Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
153,00 138,00 145,00
GO MT RJ
137,00 138,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 15/2/2019 12:26

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

A vacinação vai mesmo acabar no Paraná?

 
 
 
Publicado em 06/02/2019

A menos de três meses para o que seria a última campanha de imunização contra a febre aftosa no Paraná - as imunizações ocorrem em maio -, o futuro da vacinação no Estado ainda é uma incógnita e tem gerado embates. Isso porque, segundo o secretário de Estado de Agricultura, Norberto Ortigara, existem “forças contrárias” para a antecipação do status de área livre da doença sem vacinação.

O que se achava que poderia ser um caminho sem volta e uma condição pacificada e pretendida por todos, depende agora do convencimento de cerca de 20% dos envolvidos na cadeia, sobretudo criadores das regiões norte e noroeste do Estado, que trazem animais de outros estados e que não consideram ser adequado antecipar o fim da aplicação das vacinas antes de 2023.

É que, assim que essa condição for assumida, as divisas com outros estados passam a ser fechadas para trânsito de animais para cria, recria e engorda.

Em um primeiro cronograma do PNEFA (Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa), o Paraná estava no bloco V e, com isso, só encerraria a aplicação da vacina em 2021, passaria um tempo sob a fiscalização do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), e em 2023 alcançaria o status internacional de área livre sem vacina.

Mas desde 2011 o Estado vem fazendo um trabalho intenso e minucioso para antecipar esse cronograma e no ano passado conseguiu migrar para o bloco I, onde o fim da obrigatoriedade da imunização é maio deste ano.

Segundo Ortigara, essa pequena - mas respeitada - parcela ainda depende de convencimento de que o cronograma original não precisa ser mantido, tendo em vista o preparo no enfrentamento à doença quase 14 anos após o último registro no Estado. “Temos o desejo e a percepção que antecipar o fim da vacinação é uma oportunidade ímpar. Estamos nos preparando intensamente para isso desde 2011. Criamos uma nova agência [a Adapar], contratamos gente, melhoramos a vigilância ativa e passiva, identificamos e resolvemos problemas no campo, fizemos o georreferenciamento do gado, dos frangos, dos suínos, enfim, existe controle sanitário de tudo. Impomos barreiras interestaduais, melhoramos o treinamento dos nossos profissionais... então, em vez de usar a força, que é a aplicação da vacina, queremos usar a inteligência para conquistar mercados com as condições que temos”.

O secretário lembra que grandes investimentos contam com essas condições sanitárias para a abertura de mercados, como os novos frigoríficos em construção para abate de suínos no oeste do Paraná e nos Campos Gerais.

Apesar de a aftosa ser uma doença que se manifesta em bovinos, a cadeia de suínos, e consequentemente toda a pecuária, são atingidas com perda de espaço no mercado internacional por gerar dúvidas sobre as condições sanitárias internas. “Quem chega primeiro bebe água limpa. Antecipar o cronograma, pelas condições que temos atestadas pelo Mapa em duas auditorias, nos permitirá acessar mercados primeiro e que hoje não compram da gente porque mantemos a vacina. Para se ter ideia, o Paraná está fora de 65% do mercado internacional de suínos neste momento”, alerta.
Novos debates regionais

As auditorias realizadas pelo Mapa no Paraná aprovaram, com louvor, as iniciativas sanitárias adotadas com recomendação de dez medidas das quais, segundo o secretário Norberto Ortigara, nove já saíram do papel. A décima deverá ser uma realidade ainda neste mês. Ela se refere à contratação de 18 veterinários e de técnicos agropecuários, processos que já estão em curso.

Na tentativa de ampliar a discussão e ouvir todos os atores, debates deverão ser promovidos ainda neste mês e no início de março, quando se espera que essa definição esteja tomada. “Sabemos que vai dar bate-boca, vai ter discussão, mas faremos um encontro com toda a cadeia produtiva, produtores, frigoríficos, cooperativas, sindicatos rurais... Até março teremos a definição se vamos vacinar em novembro ou não (...) O que é ponto sacramentado no Estado é que todos querem a melhor condição sanitária. A divergência é sobre antecipar o fim da imunização de 2021 para 2019”, completou o secretário.

A campanha em maio

Até então, o setor pecuário paranaense vinha contando que em maio faria a última campanha de vacinação contra a febre aftosa em bovinos e bubalinos de até dois anos de idade. “Temos uma firmeza de propósito e ele é de vacinar pela última vez em maio”, asseverou o secretário Norberto Ortigara.

Após as definições, a indústria será comunicada sobre a fabricação ou não da vacina para o Paraná para a segunda etapa, pois, se a imunização for mantida, as doses precisam ser fabricadas para a campanha de novembro, quando os quase 10 milhões de animais precisam ser vacinados, independente da idade. Com informações de O Paraná.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018
[12/02/2019] - Governo deve rever fim de taxa ao leite europeu
[12/02/2019] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[12/02/2019] - Reposição: expectativa pela chegada dos bezerros
[12/02/2019] - Carne: queda nos preços perde força
[12/02/2019] - Milho: produtor deve ter cautela
[12/02/2019] - Funrural: Abrafrigo diz que dívida não existe
[12/02/2019] - Crédito rural tem forte alta nas contratações
[12/02/2019] - Índios e produtores comemoram colheita juntos
[11/02/2019] - Arroba: pecuarista segura o boi esperando a alta
[11/02/2019] - Exportações de gado cresceram 55% em 1 ano
[11/02/2019] - Conta do boi não fecha, diz líder rural
[11/02/2019] - Ministério não vê danos com leite da UE
[11/02/2019] - Produtores pedem taxa sobre o leite em pó
[11/02/2019] - Milho: colheita não reduziu preços
[11/02/2019] - Milho: safrinha gera preocupação
[11/02/2019] - Farelo de soja: preço caiu
[11/02/2019] - Crédito: Tereza pede redução gradual de subsídio
[08/02/2019] - Marfrig demite 400 funcionários de frigorífico
[08/02/2019] - Marfrig pode exportar carne para o Japão
[08/02/2019] - Frigoríficos estão em alta na Bolsa
[08/02/2019] - Arroba teve pequena alta em SP
[08/02/2019] - Arroba: mercado está devagar em Goiânia
[08/02/2019] - STF confirma que tabela de frete está valendo
[08/02/2019] - Alimentos em alta no mercado internacional
[08/02/2019] - Brumadinho: BB deve suspender contratos
[08/02/2019] - Aftosa: MAPA publica manual de vacinação

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br