Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 268,00 274,00
GO MT RJ
271,00 265,00 271,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 23/11/2020 10:10

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Internet: conexão boa ainda é problema no campo

 
 
 
Publicado em 27/10/2020

 

A revolução tecnológica chegou ao campo brasileiro, mas está longe de ser para todos. Enquanto nas zonas urbanas do país 91,5% da área total tem cobertura para conexão de celulares à rede 4G, nas rurais o índice é de 10,72%, o que pressiona a média nacional para 11,7%, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Ligados ao mundo somente com dispositivos móveis, e ainda com dificuldade de sinal nas fazendas, boa parte dos produtores pouco consegue aproveitar a onda de inovações criadas para melhorar sua atividade.

Eles reivindicam um ambiente em que pessoas, máquinas e “coisas” estejam 100% conectadas para permitir a tomada de decisões em tempo real. No Censo Agropecuário de 2017, 1,43 milhão de produtores declararam ter acesso à internet – 909 mil via internet móvel e 659 mil por meio de banda larga fixa. Considerando que há no país 5,073 milhões de estabelecimentos rurais, significa que apenas 28 em cada 100 propriedades podem estar conectadas.

Mas o número tende a ser menor, segundo Cléber Soares dos Santos, diretor de inovação do Ministério da Agricultura. Isso porque pode haver superávit de conexões em uma fazenda em relação a outra, além de sinal de celular débil fora do perímetro das cidades. Considerando também a internet via satélite e a rádio, Santos prefere considerar como “área iluminada por algum tipo de conexão” no país 23% da zona rural, percentual estimado em estudo realizado em conjunto com a Esalq/USP.

A minoria de estabelecimentos rurais conectados atualmente é formada sobretudo por grandes grupos, com capacidade de realizar investimentos elevados. Um exemplo é a Citrosuco, maior exportadora de suco de laranja do mundo. Com sede em Matão (SP) e receita líquida de R$ 3 bilhões por safra, a empresa planeja conectar, em até dois anos, 25 fazendas e 1,9 milhão de hectares com tecnologia 4G por meio do programa “4G TIM no Campo”. O contrato com a operadora de telefonia foi firmado no primeiro trimestre.

O projeto, orçado em US$ 50 milhões, contempla aporte em infraestrutura, softwares e parcerias com startups. Num segundo momento, a ideia é conectar as fazendas de laranja do grupo a quatro unidades de produção de suco e cinco terminais marítimos, afora caminhões e navios dedicados à exportação, conforme já informou o Valor.

Já o Grupo São Martinho, cuja receita líquida totalizou R$ 3,7 bilhões na safra 2019/20, começará a testar o 5G já em abril de 2021 em sua unidade de Pradópolis (SP). A companhia fez acordo com a Ericsson para aumentar a velocidade de conexão das máquinas da usina e sua transmissão de dados. Agenor Pavan, vicepresidente e COO da São Martinho, explica que enquanto o 4G lhes permitiu olhar para a operação em tempo real, e abandonar os pen drives descarregados com delay na sede da fazenda, o 5G virá para dar autonomia a algumas atividades e corrigir desvios de rota remotamente.

“Com o 5G, estamos falando da possibilidade de usar máquinas autônomas, de mudar a direção da câmera de um drone para identificar um problema no campo e de comunicar nossa empresa com outras para gerenciar estoques. Esse é nosso novo sonho”, diz.

A São Martinho já investiu R$ 60 milhões para operacionalizar sua rede de banda larga privada, arquitetada pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) – a mesma que deverá servir de base para suportar o 5G, quando ele for regulamentado. A rede própria fez da São Martinho “operadora de si mesma”, brinca Pavan, que não encontrou operadoras interessadas no projeto de conectividade da companhia nos idos 2014.

Hoje com 18 antenas, 33 estações de rádio que propagam o sinal de internet e quatro centrais de monitoramento das operações, a São Martinho acompanha 2,1 mil máquinas em 330 mil hectares de suas quatro unidades produtivas. Para cuidar somente da rede, tem quatro profissionais que se revezam em turnos.

Com esse aparato, a empresa projeta que seu custo de produção poderá cair de R$ 2 a R$ 3 por tonelada de cana colhida – o que, dentro da capacidade de moagem do grupo, de 24 milhões de toneladas, representaria uma economia de até R$ 72 milhões por safra. Em Pradópolis, por onde começou a implantação do Centro de Operações Agrícolas (COA), o desempenho das 52 colheitadeiras avançou 11% nesta safra, para 1,1 mil toneladas de cana colhida por dia por máquina, mais que o dobro da média do mercado. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos
[16/11/2020] - Milho: impasse no mercado
[16/11/2020] - IGP-10 mostra aceleração da inflação
[16/11/2020] - Ferrovia ganha espaço no Agro de Mato Grosso
[16/11/2020] - Pix: pagamento instantâneo começa a funcionar hoje
[13/11/2020] - FRIGORÍFICOS UNIDOS PARA DERRUBAR A ARROBA
[13/11/2020] - Frigoríficos se queixam do preço do boi
[13/11/2020] - Arroba: hora de tomar cuidado
[13/11/2020] - China: cidade centro da epidemia acusa o Marfrig
[13/11/2020] - China: notificação não assusta mercado do boi
[13/11/2020] - Acusação chinesa derruba ações da Marfrig
[13/11/2020] - MAPA prevê crescimento de 6% para PIB da Pecuária
[13/11/2020] - PIB brasileiro se recupera acima da expectativa
[13/11/2020] - SP retira período de carência após a vacinação
[12/11/2020] - Arroba: boi comum também vai bater os R$ 300?
[12/11/2020] - Scot: dia agitado no mercado do boi
[12/11/2020] - CEPEA: alta do boi passa de 5% em novembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br