Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
266,00 254,00 268,00
GO MT RJ
261,00 255,00 267,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2330,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3460,00
Bezerra 12m 2050,00
Novilha 18m 2530,00
Vaca Boiadeira 2760,00

Atualizado em: 4/12/2020 13:24

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Argentinos crêem que acusação é para baixar preços

 
 
 
Publicado em 17/11/2020

A suposta detecção de Covid-19 em embarques de carnes provenientes da Argentina e a decisão posterior da China de suspender os frigoríficos supostamente culpados pelo contágio sacudiu as águas do segmento exportador do país vizinho. Depois do primeiro caso exposto na semana passada, agora se somaram duas novas situações de suposta contaminação com o vírus por alegado manejo inadequado por comercializadores argentinos.

A utilização de termos como "supostos" e "aparentes" não são por acaso: segundo fontes do mercado frigorífico local, a presença de coronavírus foi completamente descartada em qualquer movimento feito na Argentina.

Em compensação, as mesmas fontes observam na manobra chinesa uma estratégia de "amassar" o preço do produto até que seja confirmada a continuação da circulação descontrolada do vírus na Ásia.

Miguel Schiariti é presidente da Câmara da Indústria de Carnes da Argentina (CICCRA). Em entrevista ao iProfesional, criticou a decisão chinesa de suspender as compras de frigoríficos como o Gorina, de La Plata, acusado pela China de exportar cargas de carne com Covid-19.

Miguel defende que somente o tempo de viagem para transporte do produto até o porto chinês erradicaria qualquer possibilidade de sobrevivência do coronavírus na mercadoria.

"Os achados vêm ocorrendo nas caixas, sobre o material já nacionalizado. É dizer que passou pela alfândega e em seguida circulou por diferentes depósitos. Um envio de carga à China demora entre 45 e 60 dias dependendo do porto de destino. Não sou epidemiologista, mas basta ver que uma quarentena dura duas semanas. O vírus não pode superar o tempo da viagem", afirmou.

"A primeira leitura que fazemos é que, com estes movimentos, a China quer é baixar os preços. A segunda corresponde ao momento que vive na pandemia: não querem reconhecer que têm um enorme problema de contágios de Covid-19. Está tentando ocultar que o cenário sanitário está descontrolado e a circulação da enfermidade é enorme", adicionou.

Estratégia não tarifária

Segundo Schiariti, há tempos "a China começou a ensaiar barreiras não-tarifárias" e deu como exemplo a exigência de certificados de "livre de Covid-19" feitas por autoridades daquele país para alimentos importados.

"Argentina não deu importância a este pedido e agora acontecem essas situações. Mas o material genético do vírus se encontra em caixas e não no produto em si, estamos certos de que o problema sanitário não teve origem em nosso país.", disse.

"A China também começou a criar dificuldades com o Brasil e o Uruguai. A realidade é que se continuarem a insistir com essas sanções aos frigoríficos e exigências de selos e outros vão ter como resposta o contrário do que procuram: a carne vai ficar mais cara. E vão receber menos quantidade por reduzir o número de fornecedores. Desse jeito, os chineses estarão comprando um problema de longo prazo", avisou.

Consultadas pelo iProfesional, fontes ligadas ao SENASA (o SIF da Argentina) assinalaram diversas irregularidades na forma em que os chineses detectariam Covid-19 nos embarques de carne argentina. "Isto ocorreu num contexto que é bastante desorganizado por parte da China, já que não é a alfândega ou o serviço sanitário nacional que faz este tipo de análise, são municípios isolados. São feitos uma vez que a mercadoria já está nacionalizada", indicaram essas fontes.

"Não parece um problema sanitário e sim bem mais comercial. Talvez, como se diz no setor, para baixar o preço da carne. É estranho que estas informações venham de municípios e não do nosso equivalente chinês", agregaram. Com informações da iProfesional.

 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[04/12/2020] - Frigoríficos querem a arroba a R$ 260
[04/12/2020] - Arroba: frigoríficos testam valores menores
[04/12/2020] - China volta a falar de contaminação em carne
[04/12/2020] - Produtores do PR se unem contra aumento da energia
[04/12/2020] - Taxação do Agro pode se espalhar pelo Brasil
[03/12/2020] - Arroba: qual a estratégia dos frigoríficos?
[03/12/2020] - Agrifatto: pico da arroba pode ter passado

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[03/12/2020] - CEPEA: oferta curta e preços em baixa para o boi?
[03/12/2020] - Abates precoces disparam em Mato Grosso
[03/12/2020] - Queda do PIB do Agro no trimestre não é relevante
[03/12/2020] - Dólar cai com força ao menor valor em 4 meses
[03/12/2020] - Milho volta a cair no mercado brasileiro
[03/12/2020] - Aftosa: vacinação é prorrogada em 13 estados
[03/12/2020] - Produtor rural de SP vai pagar muito mais imposto
[02/12/2020] - Preço da carne exportada volta a cair em novembro
[02/12/2020] - Arroba: mercado do boi devagar
[02/12/2020] - Pecuaristas sofrerão pressão de custos em 2021
[02/12/2020] - Marfrig: trabalhadores protestam e param produção
[02/12/2020] - Pecuaristas vão à Justiça contra frigoríficos
[02/12/2020] - Leite: preços devem cair e pressionar produtor
[02/12/2020] - Bancada do Agro tem novo presidente
[02/12/2020] - Aglomeração de cavalos é proibida no Tocantins
[02/12/2020] - Milho cai com recuo do dólar
[02/12/2020] - Indústria já cresce acima do nível pré-pandemia
[02/12/2020] - Reino Unido aprova vacina contra Covid-19
[01/12/2020] - CNA prevê PIB do agro 3% maior em 2021
[01/12/2020] - Carne: mercado espera vendas aquecidas neste mês
[01/12/2020] - Arroba: não está sobrando boi
[01/12/2020] - Como ficará o mercado do leite neste fim de ano?
[01/12/2020] - Agrishow muda data do evento em 2021
[01/12/2020] - Produtores rurais terão aumento de custo no Paraná
[30/11/2020] - Arroba: frigoríficos continuam forçando a baixa
[30/11/2020] - Leite: imposto maior vai levar pecuarista ao preju
[30/11/2020] - Milho: preços caem e travam negociações
[30/11/2020] - Ladrões de gado são mortos pela PM
[30/11/2020] - IBGE: Agro gerou mais de 300 mil empregos
[30/11/2020] - Goiás: Agro criou vagas de emprego em 2020
[30/11/2020] - Mercado melhora previsões sobre o Brasil em 2021
[27/11/2020] - Arroba: queda de R$ 5 de um dia para o outro?
[27/11/2020] - Safras: frigoríficos seguem pressionando o boi
[27/11/2020] - Restaurantes mudam foco para cortes mais baratos
[27/11/2020] - Sêmen sexado ainda é pouco usado em gado de corte
[27/11/2020] - Agro puxou alta de 3,2% no IGP-M?
[27/11/2020] - Desemprego ainda está acima de 14%
[27/11/2020] - Indústria pede urgência no acordo UE-Mercosul
[27/11/2020] - Frigoríficos vivem dias de caos na Alemanha
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br