Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 268,00 274,00
GO MT RJ
271,00 264,00 272,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 24/11/2020 08:55

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

DDG ajuda pecuaristas a reduzir custos

 
 
 
Publicado em 09/10/2020

A produção de DDG, um subproduto da fabricação do etanol de milho, crescerá mais de 60% no Brasil neste ano, substituindo parte do farelo de soja na composição da ração animal, uma situação que vem ajudando produtores e consumidores numa conjuntura de oferta escassa e preços elevados das matérias-primas.

Para a União Nacional do Etanol de Milho (Unem), a produção de DDG (do inglês, grãos secos por destilação) no Brasil avançará para cerca de 2 milhões de toneladas em 2020, ante 1,2 milhão de toneladas em 2019, à medida que mais usinas de etanol de milho entram em operação, o que se encaixa bem com a demanda de criadores de bovinos, suínos e aves que lidam com custos altos.

"O DDG faz uma substituição do farelo de soja, ele tem um preço mais acessível, ele é mais barato, apesar de ter um nível de proteína menor...", afirmou à Reuters o presidente da Unem, Guilherme Nolasco.

"Mas neste momento de alta desenfreada do preço do milho e da soja, ele tem sido uma excelente alternativa às cadeias de produção, principalmente dos bovinos, dado o momento histórico de seca que o país atravessa", acrescentou Nolasco, lembrando que, com pastos secos, o produto complementa a alimentação animal.

Além de ser alternativa para alimentação do gado, que absorve a maior parte da produção de DDG no Brasil, a avicultura e a suinocultura também estão substituindo uma parte do farelo de soja pelo subproduto do milho, uma indicação do potencial dessa matéria-prima, que já é utilizada em grande escala nos Estados Unidos, maiores produtores globais de etanol.

"Os coprodutos das usinas de etanol de milho, DDG (seco) e WDG (úmido), têm ganhado espaço no mercado substituindo ou compondo com o farelo de soja e outras fontes de proteínas. O que tem estimulado isso é a melhor relação custo/benefício, e a inserção na dieta de bovinos, suínos e aves", comentou Thayná Drugowick de Andrade, zootecnista que atua na Scot Consultoria.

Ela disse ainda que DDG e o WDG ganharam mercado como uma alternativa de fonte proteica, mas também possuem bons níveis de energia em sua composição, o que também interessa aos criadores.

"Esses coprodutos vêm ganhando destaque em função dos preços mais atrativos e por serem adaptáveis a diferentes dietas, podendo entrar tanto como proteico, substituindo o farelo de soja ou farelo de algodão, ou como proteico energético, substituindo o próprio milho grão", completou.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, na segunda quinzena de setembro o preço médio da tonelada do farelo de soja, considerando Mato Grosso como referência, estava em 2 mil reais, enquanto o DDG estava cotado a mil reais. Se a diferença de preço é grande, em termos de proteína bruta o diferencial entre os produtos é menor, com o farelo tendo 48% e o DDG 32%, em média.

Thayná estima um aumento na oferta de DDG este ano no Brasil de cerca de 62% na comparação com 2019, enquanto o consumo de farelo de soja no país, concorrente do subproduto do etanol de milho, deverá cair 3,2%, para 16,7 milhões de toneladas, conforme dados da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

O consumo de farelo de soja no Brasil terá redução apesar da expectativa de aumento de 4% na produção nacional de ração animal este ano, para mais de 80 milhões de toneladas, número que inclui o sal mineral, disse à Reuters o presidente-executivo do Sindirações, Ariovaldo Zani.

"Levando em conta o preço que o farelo alcançou, e o milho também, o DDG é um ingrediente que se encaixa bem...", concordou o dirigente do Sindirações, ponderando que o produto complementa a oferta de matérias-primas em momento de grande demanda por carnes brasileiras no exterior, fator-chave para o aumento da produção de ração neste ano.

Compensa o custo?

De outro lado, o DDG tem sido muito estratégico para ajudar a compensar o aumento de custo da matéria-prima para a indústria de etanol, já que o milho dobrou de preço, mas o biocombustível não.

"Pelo contrário, o etanol está em recuperação, voltando ao preço de janeiro, e quem segura esse aumento de custo da matéria-prima para a indústria de etanol é o DDG", disse o presidente da Unem, lembrando que a pandemia afetou o mercado do combustível.

Ele citou que o farelo de soja subiu desde o início do ano de 1.100 para 2.200 reais por tonelada, base Mato Grosso, enquanto o DDG avançou de 600 para 1.100 reais por tonelada, e o milho saiu de 24 para 48 reais por saca de 60 kg.

A Unem, cujas indústrias associadas estão concentradas em Mato Grosso e Goiás, onde também estão grandes consumidores da matéria-prima para ração, incluindo confinadores bovinos e criações de suínos e aves, projeta crescimento de 20% na produção de DDG para o ano que vem, a 2,4 milhões de toneladas, na esteira de um aumento da fabricação de etanol de milho no país, para 3,2 bilhões de litros.

Ainda que a produção de DDG tenha disparado em 2020, a maior parte da oferta já está vendida pelas usinas até o final do ano, revelou Nolasco, acrescentando que contratos de venda estão sendo fechados agora para entrega em 2021. Com informações da Reuters.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos
[16/11/2020] - Milho: impasse no mercado
[16/11/2020] - IGP-10 mostra aceleração da inflação
[16/11/2020] - Ferrovia ganha espaço no Agro de Mato Grosso
[16/11/2020] - Pix: pagamento instantâneo começa a funcionar hoje
[13/11/2020] - FRIGORÍFICOS UNIDOS PARA DERRUBAR A ARROBA
[13/11/2020] - Frigoríficos se queixam do preço do boi
[13/11/2020] - Arroba: hora de tomar cuidado
[13/11/2020] - China: cidade centro da epidemia acusa o Marfrig
[13/11/2020] - China: notificação não assusta mercado do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br