo.

Seus líderes, contudo, preferiram a semiclandestinidade, contra uma sociedade que afirmava, cada vez mais, a sua natureza democrática. Sem surpresa, desde então os impasses se multiplicaram, pois esta esquizofrenia política não teria como prosperar.

As alianças na sociedade: cresceram no final da década passada, mas vêm estiolando nos anos recentes. Parece que a população foi cansando de tantas estrepolias não democráticas. Nascido no campo petista, onde está firmemente enraizado, mesmo o PT parece enfastiado com uma organização autoritária que perdeu a sua razão de existência e atira a esmo, enfraquecida porque não tem mais uma agenda própria.

Atualmente, apoiam-no setores do catolicismo radical, pequenos grupos em universidades públicas, notadamente cientistas sociais, algumas facções partidárias e, especialmente, estudantes. Demanda social pela reforma agrária: embora voz isolada, sustento que não existe mais demanda significativa, em quase nenhuma região, que justifique um programa nacional de reforma agrária.

Quando muito projetos regionais teriam alguma inteligibilidade, como no Nordeste, por exemplo. É preciso ter a coragem de mudar tudo nesta área, sob pena de manter um surrealismo institucional que desperdiça recursos públicos acintosamente, pois movido unicamente pela inércia e o corporativismo.

Ilusões públicas: o tamanho aparente do MST é muito maior do que a sua expressão real, sendo esta uma de suas armas decisivas para se manter à tona. Usando aliados e espaços da sociedade, amplifica fatos menores e eventos sem expressão, sugerindo ter uma força desmedida. Estrangeiros se confundem com esta paralaxe política, e no exterior se lê com frequência a risível afirmação sobre o "maior movimento social do planeta".

Não apenas parece maior do que é, mas o MST tem, na realidade, reduzido sua capacidade de recrutamento e mobilização. Se observadas criteriosamente, as ocupações de terra e outras ações têm diminuído, em número e tamanho. Fosse viável apurar, se concluiria, além disto, que a maior parte daqueles que nelas participam não são sem-terra, mas assentados e seus familiares, recrutados frequentemente sob formas variadas de intimidação.

O poder da propaganda: no melhor estilo "agit-prop" dos antigos partidos comunistas, o MST se apropriou de parte da sociedade civil, a quem domina e usa os recursos a seu favor.

Como é uma "organização dos pobres", somente uma minoria contesta o autoritarismo do movimento, desgostosos com posturas que algumas vezes beiram o protofascismo. Existindo um fio capilar que perpassa o MST, o campo petista e, mais genericamente, "a esquerda", poucos confrontam aqueles comportamentos, temendo a represália política.

O entrave principal: o MST não se moderniza porque é preso à visão neolítica de seu dirigente maior, que é, de fato, o dono da organização, para usar um termo apropriado, embora deselegante. Egresso do antigo MR-8, nos anos 70, o leninismo de João Pedro Stédile é que tem impedido o MST de se tornar um ator social relevante.

Formou à sua volta uma claque cuja lealdade cultua seu líder e não admite dissidentes. Que o diga José Rainha, o dirigente que afrontou Stédile e acabou exilado no Pontal do Paranapanema, juntamente com o seu MST do B.

"Demonização do MST": são tolas as afirmações sobre iniciativas que supostamente pretenderiam criminalizar a organização. É certo que há setores do empresariado rural que gostariam de liquidar o MST, refletindo sua histórica truculência, mas são irrelevantes em sua expressão social. Denúncias sobre criminalização soam ridículas, em face dos inúmeros atos de óbvia ilicitude. O argumento ignora a democratização e seus imperativos, sendo um absurdo lógico. Ou almejamos uma democracia sob a qual os preceitos legais não valeriam para alguns?

O maior desafio: qual a legitimidade do MST? Ninguém sabe, embora tantas vozes arvorem sua existência. Seus supostos líderes foram escolhidos quando e por quem? E sob qual espaço público, como seria esperado em uma sociedade democrática? Sem legitimação, por que se curvar às suas imposições? Qual é a base social do movimento, alguém saberia dizer? Aqueles que seguem suas ações, militantes ou simpatizantes, fazem-no voluntariamente, porque acreditam no MST, ou porque não têm outra escolha, pois recrutados em assentamentos sob seu domínio, onde controla recursos (públicos) e seleciona politicamente os assentados?

A grande pergunta: é um enigma que as autoridades não exijam a institucionalização do MST. Sobrevivendo primordialmente dos fundos públicos, o Estado tem o direito, senão o dever, de impor tal exigência.

Os requerimentos da transparência e publicização são repetidos monotonamente para todos os outros atores políticos, mas, estranhamente, ao movimento é permitido permanecer alheio à mesma institucionalidade. Se integrado, seriam legítimos seus líderes e as reivindicações, e suas disputas sociais se tornariam parte do ordenamento democrático, obtendo alguma tolerância pública. Se o movimento se recusa a esta mudança, preso a um bizarro fetiche ideológico de origem, somente o governo poderá impô-la, bastando ameaçar o acesso aos fundos públicos.

A vitória principal: na realidade, não tem sido manter viva a reforma agrária, ainda que sob crescente esgarçar. A maior vitória do MST é essencialmente política. Qual seja, mudar a correlação de forças no campo, o que é evidenciado por fato incontornável: não existe hoje nenhuma propriedade rural protegida, caso o MST decida conquistá-la. Com a democratização, a Justiça se tornou mais compreensiva e mesmo a repressão policial foi abrandada, deixando de registrar a inominável violência do passado.

Sob tais condições, a organização conquista o imóvel que ambicionar. A ironia, contudo, é que esta virada vem ocorrendo quando a demanda pelo acesso à terra desaba em todos os rincões rurais, erodida pela urbanização. Uma vitória pírrica, pois quando finalmente viável, a reforma agrária estancou, já que os interessados debandaram.

E o futuro? O MST se defronta hoje com o seu ocaso e tem apenas um caminho à sua frente. Qual seja, a sua institucionalização, organizando-se a favor do desenvolvimento rural e privilegiando os mais pobres das áreas rurais. Mantendo-se como é atualmente, apenas acentua sua lenta agonia, ainda que tantos cientistas sociais ingênuos propaguem manifestações de inacreditável desconhecimento sobre o mundo rural brasileiro. Nascido para defender a reforma agrária, esta viu passar o seu tempo histórico. Avançou o que foi possível, mas encontra em nossos dias os seus limites de necessidade.

Ainda sem sucesso, o MST tem procurado afirmar uma nova agenda ("ódio à ciência, ódio à agricultura moderna, ódio ao empresariado rural"), em nítido desespero demonstrado por tantas iniciativas delirantes, seja por se manter sob um não democrático anacronismo organizacional, seja por defender uma ideologia antimoderna. Se persistir neste rumo, apenas apressará o seu desaparecimento.

ZANDER NAVARRO, 58, mestre e doutor em sociologia, é professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisador visitante do Instituto de Estudos sobre o Desenvolvimento da Universidade de Sussex (Inglaterra). Atualmente integra a Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br