Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
294,00 271,00 290,00
GO MT RJ
286,00 279,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2290,00
Garrote 18m 2730,00
Boi Magro 30m 3510,00
Bezerra 12m 2060,00
Novilha 18m 2530,00
Vaca Boiadeira 2740,00

Atualizado em: 27/1/2021 09:31

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtores do PR se unem contra aumento da energia

 
 
 
Publicado em 04/12/2020

A FAEP, Fiep, Ocepar, Sindiavipar, Sindicarnes e Sindileite subiram o tom contra a tentativa do governo do Paraná de pôr fim ao Programa Tarifa Rural Noturna (TRN). Em ofício encaminhado ao governador do Estado, Carlos Massa Junior, e a todos os deputados estaduais, as seis entidades apontam que o governo “está cometendo um grave equívoco” e pedem a retirada do projeto de lei que, se aprovado, acaba com o TRN. Anteriormente, a FAEP já havia enviado ao governador estudos técnicos que dimensionam a importância do programa ao setor agropecuário e que o fim do subsídio pode tornar inviáveis atividades determinantes à economia do Paraná.

“Eliminar abruptamente o Programa Tarifa Rural Noturna num momento difícil de nossa economia significa empurrar para os produtores rurais um acréscimo impraticável em seus custos de produção, enquanto se procura mitigar os impactos sociais e econômicos da pandemia a outros setores”, consta do ofício.

A proposta de terminar com a TRN consta do Projeto de Lei (PL) 657/2020, encaminhado pelo governador à Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), em 24 de novembro. A propositura tem como objeto principal instituir o Programa Paraná Energia Rural Renovável – voltado à ampliação da oferta ao campo de energia de fontes sustentáveis, como a solar e de biomassa. Ocorre que no último artigo, o texto prevê a revogação da Lei 18.912/2019, que criou o Tarifa Rural Noturna. Ou seja, se o projeto for aprovado, o TRN chega ao fim.

“Não somos contra o Programa Paraná Energia Rural Renovável. Pelo contrário. O campo está alinhado ao uso de energia limpa e a FAEP é pioneira ao incentivar e ajudar a criar condições para que nossos produtores instalem sistemas de energia solar ou a partir de biodigestores. Mas simplesmente acabar com o TRN, de uma hora para outra, não é o caminho. Defendemos que haja um período de transição, em que ambos os programas coexistam, até que todos os produtores possam se planejar para investir nas fontes de energia renovável”, defende o presidente da FAEP, Ágide Meneguette. “O projeto precisa ser devolvido ao governador, para que se façam alterações”, acrescenta.

Ações anteriores

Mesmo antes do envio do projeto, o TRN já estava sob ameaça. Ao encaminhar à Alep o projeto de lei orçamentária para 2021, o governo do Paraná não previu recursos para a manutenção do programa. Sem essa previsão, não haveria como custear o subsídio aos produtores rurais. Por isso, as entidades também reforçaram a importância da destinação de fundos para a continuidade do programa.

“Ao mesmo tempo, insistimos na necessidade de prever recursos no orçamento do Estado para o próximo ano para bancar a manutenção do programa até que haja uma solução justa para questão”, ressaltam as entidades.

No PL que prevê a criação do Programa Paraná Energia Rural Renovável e o fim do Tarifa Rural Noturna, o governador anexou uma justificativa, em que argumenta que empreendimentos rurais que consomem elevadas quantidades de energia elétrica por mês são beneficiados com o maior volume dos recursos públicos implicados no desconto, em detrimento aos empreendimentos rurais de menor porte, que consomem menos energia elétrica”. Ou seja, Massa Junior, diz que o TRN beneficiaria grandes produtores.

Estudos elaborados pelo Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP, no entanto, demonstram que a informação está equivocada. Em primeiro lugar, porque a lei que instituiu o Tarifa Rural Noturna estabelece regras para que os produtores rurais tenham acesso ao desconto. Uma delas deixa claro que o estabelecimento rural precisa estar ligado à rede de baixa tensão – incompatível, portanto, com grandes propriedades.

Além disso, o programa é responsável por manter na ativa pequenos e médios produtores dedicados a atividades que demandam intenso uso de energia elétrica, como a avicultura, suinocultura, bovinoculturas de leite e de corte, fumicultura, aquicultura e sericicultura.

No caso da avicultura, por exemplo, a energia elétrica chega a representar 20% dos custos de produção – principalmente, para manter o controle de ambiência dos aviários. Além disso, tratam-se de setores que trabalham com margens muito pequenas e que o fim do subsídio pode implicar na inviabilidade da atividade – o que geraria um impacto significativo à geração de riquezas do Paraná.

Impacto do programa

Criado pela Lei 19.812, de 2019, o TRN é um programa estadual, que, segundo dados da Companhia Paranaense de Energia (Copel) beneficia 12 mil produtores, mas que pode chegar a 77,5 mil propriedades rurais ou estabelecimento agropecuários. Um estudo do DTE da FAEP estima que, considerando a média de 2,3 funcionários por propriedade e que as famílias rurais são compostas por, em média, seis pessoas, o TRN tem potencial de beneficiar mais de 1 milhão de pessoas.

O fim da TRN pode inviabilizar negócios, trazendo impactos diretos e afetar algumas das atividades que mais geram riquezas ao Paraná. A cadeia produtiva da avicultura, por exemplo, representa 63% do Valor Bruto de Produção (VBP) da pecuária do Paraná, o que corresponde a R$ 21,9 bilhões por ano. Juntas, as cadeias afetadas pelo eventual fim do Tarifa Rural Noturna responderam por mais de 20% das exportações do agronegócio paranaense em 2019, o que corresponde a US$ 3 bilhões. Na avaliação da FAEP, o fim do desconto representará diminuição da competitividade dos produtos agropecuários.

Por outro lado, em razão da pandemia do novo coronavírus, vários setores da economia tiveram subsídios tarifários – inclusive na energia elétrica –, mas o campo ficou de fora desses benefícios. O ofício encaminhado pelas entidades também ressalta esse ponto: “Enquanto se reduz a tarifa de energia residencial, o governo federal eleva em 6,8% o custo da energia rural. A valor o projeto que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná, além deste aumento, pesará ainda a retirada do benefício do Programa da Tarifa Rural Noturna”.

Apoios

Pelo menos três deputados estaduais já se manifestaram em favor da manutenção do Tarifa Rural Noturna. Em pronunciamento na sessão legislativa de 1º de dezembro, o deputado Douglas Fabrício discursou sobre a importância do TRN, principalmente aos pequenos produtores rurais. O parlamentar também apresentou um requerimento ao governador, solicitando a continuidade do programa.

“A importância do programa aos produtores rurais deve ser considerada. É um apoio que todo o setor precisa”, enfatizou Douglas Fabrício, alertando que a interrupção do programa pode resultar em sérios problemas ao agronegócio e consequentemente a economia do Paraná.

Em 2 de dezembro, foi a vez de o deputado Anibelli Neto se posicionar. Presidente da Comissão de Agricultura e Pecuária da Alep, o parlamentar fez um apelo ao governador, pela manutenção do TRN. Segundo ele, o valor da isenção representa pouco para a Copel. Anibelli concorda que há produtores que não precisariam receber o incentivo, mas destacou que o subsídio é determinante para a maioria absoluta continuar produzindo. Ele propõe, então, que se eliminassem os excessos, mas sem pôr fim ao programa. “Esta questão não tem a ver com o mercado, mas dar condições das famílias continuarem trabalhando para sobreviver. É preciso tratar desigual os desiguais”, afirmou.

Outro deputado que se manifestou é Tião Medeiros, que destacou a importância do programa para manter o agronegócio paranaense competitivo. “É importante que se mantenha no orçamento do Estado, nos mesmos moldes dos anos anteriores, um valor para subsidiar a energia noturna para irrigação e para a atividade rural. E assim tornar o agronegócio verdadeiramente competitivo, uma vez que a energia tem um custo muito elevado em relação aos outros mercados que competem com o Brasil”, defendeu. Com informações da FAEP.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[27/01/2021] - Setor protesta contra alta do ICMS em São Paulo
[27/01/2021] - Arroba: R$ 300 já é referência para o boi
[27/01/2021] - Leite: produtor amarga prejuízos em SC
[27/01/2021] - Milho: queda do dólar pressiona preços
[27/01/2021] - Caminhoneiros: greve vira briga política

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[26/01/2021] - Mato Grosso pode ter apagão do boi em 2021
[26/01/2021] - Exportações: média diária maior que em 2020
[26/01/2021] - Preço do boi continua subindo em Goiás
[26/01/2021] - Frigoríficos dos EUA não poderão aumentar abates
[26/01/2021] - A hora é boa para comprar fertilizantes?
[26/01/2021] - Guedes crê em crescimento de 3,5% para o Brasil
[25/01/2021] - Arroba: semana de recordes para o boi?
[25/01/2021] - China não provou acusações contra frigoríficos
[25/01/2021] - Leite subiu mas custo também subiu em MS
[25/01/2021] - Leite: estiagem ainda afeta produtores do RS
[25/01/2021] - Milho: preços continuam batendo recordes
[25/01/2021] - Farelo de soja está mais caro
[25/01/2021] - Pecuaristas sofrem com falta de chuvas em MT
[25/01/2021] - Funai muda critério para reconhecer índios
[22/01/2021] - Arroba do boi volta a bater recorde de preço
[22/01/2021] - Pecuaristas atentos à manobra dos frigoríficos
[22/01/2021] - China tem foco de Covid em frigorífico
[22/01/2021] - Veja como as ONGs trabalham contra o Brasil
[22/01/2021] - PIB do Agro cresceu 16,81% até outubro de 2020
[22/01/2021] - Indonésia importará boi em pé e carne bovina
[22/01/2021] - JBS EUA vai pagar para funcionário tomar a vacina
[21/01/2021] - JBS vai mesmo processar os irmãos Batista
[21/01/2021] - Arroba: boi já volta ao patamar de R$ 300
[21/01/2021] - CEPEA: arroba tem a maior alta da história
[21/01/2021] - China: peste suína volta a aparecer
[21/01/2021] - Leite: cooperativas sofrerão com alta do ICMS
[21/01/2021] - Bolsonaro é contra venda de terra a estrangeiro
[20/01/2021] - Arroba: frigoríficos começam a dar férias
[20/01/2021] - A disparada do boi em Mato Grosso do Sul
[20/01/2021] - China reabilita unidades da JBS
[20/01/2021] - Entidade descarta greve dos caminhoneiros
[20/01/2021] - Milho: alta de preço não tem fim
[19/01/2021] - Arroba começou a semana estável em SP
[19/01/2021] - Boi está em alta em Goiás
[19/01/2021] - Exportações perderam força na última semana
[19/01/2021] - Leite: preços devem ficar firmes, segundo o CEPEA
[19/01/2021] - ANTT publica tabela com fretes mais caros
[19/01/2021] - Atacado continua puxando índice de inflação
[19/01/2021] - Quadrilha simulava compra de gado em Goiás
[18/01/2021] - Governo de SP decide taxar leite pasteurizado
[18/01/2021] - Leite: aumento do ICMS pode fechar fazendas
[18/01/2021] - Arroba: movimento de alta continua
[18/01/2021] - Carne sobe no atacado
[18/01/2021] - Milho: preços em disparada preocupam
[18/01/2021] - China ainda tenta recuperar produção de carne
[18/01/2021] - JBS vai antecipar pagamento de dívida
[18/01/2021] - Polícia recupera gado roubado em MG
[15/01/2021] - Arroba: frigoríficos seguem oferecendo mais
[15/01/2021] - Greve dos caminhoneiros: se ocorrer será pontual
[15/01/2021] - IGP-10 recua com queda de preços ao consumidor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br