Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
310,00 299,00 309,00
GO MT RJ
308,00 294,00 294,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2590,00
Garrote 18m 2900,00
Boi Magro 30m 3420,00
Bezerra 12m 2240,00
Novilha 18m 2680,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 26/11/2021 10:14

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Frigoríficos se queixam do preço do boi

 
 
 
Publicado em 13/11/2020

A safra de balanços dos frigoríficos terminou com sinais de que as contas ficarão mais apertadas para quem produz e, sobretudo, comercializa carne bovina no Brasil. Sem o benefício do câmbio favorável, que agrega margem para a operação, as vendas no mercado doméstico dão retorno negativo.

Frigoríficos de médio porte, normalmente com estrutura de capital mais frágil, enfrentam dificuldades para absorver a disparada do preço do boi gordo, que bateu recorde na última quarta-feira. Em doze meses, o preço subiu cerca de 40%, de acordo com o indicador Esalq/B3.

“A operação está no vermelho”, disse ontem um empresário ao Valor. De acordo com ele, mesmo na exportação a situação não é simples. Com a recente valorização do real, as margens na exportação caíram, embora a China permaneça como um mercado remunerador.

Líder na produção brasileira de carne bovina por larga margem, a JBS sinalizou ontem que a perspectiva é “desafiadora” devido ao preço da matéria-prima – o boi gordo responde por 80% do custo de produção de um abatedouro. No setor, a avaliação é que a oferta de gado permanecerá restrita em 2021.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a oferta de gado é menor. Ontem, o órgão informou que os abates de bovinos com algum tipo de inspeção sanitária totalizaram 7,58 milhões de cabeças no terceiro trimestre, diminuição de 10,8% ante igual período do último ano.

À frente das operações da JBS na América do Sul, Wesley Batista Filho disse ontem, em teleconferência com analistas, que vê o mercado de carne bovina “mais desafiador com os atuais preços do gado e a perspectiva de oferta para o ano que vem”.

Em comparação com as concorrentes com ações na bolsa – Marfrig e Minerva -, a JBS é relativamente mais afetada pelo cenário adverso para a oferta de gado porque vende proporção maior de carne bovina no mercado interno. Marfrig e Minerva também produzem carne bovina em outros países da América do Sul que não apenas o Brasil, o que as favorece na comparação com a concorrente. Em dólares, o boi argentino, uruguaio e paraguaio é mais barato.

No terceiro trimestre, a margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da unidade que reúne as operações de carne bovina da JBS no Brasil foi a que mais caiu. No período, a margem alcançou 7,5%, redução de 6,3 pontos na comparação com a margem de 13,8% reportada no trimestre imediatamente anterior. Na operação sul-americana, a margem Ebitda da Marfrig recuou 3,4 pontos na mesma comparação, para 10,5%. Na Minerva, diminuiu 2,6 pontos, para 10,8% Na comparação entre as empresas, é preciso ponderar que a unidade JBS Brasil incorpora a operação de couro e novos negócios, que podem ter impactos negativos sobre as margens.

Em entrevista ao Valor na última quarta-feira, o CEO da Marfrig, Miguel Gularte, avaliou que o atual nível de preços do boi no Brasil é temporário. A tendência é que o mercado corrija a “distorção” existente na comparação com os demais países da América do Sul. “Não faz sentido ter boi a US$ 3,5 por quilo quando vale US$ 2,9 no Uruguai e US$ 2,84 na Argentina”, disse o executivo. Na avaliação dele, o clima seco ajudou a impulsionar as cotações do gado no mercado brasileiro. No entanto, ele está confiante em uma correção, ainda que o animal permaneça em um patamar médio mais alto do que no último ano. “É de se esperar que a correção aconteça e volte a um valor mais razoável”, afirmou.

Outro fator que pode mexer com o boi é o futuro do auxílio emergencial. Se o pagamento acabar a partir de 2021, o preço da matéria-prima dos frigoríficos pode ceder, conjecturou Gularte. A avaliação está ancorada no fato de que mais de 70% da produção no Brasil é destinada ao mercado doméstico. E, por mais que a China mexa com o mercado com sua demanda explosiva, o peso interno na formação dos preços do boi gordo não pode ser ignorado.

Do ponto de vista global, a pressão de margens que Marfrig e JBS sofrem no Brasil não deve alterar a tendência de resultados favoráveis. Ambas obtém a maior parte do faturamento e da geração de caixa nos EUA, onde a perspectiva de margem segue positiva graças à boa oferta de gado. Segundo o CEO da JBS USA, André Nogueira, a produção americana de carne deve crescer no ano que vem e ficar estável em 2022, garantindo mais dois anos de bons retornos. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2021] - Arroba: boi em alta, carne também subiu
[26/11/2021] - Arroba: preços também subiram em SP
[26/11/2021] - Margem do pecuarista deve subir se China voltar
[26/11/2021] - Confinamento cresceu em 2021 e deve crescer mais
[26/11/2021] - EUA: Brasil lidera produtividade agropecuária
[26/11/2021] - Economia: atividade cresceu 2% em outubro
[26/11/2021] - Senado aprova projeto que pode reduzir frete

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2021] - Arroba: mercado em alta
[25/11/2021] - CEPEA vê arroba do boi a R$ 310
[25/11/2021] - Milho cai em Mato Grosso do Sul
[25/11/2021] - Produtores de suínos comemoram abertura russa
[25/11/2021] - Arbitragens mostram a briga por trás da JBS
[24/11/2021] - Rússia libera exportações de 12 frigoríficos
[24/11/2021] - Arroba: o que fazer agora?
[24/11/2021] - Arroba: reabertura chinesa já mexe com o preço
[24/11/2021] - Tereza: embargo chinês pode cair em dezembro
[24/11/2021] - Lácteos: preços em queda no Paraná
[24/11/2021] - MAPA bota em marcha a diplomacia dos insumos
[24/11/2021] - Vacina será comunicada online em Mato Grosso
[24/11/2021] - Governo americano vai subsidiar frigoríficos
[24/11/2021] - Molina paga R$ 20 milhões para encerrar processo
[23/11/2021] - China dá primeiro sinal de fim do embargo
[23/11/2021] - Brasil é o único país que pode atender cota russa
[23/11/2021] - Frigoríficos recebem mais pela carne exportada
[23/11/2021] - Arroba: frigoríficos não acham boi pra comprar
[23/11/2021] - Boi subiu quase 10% em Goiás
[23/11/2021] - Aprosoja: UE pratica protecionismo disfarçado
[22/11/2021] - Arroba: em SP a referência já bate os R$ 310
[22/11/2021] - Arroba: boi também subiu na Bahia e no Rio
[22/11/2021] - Leite: margem do produtor está apertada
[22/11/2021] - Pecuaristas se retiram do Conseleite RS
[22/11/2021] - Milho: preço médio é o menor em 14 meses
[19/11/2021] - Rússia confirma liberação de frigoríficos
[19/11/2021] - Arroba: frigoríficos já pagam acima de R$ 310
[19/11/2021] - Arroba: disparada do boi continua em São Paulo
[19/11/2021] - CNA protesta contra ameaça à carne do Brasil
[19/11/2021] - Senador dos EUA quer barrar carne brasileira
[18/11/2021] - Brasil exporta leite à China pela primeira vez
[18/11/2021] - Arroba: pecuaristas estão segurando as vendas
[18/11/2021] - Arroba: parece que o jogo virou
[18/11/2021] - Rússia zera tarifa para importação de carne
[18/11/2021] - Produtores dos EUA querem barrar carne do Brasil
[18/11/2021] - JBS compra empresa de carne de laboratório
[18/11/2021] - Rússia garante venda de fertilizantes ao Brasil
[18/11/2021] - FPA: prorrogação da desoneração é boa para o Agro
[17/11/2021] - Diplomata chinês prevê volta das importações
[17/11/2021] - Com a volta da China, para quanto vai a arroba?
[17/11/2021] - Exportações: volume menor, preço bem maior
[17/11/2021] - Arroba: já tem frigorífico pagando mais de R$ 300
[17/11/2021] - Confinamento recua em MT após trava chinesa
[17/11/2021] - Frigoríficos reclamam que falta gado no RS
[17/11/2021] - UE quer barrar produto até de desmatamento legal
[17/11/2021] - Exportações de sêmen: alta de 84% no trimestre
[16/11/2021] - Arroba: após disparada, frigoríficos travam compra
[16/11/2021] - Produtores de leite protestam contra preço baixo
[16/11/2021] - Milho: queda de preços continua
[16/11/2021] - Aftosa: está difícil achar vacina para comprar

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br