Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
146,00 130,00 138,00
GO MT RJ
131,00 133,00 137,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1560,00
Boi Magro 30m 1950,00
Bezerra 12m 990,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1340,00

Atualizado em: 16/2/2018 11:07

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Exigência da UE pode prejudicar setor do leite

 
 
 
Publicado em 02/02/2018

Uma exigência da União Europeia para que produtores brasileiros não usem mais termos como parmesão, gorgonzola e prosecco tem preocupado o setor de queijos e vinhos do país.

Como parte das negociações para um acordo comercial com o Mercosul, a UE solicitou ao Brasil e aos demais países membros o reconhecimento de mais de cerca de 340 indicações geográficas (IGs) registradas no bloco europeu.

As IGs identificam produtos cujo local de produção tenha se tornado conhecido ou quando suas características estão atreladas ao meio geográfico de origem. É o caso da champagne, que só é chamada assim se vier da região de Champagne, na França.

O problema é que algumas denominações reivindicadas como IGs já são amplamente usadas em diversos países e conhecidas por seus consumidores.

Na parte de laticínio, a lista da UE ao Mercosul inclui, por exemplo, variedades especiais de queijos como os franceses brie e camembert, os italianos gorgonzola, provolone e parmesão, o suíço emental e o holandês gouda.

Os termos da UE que forem reconhecidos pelo Mercosul não poderão mais ser usados comercialmente em produtos não procedentes das respectivas regiões da Europa, como aconteceu na transição de "champagne" para "espumante", em 2013.

O parmesão, por exemplo, passaria a ser usado exclusivamente para o queijo parmigiano reggiano, produzido na Itália.

A Abiq (Associação Brasileira da Indústria de Queijos) diz ter encaminhado documento ao Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços) e ao Mapa (Ministério da Agricultura) alegando que vários dos nomes listados pela UE seriam genéricos e estariam no domínio mundial.

"Estados Unidos e Japão já se posicionaram contra exigências desse tipo e disseram que vão continuar usando as nomenclaturas", afirma Fabio Scarcelli, presidente da associação. A Abiqestima que a produção nacional de queijos fechou 2017 em 1,1 milhão de toneladas —7% de queijos especiais.

Luiz Fernando Esteves Martins, presidente do Conil (Conselho Nacional da Indústria de Laticínios) e superintendente da Barbosa & Marques, dona da marca Regina, conta que, em 2011, a UE pleiteou barrar nomes como "Camembert da Normandia", "o que nós aceitamos sem problemas, mas agora a comunidade europeia ficou muito mais restritiva", diz.

Martins prevê que as restrições propostas pela União Europeia poderiam afetar quase todos os fabricantes de queijo no país, exceto aqueles que trabalham com produtos de denominação brasileira, como o queijo da Canastra, original de Minas.

"Quanto a produtores rurais, fornecedores de leite para a indústria, estimo que mais da metade será afetada, pois o queijo absorve quase 40% da produção leiteira do país, mas é nesse setor que se concentram os produtores com menor volume", afirma.

O Mercosul também encaminhou à UE uma lista com 200 indicações geográficas.

"É importante que o produtor brasileiro também se profissionalize, que o país crie suas próprias IGs e consiga exportar para outros mercados, porque embora não tenhamos uma variedade tão grande, temos produtos interessantes que também precisam de alguma proteção lá fora", diz Roberta Arantes, sócia do Daniel Legal & IP Strtegy, escritório especializado em propriedade intelectual.

'TIPO BRIE'

Para tentar driblar restrições, os países costumam usar "artifícios" como acrescentar a palavra "tipo" ("queijo tipo gorgonzola"), o que acontece no Brasil; na Argentina utiliza-se "queijo gorgonzola argentino".

Isso também não seria mais permitido, segundo Martins. "A indústria nacional teria que inventar novas denominações às quais o consumidor não está habituado."

O "jeitinho" é uma prática comum do mercado, mas que pode ser considerada "expressão infratora", segundo Arantes.

"Da mesma forma como tenta dissociar do original, também associa. O produto é feito com matéria-prima nacional e tenta se aproximar do paladar do original, mas não tem exatamente as mesmas características", afirma.

Procurados, o Mapa e a representação da União Europeia em Brasília não se manifestaram. Com informações da Folha.

 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[16/02/2018] - Arroba: preços firmes com alta da carne
[16/02/2018] - Preço do bezerro se recupera
[16/02/2018] - Malásia confirma missão de inspeção ao Brasil
[16/02/2018] - Produtores temem apagão do milho em 2018
[16/02/2018] - CVM abre novo inquérito sobre a JBS
[16/02/2018] - Funrural: deputado quer que Temer prorrogue prazo
[16/02/2018] - Crédito rural começa 2018 com força

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2018] - Arroba: é hora de vender?
[15/02/2018] - Tombo da arroba interrompe reposição no Maranhão
[15/02/2018] - Disputa pelo controle da Itambé continua
[15/02/2018] - Empresa da JBS nos EUA tem alta de 90% no lucro
[15/02/2018] - Briga entre China e EUA pode beneficiar o Brasil?
[14/02/2018] - Arroba: o que esperar desta semana?
[14/02/2018] - Preço da carne despenca no atacado
[14/02/2018] - Reposição: indefinição à espera do boi
[14/02/2018] - China aumenta compras de carne bovina brasileira
[14/02/2018] - Pecuaristas vêem um mercado sob ameaça
[14/02/2018] - Brasil terá mais um grande mercado para a carne
[14/02/2018] - MAPA tenta reabrir outro mercado
[14/02/2018] - Qual a expectativa para o preço do milho?
[09/02/2018] - Arroba do boi reage e começa a subir
[09/02/2018] - Operação Carne Fraca fecha delação premiada
[09/02/2018] - Diretores da JBS são recebidos em Brasília
[09/02/2018] - Senado promete acelerar vetos do Funrural
[09/02/2018] - Brasil deve produzir menos milho em 2018
[09/02/2018] - Processo por naufrágio com bois é encerrado
[09/02/2018] - Vigiagro impede entrada de praga no Brasil
[08/02/2018] - Arroba: leve alta antes do Carnaval
[08/02/2018] - CEPEA: exportações de carne seguem fortes
[08/02/2018] - Produtores temem novos bloqueios às exportações
[08/02/2018] - Exportações de gado começam o ano aquecidas
[08/02/2018] - Raiva bovina: surto no interior de SP
[08/02/2018] - JBS: bancos voltam a negociar dívida
[08/02/2018] - Quadrilha lucrou R$ 400 mil com roubo de gado
[07/02/2018] - Arroba: em ritmo de Carnaval?
[07/02/2018] - A reposição está cara?
[07/02/2018] - Analista prevê melhora para a pecuária
[07/02/2018] - Preço do milho tem pequena recuperação
[07/02/2018] - CNA vai à Justiça contra bloqueio de bens
[07/02/2018] - Frente trabalha para derrubar vetos ao Funrural
[06/02/2018] - Especulação tomou conta do mercado do boi
[06/02/2018] - Tribunal libera exportação de gado em todo o País
[06/02/2018] - Brasil exporta 600 mil bois por ano
[06/02/2018] - JBS anuncia aumento de abates em unidade do MT
[06/02/2018] - Minerva estuda reabrir outra unidade
[06/02/2018] - Produção de leite pode subir sem gastar mais
[06/02/2018] - Pecuarista está pagando para tirar leite
[06/02/2018] - Prazo para parcelar o Funrural está acabando
[06/02/2018] - Funrural: o que fazer agora?
[05/02/2018] - Arroba: frigoríficos em situação confortável
[05/02/2018] - Reposição travou no MS
[05/02/2018] - Leite: preços vão subir?
[05/02/2018] - Tribunal derruba proibição da exportação de bois
[05/02/2018] - Pecuaristas defendem a exportação de gado
[05/02/2018] - Mais um roubo de gado de elite
[05/02/2018] - Milho subiu entre dezembro e janeiro no MS
[05/02/2018] - CEPEA: preço do milho sob pressão

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br