Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
200,00 175,00 185,00
GO MT RJ
187,00 182,00 190,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1800,00
Garrote 18m 2200,00
Boi Magro 30m 2500,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1900,00

Atualizado em: 13/12/2019 11:29

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Crédito subsidiado está sobrando nos bancos

 
 
 
Publicado em 28/11/2019

Com a taxa básica de juros (Selic) da economia em 5% ao ano, o mais baixo patamar da história, começa a haver no mercado um “empoçamento” de crédito rural subsidiado. Os desembolsos baseados em depósito à vista - uma das principais fontes de recursos nessa frente - recuaram 20% nos quatro primeiros meses desta safra 2019/20 (julho a outubro) em relação ao mesmo período da temporada passada, para R$ 19,5 bilhões, e essa tendência poderá se aprofundar.

De acordo com dados do Banco Central (BC), entre as principais linhas com recursos controlados pelo governo, seja por meio de percentual de direcionamento obrigatório ou de subsídios, os empréstimos de custeio agropecuário voltados a grandes produtores baseados em depósitos à vista caíram 45% na comparação, para R$ 7,1 bilhões.

Em duas recentes audiências no Congresso, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, chamou a atenção para o movimento. “Pela primeira vez na história” há crédito rural direcionado “empoçado” nos bancos, disse ele no Senado. Ou seja, há recursos disponíveis, mas a demanda está fraca, reflexos da política induzida pela equipe econômica de estimular o aumento da concorrência, o uso de fontes alternativas de financiamentos.

“A taxa de juros longa [característica das linhas com recursos do BNDES ] caiu tanto que alguns produtores não estão querendo dinheiro subsidiado, estão querendo ir no mercado porque é mais fácil e tem menos burocracia”, afirmou Campos Neto na Câmara. “O crédito direcionado [total, não apenas o rural] teve mais uma forte queda neste ano, que é intencional. Queremos tirar o governo e colocar o [setor] privado no lugar”, completou o chefe do BC.

Nessa conjuntura de Selic baixa e encolhimento do montante de recursos disponíveis, grandes e médios produtores estão acessando mais recursos a juros livres, que já chegam a ser ofertados com juros de 6% ao ano pelo Banco do Brasil e por instituições privadas.

Como efeito, a agricultura familiar, que não acessa taxas livres, pode ser o segmento agropecuário mais prejudicado, uma vez que os bancos privados continuam demonstrando pouco interesse em operar nessa faixa, até porque, em muitos rincões dominados por pequenos produtores, tais instituições sequer atuam.

Os desembolsos de custeio tomados pelos agricultores familiares baseados em depósitos à vista diminuíram 4% nos quatro primeiros meses da safra, para R$ 2 bilhões. Esses financiamentos têm 100% de recursos com juros controlados. Na safra 2019/20, o governo destinou ao Pronaf mais da metade dos R$ 9,9 bilhões dos subsídios reservados ao crédito rural.

Nesse contexto, dizem especialistas, alguns bancos privados não têm conseguido emprestar todo o dinheiro que são obrigados a destinar ao setor agropecuário - a chamada exigibilidade. Nesse caso, eles podem repassar essa exigibilidade para um concorrente, por meio do Depósito Interfinanceiro Rural (DIR), mas se não conseguirem, e o dinheiro não for liberado, a instituição pode ser multada pelo BC em até 40% do valor que sobrar no fim do ano-safra, em junho.

Vale lembrar que, pelas regras do manual de crédito rural, os bancos têm que destinar 30% de suas captações com depósitos à vista, 60% de tudo que captam com poupança rural e 35% de seus recursos com Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) para financiamentos agropecuários.

Procurado, o Ministério da Agricultura informou que houve uma “sobreaplicação” das principais instituições financeiras que operam com o Pronaf: Banco do Brasil, cooperativas e Banco do Nordeste. Esses bancos públicos já contam com grande disponibilidade de recursos para emprestar a pequenos produtores e, por isso, os bancos privados não estão conseguindo repassar os recursos obrigatórios.

Para contornar o problema, a Pasta estuda alterar as regras de direcionamento de recursos obrigatórios para o crédito rural para que o “dinheiro flua”. Uma opção, que depende de aprovação do BC e do Conselho Monetário Nacional (CMN), é viabilizar a transferência de exigibilidades nas operações de investimentos do Pronaf – hoje, essa possibilidade só existe para custeio. “Os bancos estão reclamando porque, se não aplicarem, pagam multa”, disse ao Valor a ministra Tereza Cristina.

João Guadagnin, consultor de crédito rural, entende que as transações de DIR devem aumentar na segunda metade desta safra, a partir de janeiro de 2020, quando os recursos disponíveis no Banco do Brasil para investimentos se esgotarem.

Ademiro Vian, ex-diretor da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), disse que essa situação decorre, em boa medida, da falta de estratégia dos bancos. Segundo ele, as instituições não têm estrutura para atender esse mercado e trabalham cada vez menos com clientes “pessoas físicas”. “Os bancos vieram desativando as carteiras e não têm credito rural [controlado] como meta. É obrigação, é ‘patinho feio’. Não contavam com a taxa de juros baixa e estão se desesperando”, argumentou.

Um dos principais bancos privados que operam com crédito rural, o Santander é um dos que têm, no momento, recursos "empoçados" destinados para financiamentos no âmbito do Pronaf. O diretor de Agronegócios da instituição, Carlos Aguiar, diz que sempre solucionou esse problema repassando recursos para cooperativas de crédito, mas que nesta safra, com a queda da Selic, esses agentes vêm preferindo usar primeiro seu "funding" de poupança rural, que está mais rentável. “Hoje o cliente prefere pegar a 9% ao ano na taxa livre do que a 8% no controlado, por conta de toda a burocracia. A demanda do setor é igual, mas não há mais justificativa de preço subsidiado diante de uma burocracia maior", disse.  Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[13/12/2019] - Arroba: espaço para queda é pequeno, diz Marfrig
[13/12/2019] - Arroba: pressão dos frigoríficos aumenta
[13/12/2019] - Reposição perde força com dúvidas sobre o boi
[13/12/2019] - China e EUA anunciam acordo que impacta Agro
[13/12/2019] - Dados do BC confirmam recuperação da economia
[12/12/2019] - JBS paralisa abates para pressionar a arroba
[12/12/2019] - MP pede bloqueio de quase R$ 1 bilhão da JBS

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[12/12/2019] - Arroba: frigoríficos seguem pressionando
[12/12/2019] - Pecuaristas: atenção à reposição
[12/12/2019] - Varejo fraco pressiona preço do boi casado
[12/12/2019] - Abates continuam em alta, segundo o IBGE
[12/12/2019] - Exportações de carne batem recorde em MG
[12/12/2019] - Pecuarista será indenizada por morte de bois
[12/12/2019] - Qual a perspectiva para o preço do milho?
[12/12/2019] - Caminhonete pode ficar isenta de IPI
[12/12/2019] - Pesquisador do CEPEA vai para a equipe do MAPA
[11/12/2019] - Arroba caiu: qual o ponto de equilíbrio?
[11/12/2019] - Como está a previsão do mercado futuro do boi?
[11/12/2019] - Arroba cai a R$ 192 em Mato Grosso
[11/12/2019] - Quanto está a arroba do boi em Rondônia?
[11/12/2019] - Carne: vendas melhoram e preço sobe no varejo
[11/12/2019] - IGP-M acelera alta puxada pelo boi
[11/12/2019] - Onde a reposição ainda está subindo?
[11/12/2019] - MPF pede sequestro de R$ 5 milhões de fiscais
[11/12/2019] - JBS: MAPA acompanha as investigações
[11/12/2019] - O que muda com a MP da regularização fundiária?
[10/12/2019] - Exportações de carne seguem fortes em dezembro
[10/12/2019] - ABIEC acredita em reabertura dos EUA até março
[10/12/2019] - Frigoríficos prevêem recordes para exportação
[10/12/2019] - Exportações do Agro sobem puxadas pela carne
[10/12/2019] - Pecuarista segura o boi e frigoríficos pressionam
[10/12/2019] - Arroba: frigoríficos seguram compras
[10/12/2019] - MT: arroba perdeu força
[10/12/2019] - Pecuarista está cauteloso na reposição
[10/12/2019] - FGV: alta das carnes não chegará à inflação
[10/12/2019] - MP cobra na Justiça R$ 21 bilhões da JBS
[10/12/2019] - PF acusa a JBS de pagar suborno a fiscais
[10/12/2019] - Bolsonaro assina MP da Regularização Fundiária
[10/12/2019] - Crédito rural cresceu 6% em 2019
[09/12/2019] - Arroba: as quedas também não são para sempre
[09/12/2019] - Tereza Cristina falou sobre o futuro da arroba
[09/12/2019] - Arroba: preço do boi tenta estabilidade
[09/12/2019] - Carne parou de subir no atacado
[09/12/2019] - JBS tirará maior parte dos negócios do Brasil
[09/12/2019] - Marfrig anuncia investimento e retomada de unidade
[09/12/2019] - Marfrig oficializa oferta para saída do BNDES
[09/12/2019] - Frigoríficos querem liberação de crédito em SP
[09/12/2019] - Raiva: Tocantins tira obrigação de vacinar
[09/12/2019] - Milho subiu 28% em um ano
[06/12/2019] - Arroba: mercado busca nova referência
[06/12/2019] - China: quase metade das exportações brasileiras
[06/12/2019] - Alta das carnes puxou a alta da inflação no Brasil
[06/12/2019] - Preço da carne bovina subiu no mundo todo
[06/12/2019] - China tenta reativar mercado de suínos do país
[06/12/2019] - Marfrig: Molina não vai comprar parte do BNDES
[06/12/2019] - Banco prevê recuperação para o mercado do leite
[06/12/2019] - Leite: concorrência limita queda maior no preço

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br