Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O vilão é o Brasil, seja qual for o motivo

 
 
 
Publicado em 03/05/2007

Por J.R. Guzzo / Revista Exame

Até muito pouco tempo atrás, a maioria das grandes forças da frente ecológica mundial insistia que o Brasil estava produzindo alimentos de mais. Por essa visão das coisas, havia muita soja, muito milho, muita carne, muito frango, e isso comprometia o delicado equilíbrio dos ecossistemas do cerrado, da Amazônia e, no fundo, de qualquer área utilizada para a agricultura ou a pecuária. Ultimamente os mesmos críticos, agora reforçados por Fidel Castro e Hugo Chávez, passaram a condenar o Brasil pelo motivo exatamente oposto. Com a rápida ascensão da cultura da cana, para atender à produção das usinas de etanol, o país estaria se tornando uma perigosa ameaça ao cultivo de alimentos -- para si próprio e para o resto do mundo. Antes, produzia comida em excesso. Agora, vai produzir comida de menos. Ontem desperdiçava, para a mera produção de alimentos, valiosas áreas de preservação ambiental. Hoje desperdiça, para a mera produção de combustíveis, valiosas áreas de cultivo alimentar -- e pode tornar-se um dos grandes responsáveis pela fome mundial. Assim fica difícil.

Na verdade o Brasil não fazia a primeira coisa e não está fazendo a segunda. Curiosamente, porém, o país parece aceitar mais uma vez a cadeira de réu que lhe mandam ocupar -- e, em vez de responder às críticas com fatos, assume passivamente o papel de penitente ecológico ao qual se acostumou nos últimos anos. Marco Aurélio Garcia, assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, tem procurado defender o Brasil e trazer o assunto para o terreno da racionalidade. Não lhe faltam bons argumentos -- a começar pelo fato central, sublinhado com clareza por ele, de que as pessoas não passam fome pela escassez de alimentos, mas porque não têm dinheiro para comprá-los. Ou, então, pela evidência de que não há nenhuma contradição, nas condições físicas do Brasil, entre produzir ao mesmo tempo comida e etanol. Mas sua voz permanece perdida no ar -- parece não representar nem mesmo uma posição comum e fechada no governo do qual faz parte. Os palpites de qualquer ONG de país rico, ou de comentaristas que têm mais opiniões que conhecimentos, é que dão o tom -- com o reforço de estudos duvidosos do ponto de vista científico e suspeitos do ponto de vista das intenções.

O Brasil tem muito mais a dizer em seu favor no terreno da ecologia do que em geral se imagina. Para ficar num exemplo só, nenhum outro país do mundo preservou uma área tão extensa de florestas -- dos 7 milhões de quilômetros quadrados da Amazônia, dos quais mais de 60% estão no Brasil, cerca de 5,5 milhões continuam cobertos de mata. Só o Estado do Amazonas, o maior da região, conserva mais de 95% de sua cobertura florestal. Talvez isso se deva mais a uma longa história de subdesenvolvimento e de falta de capital do que a méritos próprios, mas o fato é que as árvores estão lá -- e não nos países ricos que, depois de terem destruído todas as suas florestas, acusam o Brasil, hoje, de delinqüência ecológica de primeiro grau e querem transformar a Amazônia num jardim botânico.

O verdadeiro problema ambiental do Brasil chama-se pobreza -- e sua principal manifestação chama-se falta de saneamento básico. Não é reduzindo a produção de soja, etanol ou seja lá o que for que se vai avançar um milímetro na solução disso.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br