Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
152,00 138,00 142,00
GO MT RJ
142,00 134,00 150,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1520,00
Garrote 18m 1820,00
Boi Magro 30m 2030,00
Bezerra 12m 1210,00
Novilha 18m 1370,00
Vaca Boiadeira 1500,00

Atualizado em: 11/2/2016 11:38

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Chineses avançam na compra de terras no Brasil

 
 
 
Publicado em 27/05/2010

Um negócio da China. É o que esperam fazer o governo da Bahia e o primeiro grupo de investidores chineses estão desembarcando no oeste do Estado. Depois de muitas especulações sobre o interesse de estrangeiros na região - que se destacou nas últimas décadas como uma das últimas "novas" fronteiras agrícolas do país, junto com o cerrado de Maranhão, Piauí, Tocantins ("Mapito") -, o Pallas International assinou com o governo um protocolo de intenções para se instalar no oeste baiano com o objetivo de produzir grãos para exportação e também atuar no segmento de bioenergia, em parceria com produtores locais.

Em princípio, o grupo chinês, formado por investidores privados, mas sempre com a presença do governo da China como sócio, está interessado em adquirir entre 200 mil e 250 mil hectares de terras tanto no oeste do Estado quanto na região do Mapito. Discretos, mas decididos e, principalmente, capitalizados, os chineses passaram por Luís Eduardo Magalhães e Barreiras, conheceram o potencial produtivo da região e já consideram a possibilidade de instalar uma indústria de processamento de grãos na Bahia para a produção de biodiesel a partir do processamento de soja, algodão, girassol e mamona.

"Para os chineses, a área de agroenergia é um setor de grande interesse. Eles precisavam da assinatura desse protocolo para acelerar a parte burocrática dentro da China e dar andamento no processo de investimento", comemora Eduardo Salles, secretário de Agricultura da Bahia.

Tão ou mais discretos que os chineses são os estrangeiros que já estão instalados e produzindo na fronteira agrícola. O Valor apurou que americanos, holandeses, portugueses e japoneses já fazem parte do cotidiano de Luís Eduardo Magalhães e arredores. São pelo menos dez empresas de médio e grande porte, cultivando principalmente algodão, soja e milho. Já conhecidos pela população local, eles são arredios à entrevistas.

"O governo já fica em cima da gente sem que haja exposição na imprensa", disse um produtor americano, que preferiu não dar mais detalhes sobre seus negócios na região. Circulando pelas ruas sem semáforos de Luís Eduardo Magalhães, ora asfaltadas, ora não, a reportagem entrou em contato com pelo menos outros quatro grupos, e a resposta foi sempre a mesma. Prevalece o receio de um aumento excessivo da fiscalização dos órgãos trabalhistas, ambientais e fiscais.

Ao longo da BR-242, que corta toda Luís Eduardo e termina no litoral de Salvador, pelos menos três hotéis de alto padrão costumam receber os estrangeiros que visitam a região. "Sempre tem alguém por aqui falando outra língua. Desde janeiro estamos lotados para a primeira semana de junho, quando começa nossa feira [Bahia Farm Show] e muitos dos quartos são para estrangeiros", revela a recepcionista de um desses hotéis.

Não é à toa que grupos como o Pallas e outros estrangeiros estão atentos às oportunidades no "Mapito-BA" e dispostos a investir, principalmente na aquisição de terras. Estimativas do mercado dão conta que exista no mundo aproximadamente US$ 20 bilhões disponíveis para compra de terras agrícolas em todas os países, sendo que pelo menos US$ 5 bilhões teriam como destino certo o Brasil.

"Os estrangeiros enxergam uma oportunidade de investimento e o Brasil é uma das melhores opções, pois em países como Colômbia e Paraguai, além da África e do Leste Europeu, a insegurança institucional ainda é muito grande. O interesse desses investidores é enorme no Brasil, especialmente no Mapito e no oeste da Bahia", diz Fernando Jank, diretor geral da Tiba Agro, empresa brasileira que trabalha na captação de recursos estrangeiros para compra de terras no país e que já possui aproximadamente 320 mil hectares nessa região.

O interesse não é por acaso. O cerrado nordestino e do Tocantins está pelo menos mil quilômetros mais próximo do porto que o de Mato Grosso e ainda tem terras mais baratas. Na região de Sinop, norte mato-grossense, o preço médio do hectare é 30% superior à média do "Mapito-BA". Na "nova" fronteira, ainda é possível comprar um hectare por cerca de R$ 5 mil.

Esses investidores estão de olho em 20 milhões de hectares disponíveis para a agricultura, que estão fora do bioma amazônico e não são áreas de pastagem. Desse total, a estimativa é que pelo menos 4 milhões de hectares sejam divididos por 15 grandes grupos, entre investidores estrangeiros e empresas nacionais profissionalizadas, interessados tanto na aquisição de terras para investimento quanto na produção de grãos e fibras.

Levantamento feito pelo Valor mostra que essas empresas já possuem pelo menos 2 milhões de hectares, a maior parte deles no Mapito e no oeste baiano, mas também em terras em Mato Grosso. "Esse tipo de empresa possui recursos para abrir áreas onde é possível, investir, mas tem interesse de sair do negócio em algum momento. São empresas que trazem organização para o agronegócio em vários aspectos, inclusive o ambiental, pois não entram em áreas irregulares", diz Flávio Inoue, presidente da Sollus Capital, empresa formada por investidores americanos e brasileiros e que ampliará suas terras dos atuais 35 mil para 80 mil hectares ainda neste ano.

De modo geral, existem dois grupos de investidores. O primeiro, geralmente formado por fundos interessados em aplicações de longo prazo na aquisição de terras baratas para torna-las produtivas e ganhar na valorização e um segundo interessado em terras para produção. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[11/02/2016] - Qual a tendência para a arroba do boi?
[11/02/2016] - Carne sobe e puxa alta do boi
[11/02/2016] - Molina compra confinamento do Marfrig
[11/02/2016] - Mercado preocupado com resultados do JBS
[11/02/2016] - Frigoríficos estão mais dependentes de exportações
[11/02/2016] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade com escalas
[11/02/2016] - Agro bate recorde na geração de empregos no PR
[11/02/2016] - Exportações do agro caíram em janeiro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[05/02/2016] - Arroba: venda de carne melhora e sustenta o boi
[05/02/2016] - Reposição lenta com a proximidade do Carnaval
[05/02/2016] - Omã: Brasil pode ampliar exportações em US$ 100 mi
[05/02/2016] - Exportação de milho caiu em janeiro
[05/02/2016] - Caminhões não poderão trafegar durante o Carnaval
[04/02/2016] - Agro terá ano positivo em meio à recessão
[04/02/2016] - Arroba: está difícil achar boi
[04/02/2016] - CEPEA: carne bovina perde competitividade
[04/02/2016] - Silagem e reforma de pastos estão mais caros
[04/02/2016] - China libera mais 12 frigoríficos brasileiros
[03/02/2016] - CNA: taxar exportações do Agro é um equívoco
[03/02/2016] - Arroba sobe mesmo com proximidade do Carnaval
[03/02/2016] - Carnaval não está ajudando a vender carne
[03/02/2016] - Produtor recebe mais pelo leite. O que esperar?
[03/02/2016] - Exportações de carne de frango têm forte alta
[02/02/2016] - Agro reage contra proposta de taxação
[02/02/2016] - Arroba: há registros de novas altas
[02/02/2016] - Novilho Precoce tem forte alta nos abates no MS
[02/02/2016] - Boi subiu mais que o bezerro em SP
[02/02/2016] - Reposição lenta no Tocantins
[02/02/2016] - Banco do JBS aumenta reservas contra devedores
[01/02/2016] - Governo quer taxar exportações do agronegócio
[01/02/2016] - Produtores de leite vendem rebanho por dívidas
[01/02/2016] - Arroba do boi registra novas altas
[01/02/2016] - Carne bovina volta a subir no varejo
[01/02/2016] - Alta do milho perde força
[01/02/2016] - MS confirma caso de mormo
[01/02/2016] - MAPA tenta evitar novos cortes no orçamento
[29/01/2016] - JBS rebate acusações e tenta retomar confiança
[29/01/2016] - Arroba: frigoríficos já pagam acima da referência
[29/01/2016] - Reposição parou de subir
[29/01/2016] - Frigoríficos tentam ampliar vendas a países árabes
[29/01/2016] - SRB: Argentina demorará a voltar ao mercado
[29/01/2016] - Produtor rural vive insegurança permanente
[29/01/2016] - Índios são suspeitos em morte de produtor rural
[28/01/2016] - Denúncia derruba confiança no JBS
[28/01/2016] - Arroba: boi firme e com tendência de alta
[28/01/2016] - CEPEA: pecuarista segura o boi esperando alta
[28/01/2016] - Como ficará a oferta de boi em 2016?
[28/01/2016] - Confiança do agro em alta em SP
[28/01/2016] - Furto de defensivos agrícolas cresce no MT
[28/01/2016] - Tecnologia permite administrar rebanho de casa
[27/01/2016] - JBS: Batista vira réu por fraude e ações despencam
[27/01/2016] - Marfrig: venda de carne no Brasil não teve queda
[27/01/2016] - Arroba firme e em alta
[27/01/2016] - Reposição tem queda de preço na Bahia
[27/01/2016] - Anvisa proíbe personagens em embalagem de leite
[27/01/2016] - Uréia está mais cara
[27/01/2016] - Após cortes em subvenção, seguro rural deverá cair
[27/01/2016] - MST invade ministério contra privatização

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br