Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
200,00 185,00 193,00
GO MT RJ
190,00 188,00 181,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1830,00
Garrote 18m 2170,00
Boi Magro 30m 2690,00
Bezerra 12m 1370,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1850,00

Atualizado em: 21/2/2020 09:32

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtores do PR são contra retirada da vacina

 
 
 
Publicado em 30/04/2019

A Sociedade Rural de Maringá (SRM) distribuiu nota à imprensa onde informa que é veementemente contrária à retirada antecipada da vacinação contra a febre aftosa no Paraná.

O texto da nota:

"A decisão dos estados que pertencem ao bloco 5 do Pnefa (Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa) de apoiar o fim da imunização no Estado a partir deste ano, em reunião nesta quarta-feira (24) na sede da Ocepar, em Curitiba, é considerada um equívoco e irá afetar profundamente produtores e todos os setores que dependem da entrada de animais de outros estados para as suas atividades.

O Paraná conta com um rebanho de aproximadamente 10 milhões de cabeças de bovinos, sendo cerca de 50% animal de corte. Mais de 2% desses bovinos que são destinados ao abate chegam de outros estados. Com a barreira criada no Paraná para a entrada de novos rebanhos, haverá uma defasagem prejudicando toda a cadeia produtiva de carne, incluindo-se os frigoríficos, curtumes, processadoras de ossos e até mesmo a indústria de biodiesel proveniente da gordura animal. Havendo redução de abate, haverá falta de matéria-prima para todos os setores. Esse quadro afetará até mesmo os empregos nestas unidades, prevendo-se um corte de 30 a 40% da mão-de-obra hoje efetiva, conforme as indústria frigorífica.

O Estado, que estava no bloco 5 do Pnefa e deveria parar de vacinar só em 2021, poderia se adiantar, mas sair junto com o bloco 2 ou 3, cuja suspensão da imunização está programada para o próximo ano. Seria a forma de não ficar isolado.

A cadeia produtiva/industrial da carne de bovinos do Paraná, importante elo entre o produtor e o consumidor, também se colocou contrária à decisão. É importante atentar que enquanto as cadeias produtivas de aves e suínos estão sob controle das indústrias e são concentradas em aproximadamente 20 mil propriedades de produção de aves comerciais e em torno de 6 mil propriedades de produção de suínos comerciais, em regiões com alta concentração, a cadeia da carne de bovinos está distribuída em todo estado (algo em torno de 180 mil propriedades) com grande variação de qualidade de carcaças, transporte distante e oneroso, e raras propriedades são da própria indústria.

Portanto, os cenários diferentes merecem tratamento e análises diferenciados. O abastecimento para o abatedouro de carne bovina não é arbitrado pela Indústria, como é nos suínos e nas aves. É disperso e incerto, requer organização e planejamento de longo prazo, o que reforça a tese de que a alteração do cronograma para o fim da vacinação no estado irá prejudicar o setor.

De acordo com um estudo encomendado por entidades do setor, realizado pela Athenagro, os benefícios com o fim da vacinação seriam colhidos pela suinocultura, enquanto os riscos seriam todos da bovinocultura. A tese do benefício, no entanto, baseia-se na premissa que haja retorno econômico com as exportações de carne suína, caso o estado deixe de vacinar. Entretanto, Santa Catarina que atingiu o status livre de aftosa sem vacinação em 2007, não confirmou a expectativa de aumentar suas exportações para países com melhor remuneração.

Mesmo sendo o Estado de maior produção e exportações de carne suína no Brasil, apenas 6% do total exportado seguiu para mercados considerados mais restritivos em relação à vacinação, como Estados Unidos, Japão e Singapura. Em 2006, antes de atingir o status, 7% do total exportado pelo vizinho atingiu os mercados restritivos.

A carne suína paranaense também acessou mercados restritivos. Em 2018, o Paraná exportou 18,6 mil toneladas métricas de carne suína para Singapura, equivalente a 17% do total exportado pelo Estado. No mesmo período, Santa Catarina exportou 13,6 mil toneladas para o mesmo mercado, ou 4% do total. O restante exportado por Santa Catarina aos mercados restritivos soma 6,4 mil toneladas em 2018, destinadas ao Japão e Estados Unidos.

Mesmo responsável por 51,4% de todas as exportações de carne suína em 2018, Santa Catarina enviou 19,9 mil toneladas aos mercados considerados mais restritivos. O Paraná, que respondeu por apenas 16,8% das exportações brasileiras de carne suína, enviou 18,7 mil toneladas nos mercados restritivos. É conclusivo que a diferença do status não representa vantagem competitiva alguma para atender os mercados, destaca o documento.

A análise das séries históricas de volume e preços de exportações e mercado interno, tanto para carne suína como bovina, são mais contundentes. Comparando o desempenho do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, não há sinais de que Santa Catarina ganhe espaço ou benefícios com relação às exportações ou valorização do mercado interno. “Não há dúvidas que a retirada precipitada das campanhas de vacinação represente mais riscos do que benefícios para ambas as carnes. A expectativa de benefícios não se confirmou em Santa Catarina, nem mesmo nos momentos mais complicados para a suinocultura”, frisa o estudo.

Com a crise da peste suína na China e vizinhos, é esperado um rearranjo em todos os players do mercado global. A oportunidade para o Brasil é inquestionável. Será que interessa ao Paraná aumentar os riscos sanitários em um momento tão importante para a consolidação dos mercados? O status livre sem vacinação deve ser buscado, mas não a qualquer custo. Aguardar mais um ano ou dois anos seria o mais prudente para todos." Com informações da assessoria de imprensa da SRM.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/02/2020] - Arroba: frigoríficos podem aumentar ofertas
[21/02/2020] - Carne: preços firmes no atacado
[21/02/2020] - Mortes pelo coronavírus passam de 2.200 na China
[21/02/2020] - China: Vírus atrasa compras de produtos agrícolas
[21/02/2020] - Produção de carne dos EUA baterá recorde
[21/02/2020] - Marfrig pode vender ações nos EUA
[21/02/2020] - Empresa da JBS lucra 84% mais

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[21/02/2020] - Dólar bate os R$ 4,40, maior valor da história
[21/02/2020] - Exportações de milho caíram
[21/02/2020] - Frete caro puxa preço do milho
[20/02/2020] - Brasil pode bater outro recorde na carne bovina
[20/02/2020] - Marfrig acredita que exportações seguirão fortes
[20/02/2020] - Minerva já vê retomada do mercado chinês
[20/02/2020] - Minerva: novos mercados estão se abrindo
[20/02/2020] - China começa a retomar a vida normal
[20/02/2020] - Arroba: mercado do boi está andando de lado
[20/02/2020] - Carne não consegue ganhar embalo no varejo
[20/02/2020] - Pecuaristas do RS querem antecipar fim da vacina
[19/02/2020] - Carnaval pode puxar a demanda pelo boi
[19/02/2020] - Pecuarista segura as vendas esperando a alta
[19/02/2020] - Um estado onde o boi subiu mais de 10%
[19/02/2020] - Reposição: preços continuam subindo
[19/02/2020] - Qual o novo patamar para a arroba do boi?
[19/02/2020] - Minerva lucra com exportações à China
[19/02/2020] - JBS faz mais um investimento bilionário nos EUA
[19/02/2020] - Câmara aprova a MP do Agro
[19/02/2020] - Caminhoneiros param para pressionar o STF
[18/02/2020] - Arroba: o Carnaval vai puxar as cotações?
[18/02/2020] - Boi: mercado está devagar. O que analistas dizem?
[18/02/2020] - Exportações devem cair em fevereiro. Por quê?
[18/02/2020] - Exportação de boi em pé caiu em janeiro
[18/02/2020] - Frigoríficos: disparada do boi não fazia sentido
[18/02/2020] - Marfrig dispara e lidera altas na bolsa
[18/02/2020] - China reduz impostos sobre a carne bovina dos EUA
[18/02/2020] - Contêineres de carne se acumulam na China
[18/02/2020] - Avanço do coronavírus tem queda
[18/02/2020] - Coronavírus: menos de 5% dos casos são graves
[18/02/2020] - IGP-M fica estável na segunda prévia de fevereiro
[18/02/2020] - Caminhoneiros querem paralisação nacional hoje
[18/02/2020] - CNA não crê em acordo com caminhoneiros
[18/02/2020] - Equipe econômica mantém previsão de alta do PIB
[17/02/2020] - Arroba: o que esperar desta semana?
[17/02/2020] - Vírus pode aumentar exportações de carne do Brasil
[17/02/2020] - China: controle do coronavírus começa a funcionar
[17/02/2020] - STJ nega sequestro milionário nas contas da JBS
[17/02/2020] - CNA prevê alta forte para a pecuária em 2020
[17/02/2020] - Alta do milho preocupa produtores de leite
[17/02/2020] - Preço do milho volta a subir
[17/02/2020] - UE faz campanha clara contra o Brasil, diz Tereza
[17/02/2020] - Produtores rurais argentinos planejam greve
[17/02/2020] - Caminhoneiros protestam no Porto de Santos
[14/02/2020] - Arroba do boi já bateu até R$ 210. Sobe mais?
[14/02/2020] - Arroba: frigoríficos compraram boi pro Carnaval
[14/02/2020] - Minerva aposta em forte alta nas exportações
[14/02/2020] - Mais um país abre mercado à carne do Brasil
[14/02/2020] - IBGE: desemprego caiu em 16 estados
[14/02/2020] - Prévia do PIB de 2019 decepciona

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br