Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
330,00 310,00 328,00
GO MT RJ
315,00 308,00 309,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2620,00
Garrote 18m 2920,00
Boi Magro 30m 3610,00
Bezerra 12m 2300,00
Novilha 18m 2670,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 21/1/2022 10:49

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Boi - o custo dos equívocos

 
 
 
Publicado em 25/03/2009

Pedro de Camargo Neto

Como resultado da gestão equivocada, para não usar a palavra irresponsável, na implantação de um sistema de rastreabilidade individual de bovinos, exigência exagerada da União Europeia (UE), porém prometida pelo Brasil e, portanto, de cumprimento obrigatório, começamos a perder a exportação de carne bovina para aquele mercado em 2007.

Era o principal mercado do Brasil, absorvendo, em 2006, exportações de US$ 1,16 bilhão, 37% do total embarcado em receita, ou 23% em volume, com 314,35 mil toneladas. Em 2008, o Brasil exportou para a União Europeia só US$ 270 milhões, uma retração certamente significativa.

Não se perde o principal cliente impunemente. O custo desta enorme perda começa a chegar. O fechamento de unidades industriais de abate de bovinos e, agora, a inadimplência financeira das empresas causam grande preocupação a todos. A queda de preços dos bovinos volta a desestimular a produção.

A UE era compradora de cortes bovinos de alto valor. Filé, contrafilé e alcatra eram vendidos a preço elevado, garantindo cotação média de US$ 3.690 a tonelada, 58% superior ao preço médio pago pela Rússia, segundo maior cliente, com US$ 2.335 por tonelada de cortes basicamente do dianteiro do boi, menos valorizados.

A receita vinda da UE, que comprava parte pequena da carcaça bovina, porém, muito valorizada, era essencial na formação de valor de toda a cadeia produtiva. O volume de 23% embarcado em 2006 para a UE é de grande significado, mas, quando se sabe que essa quantidade era obtida de parte pequena da carcaça, a importância daquele mercado precisa ser destacada.

A perda do mercado europeu não teve efeito imediato no produtor, pois ocorreu em momento de pouca oferta de animais, resultado de anos de preços baixos para o pecuarista. A pecuária de corte é uma atividade de ciclo longo e os ajustes na produção demoram para repercutir nos mercados.

Os cortes valorizados, que não foram exportados, encontraram, em 2008, o consumidor interno com boa renda e ávido para aproveitar ofertas no varejo. O pecuarista viu os preços se sustentarem. A queda na receita total certamente afetou o resultado dos frigoríficos.

O incidente, em 2007, encontrou a indústria frigorífica em euforia. Anos de crescimento nas exportações tinham ocorrido, pois saímos de exportações de US$ 776 milhões, em 2002, para US$ 4 bilhões, em 2008. O período de crescimento das exportações encontrou grande oferta de bovinos, resultado de significativos aumentos de produtividade zootécnica em anos passados. O aumento da oferta reduziu os preços recebidos pelos pecuaristas.

Paralelamente, vivíamos o boom global, em que a excessiva liquidez de mercados financeiros internacionais priorizava ações de captação de recursos e abertura de capital. A prioridade da indústria frigorífica era crescer e se consolidar. A preocupação com os mercados, interno e externo, e com a estabilidade de suprimentos de bovinos inexistia.

O Ministério da Agricultura reagiu lentamente ao descredenciamento europeu, que levou à perda de mercado e de credibilidade. O sistema de rastreabilidade foi sendo reconstruído, atendendo exigências agora ainda maiores da UE. A auditoria, ocorrida no fim de 2008, teria encontrado poucos problemas.

As exportações para a UE continuam, mas em volumes menores por falta de animais que atendam às exigências da rastreabilidade. Exportamos hoje o mesmo que há 10 anos. O sistema de rastreabilidade atual parece ter conquistado certa credibilidade externa. Porém, o rebanho credenciado a ter sua carne exportada é ainda muito pequeno, por causa da dificuldade de inserção de bovinos no sistema. Os procedimentos introduzidos pelo Ministério da Agricultura criaram uma brutal lentidão burocrática que dissemina somente descrença e desânimo entre os pecuaristas.

A crise global chegou com os efeitos de redução de liquidez financeira e ajustes nos mercados consumidores. Certamente é preciso reforçar linhas de crédito e maior apoio do governo.

Não podemos, porém, continuar ignorando que a perda do nosso maior cliente, a União Europeia, tem efeitos igualmente importantes e que o sistema de rastreabilidade individual de bovinos pode, hoje, não ser a vergonha que era em 2007, porém, não tem a eficiência que atenda às necessidades do mercado, situação inaceitável neste momento de crise.

*Pedro de Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), foi secretário de Produção e Comercialização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de 2001 a 2002

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/01/2022] - Boi parado há nove dias em São Paulo
[21/01/2022] - Frigoríficos pagam até R$ 10 a mais por boi China
[21/01/2022] - Importador prevê mais carne brasileira na China
[21/01/2022] - Diferença entre boi e frango é a segunda maior
[21/01/2022] - Brasil importou menos lácteos em 2021
[21/01/2022] - O calor vai continuar no Rio Grande do Sul?
[20/01/2022] - EUA lideram compras do Brasil pelo segundo mês

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/01/2022] - Arroba: mercado parado em SP
[20/01/2022] - MS: pecuaristas pagaram a conta do embargo chinês
[20/01/2022] - Prefeitura pede que JBS devolva terreno
[20/01/2022] - Milho já passa de R$ 100 a saca no Sul
[20/01/2022] - Itália tenta conter surto de peste africana
[19/01/2022] - Arroba: exportações podem bater recorde histórico
[19/01/2022] - Agro domina exportações em portos do Paraná
[19/01/2022] - Marfrig: ômicron não afeta abates
[19/01/2022] - Pecuaristas recusam acordo com frigorífico fechado
[19/01/2022] - Leite: ano pode ser complicado para o produtor
[19/01/2022] - Milho volta a rondar os R$ 100 a saca
[19/01/2022] - IGP-M volta a acelerar
[18/01/2022] - Exportações de carne estão acima de janeiro 2021
[18/01/2022] - Arroba: cenário de estabilidade
[18/01/2022] - Escalas estão menores em Mato Grosso
[18/01/2022] - Briga por ICMS sobre o milho vai à Justiça
[18/01/2022] - Pecuaristas protestam contra a Globo Rural
[17/01/2022] - Arroba: nem pra cima, nem pra baixo
[17/01/2022] - Frigorífico fecha e deixa dívida milionária
[17/01/2022] - Milho volta a ser negociado acima de R$ 100 a saca
[17/01/2022] - JBS anuncia novo presidente da JBS Brasil
[17/01/2022] - Globo Rural ataca a Pecuária brasileira
[17/01/2022] - Estados decidem elevar ICMS sobre combustível
[14/01/2022] - PIB do Agro cresceu 10% em 2021
[14/01/2022] - Arroba: pecuarista vai segurar o boi
[14/01/2022] - Arroba: preços não acham espaço para cair
[14/01/2022] - Milho: produção deve crescer em 2022
[14/01/2022] - Varejo vendeu mais puxado por supermercados
[14/01/2022] - Exportações do Agro cresceram 9,5% em SP
[14/01/2022] - Câmara aprova incentivo a reservas em fazendas
[13/01/2022] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pressão
[13/01/2022] - CEPEA: ano inicia com arroba em alta
[13/01/2022] - Chineses vão pagar mais caro pela carne suína
[13/01/2022] - Tereza Cristina visita áreas atingidas pela seca
[13/01/2022] - Safra tem perdas severas também no Paraná
[12/01/2022] - Consultoria prevê mercado bom para exportações
[12/01/2022] - Exportações de carne de MT bateram US$ 1,7 bi
[12/01/2022] - Arroba: frigoríficos e pecuaristas olham o mercado
[12/01/2022] - Onda de calor preocupa produtores do Sul do Brasil
[12/01/2022] - Chuvas começam a perder força no Brasil Central
[12/01/2022] - Polícia prende quadrilhas que roubam defensivos
[11/01/2022] - Arroba: frigoríficos tentam baixa, sem sucesso
[11/01/2022] - Exportações: China já movimenta o mercado
[11/01/2022] - Frigoríficos dos EUA reduzem produção por COVID
[11/01/2022] - Canadá registra caso de vaca louca
[11/01/2022] - Milho: como ficará o mercado em 2022?
[11/01/2022] - Peste Suína Africana se espalha pela Europa
[11/01/2022] - Peste suína também chega à Tailândia
[11/01/2022] - Inflação bateu recorde, puxada por combustíveis
[10/01/2022] - Neloristas cobram posicionamento claro do Bradesco

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br