Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
153,00 138,00 145,00
GO MT RJ
137,00 138,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 15/2/2019 12:26

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtores pedem taxa sobre o leite em pó

 
 
 
Publicado em 11/02/2019

A Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite) pediu aos ministérios da Agricultura e da Economia para elevar o imposto de importação de leite em pó. Atualmente, o produto está na lista da Tarifa Externa Comum (TEC), incidente sobre importações de fora do Mercosul, com taxa de 28%. A elevação serviria para compensar a derrubada das tarifas antidumping, feita pelo Governo Federal essa semana, para União Europeia (14,8%) e Nova Zelândia (3,9%).

Os novos valores pleiteados são exatamente a soma da TEC e da extinta medida de proteção à cadeia produtiva nacional: 42,8% para o bloco europeu e 31,9% para o país da Oceania. No entanto, a legislação vigente só permite chegar a 35% nessa categoria. A solução seria tentar a inclusão na Lista de Exceção à Tarifa Externa Comum (Letec), que permite taxação de até 55%.

A solicitação foi feita na última quinta-feira, dia 7, em reunião entre o presidente da Abraleite, Geraldo Borges, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o secretário de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais da pasta comandada por Paulo Guedes, Marcos Troyjo. Amanhã, dia 12, haverá uma nova reunião entre eles para dar sequência ao assunto.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, confirmou que vai tentar elevar o imposto até encontrar uma taxa “justa” para as importações de leite em pó. O pleito também foi defendido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por meio do presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite, Rodrigo Alvim. Mas pode ser difícil implementar a medida. Isso porque o imposto de importação do leite em pó já é um dos maiores em vigor no país, com 28%, perde apenas para produtos como pêssego, artigos têxteis, vestuário, tapetes, revestimentos para pisos, bolsas, calçados, brinquedos e veículos automotores e tratores, com tarifa de 35%, o máximo possível para TEC. A alíquota não é suficiente para barrar a entrada dos produtos europeu e neozelandês, segundo a Abraleite.

Outra possibilidade é a migração de TEC para Letec, na qual a alíquota pode ultrapassar os 35%. Nela, apenas frutas dessecadas têm a taxa máxima de 55%. Alho (35%) e cebola (20%), são culturas agrícolas que também estão nesse rol. O pedido da Abraleite é para 42,8% no caso da UE, mas ainda não foi feito formalmente. Hoje, existem 35 pedidos de inclusão, exclusão, alteração ou manutenção de produtos na Letec. A análise de cada um dura pelo menos um mês até ser deliberado pelo Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex). O prazo para implementação da medida deve ser o principal empecilho para o setor produtivo leiteiro nesse caso.

Para o consultor em comércio internacional da BMJ, Matheus Andrade, qualquer pedido de elevação desses impostos vai demorar a se concretizar. “Com a reformulação do governo, vai mudar a forma de aprovação desses pedidos, mas ainda não foi definido como vai ficar. Pode demorar meses”.

Andrade explica que a mudança na TEC depende de aprovação do Mercosul, uma vez que é válida para todos os membros do bloco, e que a alternativa de inclusão da Letec é de decisão interna, mas que leva tempo. “O setor pode pedir aumento da tarifa. Todos os países informam à Organização Mundial do Comércio (OMC) as tarifas máximas que podem aplicar para os produtos. Para o leite em pó, poderia ir até 55%. O Brasil tem essa liberdade, mas é algo demorado”, diz.

Sobre a queda da tarifa antidumping, a medida é definitiva, mas pode existir uma esperança muito remota de reversão, de acordo com o consultor Celso Figueiredo, da BMJ. “Como foi medida terminativa, não foi encontrado a recorrência do dumping para importações do leite em pó, a decisão é definitiva. Para requerer novamente, é preciso abrir novo processo, todo precedente será levado em consideração, mas é necessário abrir nova investigação. Existe outra possibilidade, mas nunca aconteceu, que é o governo brasileiro aceitar algum recurso em função do interesse público e da economia como um todo sobre a decisão de retirar o antidumping”, esclarece. A abertura de uma nova investigação, no entanto, só pode ser feita daqui um ano.

Uma fonte ouvida pelo Canal Rural, que não quis se identificar e acompanhou o tema durante os últimos anos no Ministério da Agricultura, concorda que tanto alteração de TEC quanto o pleito por Letec serão difíceis de alcançar. A primeira depende de mudança no acordo do Mercosul, uma vez que a tarifa comum vale para todos os países do bloco. A segunda depende de convencimento do Ministério da Economia sobre a necessidade de taxação elevada. O cenário é pior ainda, segundo avaliação da fonte, para a retomada do antidumping. “São decisões técnicas. O processo indica que não tem mais sentido manter a tarifa antidumping. O setor foi alertado no ano passado que a medida estava vencendo. Agora, precisa apresentar números, algo novo, mas acho muito difícil retomar”, relata. Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018
[12/02/2019] - Governo deve rever fim de taxa ao leite europeu
[12/02/2019] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[12/02/2019] - Reposição: expectativa pela chegada dos bezerros
[12/02/2019] - Carne: queda nos preços perde força
[12/02/2019] - Milho: produtor deve ter cautela
[12/02/2019] - Funrural: Abrafrigo diz que dívida não existe
[12/02/2019] - Crédito rural tem forte alta nas contratações
[12/02/2019] - Índios e produtores comemoram colheita juntos
[11/02/2019] - Arroba: pecuarista segura o boi esperando a alta
[11/02/2019] - Exportações de gado cresceram 55% em 1 ano
[11/02/2019] - Conta do boi não fecha, diz líder rural
[11/02/2019] - Ministério não vê danos com leite da UE
[11/02/2019] - Produtores pedem taxa sobre o leite em pó
[11/02/2019] - Milho: colheita não reduziu preços
[11/02/2019] - Milho: safrinha gera preocupação
[11/02/2019] - Farelo de soja: preço caiu
[11/02/2019] - Crédito: Tereza pede redução gradual de subsídio
[08/02/2019] - Marfrig demite 400 funcionários de frigorífico
[08/02/2019] - Marfrig pode exportar carne para o Japão
[08/02/2019] - Frigoríficos estão em alta na Bolsa
[08/02/2019] - Arroba teve pequena alta em SP
[08/02/2019] - Arroba: mercado está devagar em Goiânia
[08/02/2019] - STF confirma que tabela de frete está valendo
[08/02/2019] - Alimentos em alta no mercado internacional
[08/02/2019] - Brumadinho: BB deve suspender contratos
[08/02/2019] - Aftosa: MAPA publica manual de vacinação

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br