Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
147,00 142,00 140,00
GO MT RJ
137,00 133,00 143,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1370,00
Garrote 18m 1600,00
Boi Magro 30m 1970,00
Bezerra 12m 1000,00
Novilha 18m 1190,00
Vaca Boiadeira 1390,00

Atualizado em: 14/11/2018 10:38

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Lactalis vai produzir marca francesa no Brasil

 
 
 
Publicado em 12/07/2018

À espera de um desfecho sobre a mineira Itambé, aquisição que está em processo de arbitragem, a francesa Lactalis tem buscado outros mercados para avançar no País. A multinacional, segunda colocada em lácteos no mercado nacional, quer fortalecer sua marca de queijos e manteigas Président, bastante popular na França, mas que no mercado nacional é vista como um produto “premium”.

André Salles, presidente do grupo Lactalis no País, disse que a companhia quer ampliar as vendas de queijos gourmet no Brasil, replicando o modelo que ele adotou quando ainda estava à frente da Brasil Kirin (vendida para a Heineken). Na cervejeira, Salles contou que fez apostas em marcas especiais, como a cerveja artesanal Eisenbahn, que garantem margens mais altas que os rótulos populares da companhia.

Para popularizar a Président, a Lactalis decidiu produzir alguns de seus produtos em 6 das 14 fábricas da companhia no País. Alguns queijos, como prato, muçarela, provolone, gruyere, gouda, além de requeijão e manteiga, já são produzidos localmente. Outros, contudo, como brie e camembert, por terem denominação de origem controlada, vêm da França.

No ano passado, a múlti faturou R$ 3,6 bilhões no País, que é o sétimo maior mercado da companhia fora da matriz. Nos últimos três anos, a empresa tem investido cerca de R$ 150 milhões por ano na modernização de suas unidades.

A Lactalis entrou no Brasil com a compra do pequeno laticínio paulista Balkis, em 2013. Controladora da italiana Parmalat desde 2011, a múlti tem crescido por meio de aquisições. Em 2014, anunciou duas grandes transações: a compra da divisão de lácteos da BRF, com as marcas Elegê e Batavo, e dos ativos da LBR Lácteos (que comercializava a Parmalat no País), que estava em recuperação judicial e cheia de dívidas.

Para os produtores de leite, a aquisição dos ativos da LBR pela Lactalis trouxe alívio, mas não agregou um ganhos significativos à cadeia. “A reativação das fábricas foi importante”, disse Roberto Jank, vice-presidente da entidade do setor Leite Brasil. Ele pondera, contudo, que os grandes grupos com atuação no País não incentivam a cadeia produtiva. “Há uma esperança no setor de que uma empresa do porte da Lactalis estimule os produtores. No entanto, o Brasil produz leite longa vida do mesmo jeito há 30 anos”, disse.

Uma aposta recente da Lactalis no setor de lácteos – a compra da Itambé, estratégica para as regiões do Norte e Nordeste e o segmento de leite em pó – está enfrentando percalços jurídicos. O anúncio da aquisição foi no fim de 2017 – a Itambé estava nas mãos da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR). Contudo, a múlti enfrenta forte resistência de um dos acionistas: a Vigor, que pertencia à J&F, dos irmãos Batista, e foi vendida meses antes à mexicana Lala.

A Vigor tinha 50% da Itambé em uma joint venture com a CCPR. Pelo acordo de acionistas, caso a Vigor fosse vendida, a CCPR poderia exercer o direito de preferência para comprar os outros 50% do negócio. Foi o que a cooperativa fez no dia 4 de dezembro passado.

No dia seguinte, porém, vendeu toda a companhia à BSA International, holding da Lactalis. A transação foi questionada pela Vigor, que alega descumprimento do acordo de acionistas. Desde o início de julho, um tribunal arbitral foi instaurado para discutir se a operação é ou não legal. Fontes de mercado afirmam que o imbróglio deve durar pelo menos dois anos.

Questionado, Salles não quis falar do tema. Disse apenas que a aquisição foi feita pela BSA. Vigor e CCPR também não se manifestaram.

Enquanto o negócio não tem desfecho, a Lactalis quer ampliar a atuação em novos setores. O executivo não descarta novas aquisições, caso a aquisição da Itambé não siga adiante. Com informações do portal Estadão.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[14/11/2018] - Exportações têm o terceiro maior valor da história
[14/11/2018] - Exportações puxam abates no terceiro trimestre
[14/11/2018] - Funrural leva JBS a prejuízo
[14/11/2018] - Arroba: feriado não puxou preço do boi
[14/11/2018] - Exportação de boi cai com crise na Turquia
[14/11/2018] - Paraná: está mais caro repor o gado
[14/11/2018] - CNA pede que multas por frete sejam suspensas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[14/11/2018] - Carne Fraca ainda preocupa o MAPA
[13/11/2018] - Qual a previsão para a pecuária em 2019?
[13/11/2018] - Frigoríficos crêem em ano bom para eles
[13/11/2018] - STJ manda soltar Joesley Batista
[13/11/2018] - Arroba: prisão de Batista não afetou cotações
[13/11/2018] - Reposição: preços firmes para quem vende
[13/11/2018] - Atacado da carne segue sem definição
[13/11/2018] - Como estão as exportações em novembro?
[13/11/2018] - MAPA começa a fazer a transição
[13/11/2018] - Brasileiros vão à Venezuela combater a aftosa
[12/11/2018] - Justiça solta dois presos da Operação Capitu
[12/11/2018] - Operação começou por gravação com Geller
[12/11/2018] - Arroba: pressão de baixa diminuiu
[12/11/2018] - Carne: varejo segue devagar
[12/11/2018] - Milho sobe, depois de três meses de queda
[12/11/2018] - Tereza Cristina fala sobre o futuro do MAPA
[12/11/2018] - Minerva negocia investimento com árabes
[12/11/2018] - Crise não reduz consumo de carne na Argentina
[12/11/2018] - Mosca-dos-estábulos: como controlar?
[09/11/2018] - PF: Batista pagava para garantir monopólio à JBS
[09/11/2018] - Com Joesley preso, desconfiança volta à JBS
[09/11/2018] - Arroba: confinamento pressiona e o boi cai
[09/11/2018] - Preço do boi firme no RS
[09/11/2018] - Leite: segundo mês de queda para o produtor
[09/11/2018] - Leite: custo de produção tem leve queda
[09/11/2018] - Milho: pressão de baixa pode acabar
[09/11/2018] - Funrural: governo oficializa prazo até 31/12
[09/11/2018] - Tereza: frete não pode esperar até janeiro
[09/11/2018] - Descumprir tabela do frete: multa de R$ 10,5 mil
[08/11/2018] - Arroba: mercado está devagar
[08/11/2018] - CEPEA: alguns frigoríficos pagam mais pelo boi
[08/11/2018] - Consumo de leite segue fraco
[08/11/2018] - Tereza Cristina será a nova titular do MAPA
[08/11/2018] - Nova ministra quer defender a propriedade
[07/11/2018] - Arroba: alta da carne pode puxar o preço do boi
[07/11/2018] - Reposição em alta em Rondônia
[07/11/2018] - Irã e Egito querem importar gado do RS
[07/11/2018] - Bolsonaro: decisão sobre Israel não está tomada
[07/11/2018] - Sergio Moro defende punição contra invasões
[07/11/2018] - Bancada participa da transição de governo
[07/11/2018] - Bancada ruralista sai fortalecida das eleições
[07/11/2018] - Minerva anuncia prejuízo e culpa alta do dólar
[07/11/2018] - Marfrig: margem com carne em alta nos EUA
[06/11/2018] - Arroba: frigoríficos tentam pagar menos pelo boi
[06/11/2018] - Reposição sobe há 18 semanas
[06/11/2018] - CEPEA: lácteos seguem em queda
[06/11/2018] - JBS fecha acordo bilionário para vender carne
[06/11/2018] - Exportações do agro faturaram 10% mais
[06/11/2018] - Retaliação árabe traz apreensão ao mercado
[06/11/2018] - Marfrig reduz prejuízo

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br