Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
277,00 264,00 274,00
GO MT RJ
269,00 262,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 26/11/2020 10:42

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

As Braquiárias no Pantanal

 
 
 
Publicado em 05/10/2006

Por: Sandra Mara Araújo Crispim

O Pantanal, essa imensa planície sedimentar, de aproximadamente 139.000 km2, possui como um dos pilares da economia a exploração da bovinocultura de corte. O regime de criação é do tipo extensivo, concentrado principalmente na atividade de cria e recria.

A alimentação do rebanho bovino baseava-se exclusivamente em pastagem nativa, entretanto como alternativa para o aumento da produtividade, vêm sendo efetuado, há cerca de duas décadas, a formação de pastagens com gramíneas exóticas, com o intuito de aumentar a oferta alimentar para os animais em épocas críticas, seca e cheia.

O Pantanal por ser um ecossistema frágil, torna a busca da pesquisa na validação de forrageiras exóticas adaptadas ao ambiente Pantaneiro uma tarefa mais difícil e de maior responsabilidade. Diversos estudos foram realizados para verificar o provável impacto da introdução dessas gramíneas. Até o momento as espécies Brachiaria decumbens e B. humidicola, estão sendo as que mais se destacaram.

Foram identificadas as fitofisionomias mais atingidas pelo desmatamento, em ordem decrescente são Savanas Florestadas (Cerradão), as Savanas Arborizadas (Cerrado e Campo-cerrado), as Savanas-Estépicas Florestadas (Mata, Mata chaquenha), as Florestas Estacionais Semideciduais (Mata) e as Savanas-Estépicas Arborizadas (Chaco).

Pode-se afirmar que todas as áreas estudadas mostraram um certo grau de alteração antrópica, seja com indícios de retirada de madeira ou entrada de fogo, mostrando que o desmatamento para implantação de pastagens, não é a única ameaça para a manutenção da biodiversidade nas
fitofisionomias arbóreas do Pantanal.

Embora se reconheça que, potencialmente, a substituição de habitats arbóreos por pastagens implantadas seja impactante para a fauna. No Pantanal até o momento, esse impacto ainda é pequeno, face ao interstício de habitats naturais remanescentes que entremeiam as pastagens cultivadas. A fauna transita pelas pastagens, deslocando-se entre habitats naturais próximos, relativamente bem conservados.

Os dados de produtividade das braquiárias indicaram que as mesmas são bastante produtivas, sendo que B. humidicola apresenta um estabelecimento mais lento, mas com o decorrer do tempo a sua produtividade é superior a B. decumbens. As mesmas são eficientes na cobertura de solo.

As características químicas do solo sugerem que ao longo do tempo existem perdas de nutrientes, com as áreas de pastagem mais antigas apresentando teores menores de bases do que aquelas com pastagens mais recentes. A atividade microbiana parece indicar que não ocorrem mudanças marcantes em termos qualitativos.

É importante enfatizar que o uso de pastagem cultivada está fortemente alicerçada no manejo e uso eficiente da pastagem. O que foi constatado nas propriedades estudadas nesse estudo.

Também, cabe ressaltar que quando se fala no tema, pastagens cultivadas, não se pensa em hipótese nenhuma, em substituição sequer parcial das pastagens nativas, e sim como uma alternativa para algumas categorias animais, tais como: bezerros desmamados, vacas de cria após a desmama e touros após a estação de monta. Sugere-se que em cada propriedade seja formado em torno de 10 % da sua área, preferencialmente em áreas de capim carona, fura-bucho, lixeira e capim-vermelho, evitando-se tanto quanto possível o desmatamento de cordilheiras.


Sandra Mara Araújo Crispim, (scrispim@cpap.embrapa.br) Ms., Eng. Agronôma, pesquisadora da Embrapa Pantanal na área de Pastagem Nativa e Cultivada., (http:/www.cpap.embrapa.br).

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br