Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Cuidados com a vaca no final da gestação
 
 
Publicado em 08/05/2008
Eliana Cezar Silveira
Embrapa Gado de Corte

É no terço final de gestação que vacas criadas extensivamente em pasto sofrem com perda de peso e desnutrição. Isso acontece porque o período coincide com a época seca, quando as pastagens perdem qualidade e quantidade. Para manter o equilíbrio nutricional das vacas em gestação é necessário oferecer um suplemento alimentar. A formulação e a quantidade do suplemento depende do pasto disponível na propriedade.

O sucesso da pecuária de corte está relacionado à produtividade das matrizes. Segundo especialistas, o ideal é que cada vaca produza um bezerro sadio por ano. Para que isso aconteça os cuidados com a vaca devem começar cedo.

O fato de a vaca entrar no cio já é um bom sinal, melhor se ela fica prenha e ótimo se na parição nascer um bezerro sadio e em seguida emprenha novamente.

Estudos apontam que as vacas geralmente perdem peso e condição corporal no terço final da gestação. A categoria mais prejudicada é a de primeira cria, isso porque, além de amamentarem seus bezerros estão em fase de crescimento, exigindo assim mais nutrientes.

Para que a vaca entre no cio após o parto é necessário que o organismo esteja em equilíbrio caso contrário o animal terá dificuldade em ovular. Para que isso aconteça deve-se cuidar da alimentação. Em condições onde há falta de forragem ou a seca é prolongada, a suplementação alimentar é necessária e deve ser feita de forma estratégica. A formulação vai depender do estado em que os animais se encontram e da forragem disponível na propriedade. Há categorias mais exigentes e outras menos, explica a pesquisadora Thaís Amaral. “Novilhas em final de gestação que serão as futuras vacas de primeira cria, são mais exigentes pois ainda estão em crescimento”, afirma. Sem uma nutrição adequada, os índices de reconcepção serão baixos, comenta a pesquisadora Thaís. Ela cita um trabalho com pastagens de Brachiaria decumbens, com taxa de lotação de uma vaca com bezerro por hectare, a taxa média de reconcepção obtida das vacas de primeira cria foi de 62%, índice este considerado baixo. Pior foram os resultados das observações feitas em anos de seca mais severa, essas taxas caíram para 38% e 25%.

Thaís recomenda avaliar a condição corporal das vacas na época do desmame e definir uma estratégia de suplementação. “As vacas prenhas magras devem ser apartadas e receber um tratamento diferenciado, seja suplementação com proteinado ou ração, ou mesmo o acesso a um pasto de melhor qualidade”.

Recomendações gerais para uma programa de suplementação alimentar

O suplemento deve ser fornecido diariamente. Para facilitar o manejo, o alimento deve ser armazenado em pontos estratégicos das invernadas, ou em praças de alimentação, em locais protegidos da umidade e de roedores. “Essa rotina promove maior controle do consumo, além de tornar os animais mais dóceis”, diz a pesquisadora.

Os requerimentos minerais e vitamínicos devem ser também atendidos e são calculados em função da exigência das categorias suplementadas.Os limites do uso de fontes de nitrogênio não protéico devem ser respeitados, para evitar problemas de intoxicação, recomenda a pesquisadora que dá outras dicas: na suplementação usar somente produtos aprovados pelo MAPA e é proibido o uso de suplementos que contenham proteínas ou gorduras de origem animal, tais como: farinha de osso, farinha de pena e cama aviária. Quanto os cochos, para suplementação de concentrados e volumosos devem ser mais largos (40x50 cm) do que os cochos de minerais. Eles podem ser construídos de madeira serrada, concreto pré-moldado ou até mesmo tambores cortados, aponta a pesquisadora. “Já o comprimento deve ser suficiente para que todos os animais tenham acesso ao alimento. Para tanto, são necessários cerca de 70 cm lineares por cabeça adulta. No caso da suplementação em pasto, é interessante que os cochos sejam leves para facilitar a mudança de local”, conclui.

Avaliação corporal

A condição corporal deve ser avaliada, preferencialmente, no período da manhã, após jejum de água e alimento pela observação e/ou palpação de estruturas do corpo dos animais. Embora possa ser aplicado a várias categorias, o escore é mais preciso para animais adultos.Os animais devem ser classificados nas categorias: magra, média e gorda, cada uma das quais subdivida em dois níveis, inferior e superior obedecendo uma escala de 1 a 6 pontos, conforme abaixo:

· Escore 1 = vaca magra – costelas e espinhas dorsais muito acentuadas;

· Escore 2 = vaca magra superior – costelas e espinhas menos acentuadas;

· Escore 3 = vaca em condição média inferior – costelas visível, musculatura côncava nas ancas, processo transverso ligeiramente coberto;

· Escore 4 = vaca em condição média superior – suave cobertura muscular, espinhas dorsais pouco visíveis, costelas quase cobertas;

· Escore 5 = vaca em condição gorda inferior apresentando boa cobertura muscular e início de deposição de gordura na inserção da cauda e

· Escore 6 = vaca em condição gorda superior apresenta acúmulo de gordura na inserção da cauda e maça do peito, além de cobertura muscular completa.

A suplementação deve ser vista de forma estratégica, para categorias prioritárias como vacas de primeira cria, e para vacas que apresentam uma condição corporal baixa. Vacas que parem com condição corporal ruim, possuem taxas de reconcepção baixas, o que acarreta prejuízo para o produtor. “Qualquer tomada de decisão relativa à suplementação alimentar deve ser precedida de um planejamento cuidadoso, com ênfase na análise econômica, uma vez que os custos dessa suplementação são bastante altos”, alerta Thaís.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[23/01/2015] - Arroba: vendas de carne preocupam frigoríficos
[23/01/2015] - Fim do embargo russo: preocupação para o Brasil?
[23/01/2015] - JBS já é a quarta maior exportadora do Brasil
[23/01/2015] - Falta de chuva e preço travam a reposição
[23/01/2015] - Produtores de leite vivem drama no RS
[23/01/2015] - Crise no leite também chegou a SC
[23/01/2015] - Carne já é apontada como vilã da iinflação

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/01/2015] - Crédito: o maior desafio de Kátia Abreu
[23/01/2015] - Venezuela deve US$ 5 bi a exportadores do Brasil
[22/01/2015] - Governo investiga brucelose em frigorífico
[22/01/2015] - Já tem frigorífico pagando mais pela arroba
[22/01/2015] - CEPEA: pecuarista não aceita pressão
[22/01/2015] - Kátia promete novas regras para frigoríficos
[22/01/2015] - Dilma volta a obrigar produtor a emplacar trator
[22/01/2015] - Indicados por Kátia respondem a processos
[22/01/2015] - Superávit do agro caiu 17% em SP
[21/01/2015] - Arroba do boi: animais de pasto começam a aparecer
[21/01/2015] - Kátia Abreu define relacionamento com frigoríficos
[21/01/2015] - Vendas caem mas preço da carne se mantém
[21/01/2015] - Inseminação cresce com alta na arroba
[21/01/2015] - Brasil dobrou exportações de lácteos em 2014
[21/01/2015] - Ministro quer Kátia fora da PEC das demarcações
[21/01/2015] - Governo tenta solucionar calote do seguro rural
[20/01/2015] - Sindicato ameaça Marfrig com greve nacional
[20/01/2015] - Mais um Batista para dominar o mercado?
[20/01/2015] - Mercado do boi gordo espera por uma definição
[20/01/2015] - Cinco países dominam exportações do agro do Brasil
[20/01/2015] - Bezerro 45% mais caro em Rondônia
[20/01/2015] - Importação de lácteos caiu em 2014
[20/01/2015] - Processo de rastreabilidade gera polêmica no MS
[19/01/2015] - Queda da carne trava compra de boi
[19/01/2015] - Frango na frente na concorrência com o boi
[19/01/2015] - Governo quer dar benefícios para manter Marfrig
[19/01/2015] - Área do milho deve cair 10%
[19/01/2015] - Kátia Abreu: abertura chinesa ajudou pouco
[16/01/2015] - Tabelamento do frete causa polêmica no MT
[16/01/2015] - Rial sai no melhor momento do Marfrig
[16/01/2015] - Um uruguaio no comando do Marfrig
[16/01/2015] - Mercado do boi termina a semana firme
[16/01/2015] - Demanda por reposição deve aumentar
[16/01/2015] - Oferta curta segura a arroba no Tocantins
[16/01/2015] - Como é feito o estudo epidemiológico para aftosa?
[15/01/2015] - CEO do Marfrig renuncia, papéis caem na Bolsa
[15/01/2015] - Frigoríficos já pagam mais pela arroba
[15/01/2015] - CEPEA: pecuaristas resistem a arroba menor
[15/01/2015] - Cai a diferença entre a arroba de SP e MT
[15/01/2015] - Leite longa vida continua caindo
[15/01/2015] - Banco vê tendência de concentração no leite
[15/01/2015] - Agro: um setor de quase meio trilhão
[14/01/2015] - Frigoríficos pagam acima da referência pelo boi
[14/01/2015] - Inflação em alta trava vendas de carne
[14/01/2015] - Marfrig confirma fechamento de unidade
[14/01/2015] - Cade aprova mais uma compra da JBS
[14/01/2015] - MT doou 190 mil doses de vacina à Bolívia
[13/01/2015] - Arroba da vaca subiu quase 40% em 2014
[13/01/2015] - Boi está em falta e puxa alta da arroba
[13/01/2015] - Procura por garrote e boi magro em alta

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br