Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
214,00 202,00 216,00
GO MT RJ
204,00 190,00 200,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2010,00
Garrote 18m 2310,00
Boi Magro 30m 2780,00
Bezerra 12m 1402,00
Novilha 18m 1680,00
Vaca Boiadeira 2090,00

Atualizado em: 9/7/2020 11:25

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Segurança em frigoríficos ficará melhor

 
 
 
Publicado em 25/05/2020

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação de funcionários por covid-19 vieram para ficar. A avaliação é do ex-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia e professor associado da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Adauto Castelo Filho. O infectologista assessora a JBS, maior companhia de carnes, na estratégia de combate ao coronavírus no país.

“Não há razão para diminuir essas barreiras”, disse Castelo Filho. As medidas, que incluem a instalação de anteparos de acrílico numa área onde os trabalhadores costumavam atuar ombro a ombro, devem permanecer seja porque a covid-19 tende a levar muito tempo para sair de cena e/ou também porque as outras doenças respiratórias poderão ser contidas dessa forma.

Não à toa, o CEO global da JBS, Gilberto Tomazoni, vem repetindo que os frigoríficos passarão a atuar como hospitais. Em entrevista ao Valor, Castelo Filho avaliou que as medidas adotadas fazem os abatedouros mais seguros que os hospitais. “Diria que [as medidas] implementadas nas unidades que acompanho são muito mais seguras que a grande maioria dos hospitais, até porque o risco inerente a unidade hospitalar é muito maior por causa do tipo de pessoa que procura”.

A segurança, porém, não impede que frigoríficos sejam vistos como foco do espalhamento do vírus e tampouco que os trabalhadores passem ilesos. Na região Sul – especialmente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina -, diversos frigoríficos tiveram surtos da doença.

Em meio ao avanço do coronavírus, o Ministério Público do Trabalho (MPT) firmou acordos com algumas companhias (BRF e Aurora, por exemplo) estipulando medidas de proteção. Conforme o Valor já informou, a JBS e o MPT entraram em rota de colisão, com a companhia alegando que já havia adotado as medidas e que, por isso, não havia necessidade de um compromisso para adotar condutas já implementadas desde cedo.

No município de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, o abatedouro de aves da Seara, que pertence à JBS, foi interditado por decisão judicial, após ação do MPT. O frigorífico ficou três semanas fechado, e foi reaberto na última quarta-feira após a companhia obter um efeito suspenso no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Em Ipumirim, região oeste de Santa Catarina, a unidade da Seara também foi interditada, medida que segue em vigor.

A JBS não foi a única a ter unidades interditadas. Em Lajeado (RS), Minuano e BRF também tiveram as plantas paralisadas judicialmente, mas após pedido do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (RS). As duas companhias chegaram a um acordo e reabriram as plantas.

Embora os pedidos de interdição tenham partido de órgãos diferentes, o que os casos de JBS, BRF e Minuano tem em comum é a elevada incidência da doença nessas cidades (ver mapa acima). Passo Fundo, Ipumirim e Lajeado registram taxas de covid-19 acima da média dos respectivos Estados e do Brasil.

Na entrevista ao Valor, feita antes da reabertura da planta de Passo Fundo, Castelo Filho disse que as medidas de segurança implementadas não visavam eliminar o risco de casos da doença entre funcionários. “A pretensão nunca foi essa. Isso seria irrealístico. É a mesma coisa imaginar que num hospital que realiza cirurgias em pacientes com câncer teria zero de infecção hospitalar”, comparou o infectologista.

É preciso considerar, de acordo com o professor da Unifesp, que os trabalhadores não estão sozinhos e também circulam. Além disso, cidades como Passo Fundo não ficaram em isolamento social rígido. “O comércio ficou aberto até 30 de abril. Existia um risco intrínseco na comunidade. Por mais que você elabore protocolos, eles não extrapolam o ambiente de trabalho”, ressaltou o médico infectologista.

De toda maneira, as medidas adotadas estão em constante evolução. “Em janeiro, ninguém trabalhava com necessidade de máscara indiscriminadamente como trabalhamos nesse momento. Mas eles [a JBS] seguem de maneira muito cuidadosa o que está sugerido pelas melhores normas“, pelas boas praticas de operação que estão listada no centro de controle”, afirmou ele.

No construção do protocolo de segurança, o principal desafio foi reorganizar o fluxo dos trabalhadores que chegam aos frigoríficos. Não bastava reduzir pela metade a lotação dos ônibus que transportam os trabalhadores, mas também evitar que os veículos coletivos chegassem ao mesmo tempo. Também houve escalonamento nas áreas de descanso e refeições.

“Isso é algo pressupõe uma mudança de engenharia por causa da linha de produção”, afirmou Castelo Filho. No segundo momento de evolução das políticas, a empresa também adotou o uso de máscaras, fornecidas pela JBS, antes da entrada do trabalhador no ônibus.

Dentro da fábrica, a instalação dos barreiras foi a alternativa para as lugares nos quais o distanciamento mínimo de dois metros não é possível, explicou o infectologista. “Colocou-se lâminas de acrílico entre um funcionário e outro para que, sem uma distância maior, tivessem menor risco de contaminação”, acrescentou.

Com sua assessoria restrita ao Brasil, Castelo Filho evitou fazer comentários sobre gravidade dos casos nos EUA, onde diversos frigoríficos – inclusive da JBS – fecharam. A paralisação de fábricas, revertida após decreto do presidente Donald Trump, chegou a reduzir a produção de carne em 50%, colocando o abastecimento em risco no país. Na indústria, a avaliação é que o Brasil sofrerá menor porque as unidades são menores e mais espalhada no território. Além disso, a curva mais adiantada da vírus nos Estados Unidos pode ter servido aos brasileiros como um exemplo de como se precaver e quais os erros a evitar.  Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[09/07/2020] - Começa a faltar carne na China
[09/07/2020] - Exportações: governo manda carta aos chineses
[09/07/2020] - Arroba: frigoríficos pressionam o pecuarista
[09/07/2020] - Arroba do boi volta ao recorde de dezembro
[09/07/2020] - Frigoríficos: excesso de normas gera confusão
[09/07/2020] - Preço do milho em alta
[09/07/2020] - Pedidos de seguro-desemprego recuam em junho
[09/07/2020] - Governo permite inspeção privada em frigoríficos
[09/07/2020] - Crédito rural cresceu 11% em 2020
[09/07/2020] - Agro responde por 72% das exportações de SC

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[08/07/2020] - Tendência para o boi é de alta
[08/07/2020] - Como estão as exportações de carne em julho?
[08/07/2020] - Arroba: pressão dos frigoríficos fracassou
[08/07/2020] - Onde o preço do bezerro disparou?
[08/07/2020] - Comércio tem maior alta nas vendas em 20 anos
[08/07/2020] - Inflação subiu em junho, segundo a FGV
[08/07/2020] - Mais um recorde a ser batido pelo Agro brasileiro
[08/07/2020] - Teste detecta 185 funcionários curados em frigoríf
[07/07/2020] - PIB da Pecuária cresceu 8% de janeiro a abril
[07/07/2020] - Frigoríficos querem testar carne vendida à China
[07/07/2020] - Pequenos frigoríficos têm medo de vender à China
[07/07/2020] - Arroba: o boi vai continuar subindo?
[07/07/2020] - Reposição: mercado está aquecido
[07/07/2020] - Leite: preço dos lácteos disparou em junho
[07/07/2020] - Marfrig lança crédito para bares e restaurantes
[07/07/2020] - JBS informa contaminação em outra unidade
[07/07/2020] - Governador do MS é indiciado por propinas da JBS
[07/07/2020] - Bolsonaro testa positivo para o coronavírus
[06/07/2020] - China suspende importações de mais duas unidades
[06/07/2020] - Justiça permite que JBS reabra unidade
[06/07/2020] - Tereza Cristina fala sobre o embargo chinês
[06/07/2020] - Abrafrigo confirma recorde na exportação de carne
[06/07/2020] - Arroba; mercado firme para o boi
[06/07/2020] - Reabertura de restaurantes pode puxar preço do boi
[06/07/2020] - Varejo segue repassando alta do boi para a carne
[06/07/2020] - Milho chega perto de R$ 50 a saca
[03/07/2020] - Um alerta urgente para toda a Pecuária Brasileira
[03/07/2020] - Qual será o real impacto do embargo chinês aqui?
[03/07/2020] - Arroba: frigoríficos precisam comprar boi
[03/07/2020] - Arroba do boi já chegou a R$ 214 em MG
[03/07/2020] - Preço do boi disparou também no Rio Grande do Sul
[03/07/2020] - Expointer 2020 é oficialmente cancelada
[02/07/2020] - Exportações de carne bateram recorde em junho
[02/07/2020] - Dependência da China preocupa produtores do Sul
[02/07/2020] - Tereza conversa com chineses sobre embargo
[02/07/2020] - Quais foram os frigoríficos liberados pelo México?
[02/07/2020] - Arroba: disputa pelo boi está cada vez maior
[02/07/2020] - Margem dos frigoríficos está menor
[02/07/2020] - A grande vitória do Brasil na pandemia
[02/07/2020] - Dólar trava queda no preço do milho
[02/07/2020] - Acordo com a UE deve sair, apesar de Macron
[02/07/2020] - Ataques destroem propriedades rurais na Argentina
[01/07/2020] - China pode suspender mais frigoríficos brasileiros
[01/07/2020] - Ação da China vai derrubar o preço do boi?
[01/07/2020] - Boi sobe com liberação de frigoríficos pelo México
[01/07/2020] - Arroba: sem chance de queda?
[01/07/2020] - Pecuaristas goianos estão segurando a venda de boi
[01/07/2020] - Varejo repassa alta do boi para carne
[01/07/2020] - Leite: preço dispara com oferta menor
[01/07/2020] - Para onde vai o preço do milho?

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br