Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
266,00 267,00 251,00
GO MT RJ
248,00 254,00 280,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3290,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2540,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 15/10/2021 10:48

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Consultorias debatem: quantos bois há no Brasil?

 
 
 
Publicado em 10/09/2021

Dados divergentes sobre o tamanho do rebanho bovino brasileiro continuam a gerar ruído na cadeia produtiva e alguma incerteza em planejamentos de longo prazo. Ainda são grandes as diferenças entre estimativas oficiais e privadas, e até o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), cujas estatísticas são referência no comércio internacional, colabora para aprofundá-las.

Projeção divulgada em agosto pelo órgão americano apontou que o rebanho bovino do Brasil é 33% maior do que o estimado pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec) no Beef Report, publicado em junho. No anuário, a Abiec calculou entre 175 milhões e 180 milhões de cabeças de gado, enquanto o USDA, no documento Livestock and Products Annual, indicou que existiam 252,7 milhões de cabeças em janeiro.

A Abiec argumenta, no Beef Report, que o comportamento do mercado desde 2019 indica que não há como o país ter mais de 215 milhões de cabeças em seu território. Sócio-diretor da Athenagro, empresa responsável pela organização dos dados, Maurício Nogueira afirma que nada explica o número do USDA.

A projeção da Athenagro combina dois levantamentos do IBGE: o Censo Agropecuário de 2017, que estimou 172 milhões de cabeças, e a Pesquisa Pecuária Municipal (PPM) mais recente, de 2019, que calculou 214,7 milhões de cabeças.

Nogueira explica que o dado da PPM pode ser “inflado”, já que pecuaristas mantêm gado abatido em seus números de estoque para não ter problemas com o Incra. Acontece que, segundo o diretor, o índice de uso da terra da instituição é calculado em cabeças por hectare, e pecuaristas que abatem gado mais jovem podem ser prejudicados na conta.

Assim, a consultoria pegou o número base do Censo de 2017 e somou com as variações em volume registradas nas PPMs dos anos seguintes, chegando à projeção que vai de 175 milhões a 180 milhões de animais - podendo alcançar 190 milhões em anos de oferta muito elevada, que não é o caso.

Luciano Vacari, diretor da Neo Agro Consultoria, afirma que faltam dados sólidos sobre o rebanho brasileiro, mas que tudo indica que a realidade esteja mais próxima do número do Beef Report do que da projeção do USDA. “Se tivéssemos desfrute de 20%, tínhamos que estar abatendo 50 milhões de cabeças no ano”, diz ele. Segundo o IBGE, em 2020, o país abateu menos de 30 milhões de bovinos sob algum serviço de inspeção oficial.

Além de estimar um rebanho maior, o USDA acredita que o número deverá crescer 4% neste ano e chegar, em janeiro de 2022, a 264 milhões de cabeças de gado. Segundo o documento elaborado por Saulo Nogueira, pecuaristas estão retendo fêmeas para produzir bezerros e aproveitar os altos preços do boi.

A projeção do USDA também se apoia na perspectiva de que o segmento está se recuperando de uma fase de baixa oferta, que predominou entre 2016 e 2019, e conta com crédito subsidiado pelo governo para melhorar pastagens e adotar tecnologias reprodutivas.

O USDA prevê, ainda, que a demanda global por carne bovina será menor em 2022. O documento diz que o mercado brasileiro está atento à China, maior importador da proteína do país, com medo que o gigante reduza as compras. Também espera-se uma nova dinâmica do comércio global associada a mudanças no perfil de consumo e no poder de compra, por conta da continuidade da pandemia do coronavírus.

Um quadro de maior oferta e menor demanda pode pressionar mais produtores a deixarem a atividade. Nogueira diz que muitos pecuaristas saíram do segmento para começar negócios mais lucrativos, como o cultivo de grãos. O impacto maior foi sentido entre pequenos e médios produtores do Sul e Sudeste. Já os produtores do Centro-Oeste, que respondem por 35% da produção nacional, contam com mais recursos próprios e opções de financiamento para seguir na ativa. Com informações do Valor.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[15/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam derrubando o boi
[15/10/2021] - Ataques a entidades do Agro causam indignação
[15/10/2021] - Deputado da FPA pede investigação de vandalismo
[15/10/2021] - Atividade econômica perdeu força em agosto
[15/10/2021] - JBS faz novo investimento nos Estados Unidos
[15/10/2021] - Alemanha tem caso atípico de vaca louca
[14/10/2021] - China terá carne barata quando mercado reabrir?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[14/10/2021] - Militantes vandalizam sede de entidades do Agro
[14/10/2021] - Arroba: boi caiu, mas a carne ainda não
[14/10/2021] - CEPEA: pecuaristas não aceitam preços menores
[14/10/2021] - PIB da Pecuária: alta de 6,1% em 2021
[13/10/2021] - Como estão as exportações em outubro?
[13/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam segurando compras
[13/10/2021] - China derrubou importações de carne
[13/10/2021] - Milho: compradores saíram do mercado
[13/10/2021] - Proibição da exportação de gado avança
[08/10/2021] - China deve aumentar (muito) importações do Brasil
[08/10/2021] - Arroba: frigoríficos travam as compras
[08/10/2021] - Produção de leite de Mato Grosso caiu
[08/10/2021] - Bolsonaro: falta de adubo é preocupante
[07/10/2021] - Abrafrigo: EUA dobraram importações do Brasil
[07/10/2021] - Arroba: reabertura chinesa pode ocorrer amanhã
[07/10/2021] - Arroba: frigoríficos estão atrás de boi barato
[07/10/2021] - CEPEA: referência está quase 5% menor
[07/10/2021] - Leite: preço ao produtor volta a subir em setembro
[07/10/2021] - Lácteos sobem pelo sexto mês consecutivo
[07/10/2021] - RS já registrou focos de raiva em 25 municípios
[07/10/2021] - Preço do milho já caiu quase 5%
[07/10/2021] - Fundador da Marfrig será julgado pela CVM
[06/10/2021] - Embargo chinês: o que dizem os analistas?
[06/10/2021] - Confinadores já fazem conta dos prejuízos
[06/10/2021] - Arroba: mercado segue travado
[06/10/2021] - Carcaça casada caiu em setembro
[06/10/2021] - Crédito rural bate recorde histórico
[06/10/2021] - Senado aprova novas regras para ferrovias
[06/10/2021] - IGP mostra que inflação perdeu força
[05/10/2021] - Arroba: mercado calmo
[05/10/2021] - Arroba: frigos derrubam o boi no mercado futuro
[05/10/2021] - Laticínios anunciam fusão
[05/10/2021] - Milho: mercado recuou
[05/10/2021] - EUA anunciam vacina para Peste Suína Africana
[04/10/2021] - Exportações de carne bovina: alta de 31%
[04/10/2021] - Receita com exportações foi a maior da história
[04/10/2021] - Frigoríficos pagam menos, mas carne não caiu
[04/10/2021] - Leite volta a subir em setembro
[04/10/2021] - Milho: vendedores saem do mercado
[04/10/2021] - Faltam tratores e máquinas no mercado
[01/10/2021] - Ações de frigoríficos nem sentiram embargo chinês
[01/10/2021] - BNDES, enfim, deve vender ações da JBS
[01/10/2021] - Arroba: frigoríficos seguem pressionando com força
[01/10/2021] - Arroba: especulação tomou conta em SP
[01/10/2021] - Justiça proíbe demissões na Marfrig
[30/09/2021] - Frigoríficos derrubam o boi e põem culpa na China
[30/09/2021] - CEPEA: boi tem a maior queda desde janeiro de 2020
[30/09/2021] - Agro continua gerando mais empregos
[30/09/2021] - Ração: preços dispararam... na China
[30/09/2021] - Carne bovina disparou também nos EUA

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br