Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
189,00 173,00 187,00
GO MT RJ
178,00 175,00 173,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1750,00
Garrote 18m 2100,00
Boi Magro 30m 2550,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1600,00
Vaca Boiadeira 1840,00

Atualizado em: 24/1/2020 10:20

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Vai faltar milho no Brasil em 2020?

 
 
 
Publicado em 09/01/2020

O ritmo acelerado de vendas antecipadas da segunda safra de milho desta temporada 2019/20 mostra que o cereal será novamente protagonista no setor de agronegócios este ano. Embora as estimativas apontem para a queda da colheita, que no ano passado bateu recorde, a demanda aquecida nos mercados interno e externo e os preços atraentes ainda poderão levar produtores a arriscar plantar fora da janela ideal de clima em busca de lucros extras.

Segundo Sérgio Bortolozzo, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), 70% da produção esperada para a segunda safra já foi negociada, enquanto na média dos últimos anos para o período foi de 40% a 50%. A entidade espera que a área plantada aumente de 1% a 2% e que a colheita alcance entre 70 milhões e 71 milhões de toneladas, mesmo patamar previsto pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Conforme a estatal, serão 70,9 milhões de toneladas, 3,1% menos que a safrinha do ciclo 2018/19, quando o clima foi particularmente favorável. Mais otimista, a consultoria Céleres ainda aposta que a colheita poderá chegar a 80 milhões de toneladas diante das condições favoráveis do mercado. “Mas existe uma expectativa de que o plantio atrase um pouco, o que eleva o risco de perdas”, afirmou Bortolozzo ao Valor.

Mesmo assim, ponderam analistas, como a perspectiva é de valorização do grão muitos produtores correrão esse risco e ligarão as plantadeiras depois da janela ideal, que é entre a primeira semana de janeiro e meados de fevereiro. O indicador Esalq/BM&FBovespa para o preço da saca de 60 quilos negociada no mercado interno subiu 23,4% em 2019 e começou 2020 em mais de R$ 48.

A alta é resultado da demanda firme por proteínas da China, em razão do surto de peste suína africana, que elevou as importações do país asiático de carnes brasileiras e, por tabela, a necessidade dos frigoríficos de aves de suínos por grãos para alimentar os animais. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), os embarques de carne de frango, que cresceram 2,8% em 2019, para 4,2 milhões de toneladas, deverão aumentar até 6% em 2020. Já as exportações de carne suína tendem a avançar mais 20% após a alta de 16,2% do ano passado, quando o volume atingiu o recorde de 750,3 mil toneladas.

A consultoria INTL FCStone projeta que, diante desse cenário, o consumo interno de milho deverá alcançar 68,5 milhões de toneladas nesta safra, ante 63,9 milhões em 2018/19. E, mesmo com a queda na colheita da safra de verão em Estados como o Rio Grande do Sul (ver matéria abaixo), também há estoques suficientes da colheita recorde do ano passado para atender à demanda, na avaliação da Abramilho.

O mercado também ganhou sustentação no front externo, com os problemas climáticos nos Estados Unidos. A agência Farm Progress estima que o relatório de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) de sexta-feira indicará uma colheita de 343 milhões de toneladas em 2019/20, 3,7 milhões de toneladas a menos que a previsão feita em dezembro e quase 39 milhões de toneladas abaixo do projetado em maio (381,8 milhões).

Na temporada 2018/19, os americanos produziram 366 milhões de toneladas, mas no ciclo atual, cuja colheita terminou, o clima no Meio-Oeste atrapalhou. A quebra foi tão grande que pode ter aberto espaço para o Brasil assumir a liderança nas exportações mundiais de milho em 2019. No ano passado, os embarques brasileiros superaram as 43,2 milhões de toneladas, segundo o Ministério da Economia, aumento de 88,5% ante o ciclo anterior, enquanto o volume estimado pelo USDA para a safra americana 2019/20 é de 46,9 milhões de toneladas.

Diante da aquecida demanda doméstica – e independentemente do comércio com o Irã, grande importador de milho -, os embarques do Brasil deverão recuar este ano, para entre 34 milhões e 35 milhões de toneladas, conforme Bortolozzo, da Abramilho. E o estoque de passagem deverá ficar entre 11 milhões e 12 milhões de toneladas, ante as 17 milhões do ciclo anterior. “O produtor pode até guardar um pouco desse milho para negociar mais adiante, mas acredito que será algo pontual, já que a minoria tem margem suficiente para isso”, afirmou ele.

Assim sendo, o dirigente afasta a possibilidade cogitada por alguns analistas de escassez do grão no país. Para Bortolozzo, “se isso acontecer, será uma questão pontual”. Na avaliação de Ana Luiza Lodi, analista da INTL FCStone, a preocupação é maior no primeiro semestre, já que a safra de verão deverá encolher mais que o previsto por causa de calor excessivo e chuvas irregulares, sobretudo no Rio Grande do Sul. “Essa quebra agrava e preocupação que já tínhamos, já que a safrinha só chega no segundo semestre e a demanda para a produção de aves e suínos está elevada”.

Esse cenário também abre espaço para uma ampliação das importações, especialmente por parte de frigoríficos instalados no Sul do país, que podem trazer milho do Paraguai e da Argentina a custos competitivos. Conforme Ana Luiza, as compras no exterior deverão atingir 1,5 milhão de toneladas em 2019/20, ante 1,3 milhão na safra 2018/19.

De acordo com Anderson Galvão, da consultoria Céleres, caso ocorram problemas climáticos neste primeiro semestre, quando a safrinha estará em desenvolvimento, os preços poderão subir para R$ 60 a saca no Sul do país, e para entre R$ 30 e R$ 35 em Mato Grosso. “Se considerarmos também a demanda para a produção de etanol, que deverá crescer com a entrada de novos projetos em atividade, o valor praticado no mercado interno deverá ser mais atraente que na exportação”, acrescentou. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/01/2020] - Arroba: frigoríficos seguraram as compras
[24/01/2020] - Atacado da carne segue corrigindo preços
[24/01/2020] - Brasil tem a maior criação de empregos desde 2013
[24/01/2020] - Minerva levanta mais de R$ 1 bilhão na Bolsa
[24/01/2020] - Milho: alta de 28,3%
[24/01/2020] - Agro responde por 77% das exportações do PR
[23/01/2020] - Queda do boi não tem relação com a China

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/01/2020] - BRF nega renegociação com a China
[23/01/2020] - Vender à China é coisa pra frigorífico grande?
[23/01/2020] - A China pode levar para onde o valor do boi?
[23/01/2020] - Arroba: mercado parado em São Paulo
[23/01/2020] - Pecuaristas protestam contra preço do boi em RO
[23/01/2020] - Frigoríficos do PR querem travar venda de bois
[23/01/2020] - Inflação desacelera com queda no preço da carne
[23/01/2020] - Milho: exportações perderam ritmo
[22/01/2020] - Frigoríficos estão mesmo tendo prejuízo na China?
[22/01/2020] - Frigoríficos perdem valor com impasse chinês
[22/01/2020] - Carne bovina cai também no Brasil
[22/01/2020] - Arroba: impasse no mercado do boi gordo
[22/01/2020] - Pecuaristas estão cautelosos na reposição
[22/01/2020] - Milho segue com preço firme
[22/01/2020] - CNI protesta contra reajuste da Tabela de Frete
[22/01/2020] - Justiça condena dez da Operação Carne Fraca
[21/01/2020] - China quer renegociar até carne já embarcada
[21/01/2020] - Exportações perderam ritmo mas seguem fortes
[21/01/2020] - Frigoríficos querem forçar baixa do boi
[21/01/2020] - Pecuaristas travam vendas com arroba menor
[21/01/2020] - Queda da carne não é generalizada
[21/01/2020] - PIB do Agro cresceu 1,15% até outubro
[20/01/2020] - Arroba: preços continuarão caindo?
[20/01/2020] - SC bate recorde na exportação de carne
[20/01/2020] - Vai faltar leite em 2020?
[20/01/2020] - Farelo de soja está mais caro
[20/01/2020] - Novos adidos agrícolas tomam posse
[20/01/2020] - Anvisa decide que abamectina continuará à venda
[20/01/2020] - MS deve criar fundo privado para sanidade
[20/01/2020] - Tabela de frete será julgada em fevereiro?
[17/01/2020] - O acordo EUA-China prejudica a carne brasileira?
[17/01/2020] - China: produção de carne suína tem queda histórica
[17/01/2020] - Bois e carne viram foco de bandidos
[17/01/2020] - Carne volta a cair com força no atacado
[17/01/2020] - Arroba volta a cair: pressão de baixa continua
[17/01/2020] - Controladores do Minerva venderão ações
[17/01/2020] - Minerva quer voltar a distribuir lucro
[17/01/2020] - Saída do BNDES da JBS vai atrasar novamente
[17/01/2020] - Nova tabela de frete: alta de 11 a 15%
[16/01/2020] - Arroba: frigoríficos estão pagando preços iguais?
[16/01/2020] - A alta do boi em 2019 foi realmente forte?
[16/01/2020] - Agro respondeu por 43% das exportações do Brasil
[16/01/2020] - Pecuarista investiu apesar da crise
[16/01/2020] - Inflação medida pelo IGP mostra desaceleração
[16/01/2020] - Leite: preço deve subir no curto prazo
[16/01/2020] - Minerva fará oferta de ações
[15/01/2020] - Arroba volta a cair com pressão dos frigoríficos
[15/01/2020] - Preço da carne bovina tem queda forte em MT
[15/01/2020] - China pressiona frigoríficos por preços menores
[15/01/2020] - China vende mais carne das reservas estatais

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br