Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
139,00 131,00 134,00
GO MT RJ
131,00 129,00 134,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1190,00
Garrote 18m 1420,00
Boi Magro 30m 1700,00
Bezerra 12m 890,00
Novilha 18m 1120,00
Vaca Boiadeira 1340,00

Atualizado em: 20/10/2017 10:36

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

UE oferece cota baixa para carne do Mercosul

 
 
 
Publicado em 04/10/2017

A nova proposta agrícola da União Europeia ao Mercosul, com cotas para acesso ao mercado comunitário sem a cobrança de tarifas de importação, foi tão delicada do ponto de vista política que envolveu consultas diretas a duas das mais importantes lideranças do bloco. Os negociadores de Bruxelas só colocaram a oferta na mesa, por volta do meio-dia de ontem, após consultas diretas ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e da França, Emmanuel Macron, conforme apurou o Valor com fontes bastante próximas às discussões.

A formalização da proposta evita um impasse maior na rodada de negociações que ocorre em Brasília, até sexta-feira, mas ainda não parece suficiente para garantir um desfecho positivo. Representantes do Mercosul evitam fazer uma análise sobre a oferta e ainda ressaltam a baixa ambição dos europeus com o acordo. Por ano, as cotas sugeridas são de 600 mil toneladas para etanol e 70 mil toneladas para carne bovina provenientes de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Trata-se de volumes inferiores aos apresentados pela UE em 2004, quando os dois blocos estiveram perto de um tratado de livre comércio.

Agora, um dilema começa a surgir nas entidades empresariais e já reverbera no governo: levar adiante uma negociação que dificilmente contemplará grandes níveis de liberalização comercial ou encerrar o diálogo.

Apesar das dificuldades levantadas pela UE, que entregou uma oferta muito abaixo das pretensões do Mercosul, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) acredita que a continuidade das negociações é a atitude mais recomendável. Para o diretor de desenvolvimento industrial da entidade, Carlos Abijaodi, ainda é factível obter melhorias na oferta europeia na reta final das discussões. "O acordo é muito importante de sair", enfatiza.

Em um almoço na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), com negociadores do Mercosul e da UE, vários representantes do setor privado chegaram a uma avaliação parecida: se as tentativas de um acordo forem sepultadas neste momento, os europeus dificilmente voltarão à mesa de negociações nos próximos anos.

Enquanto isso, o temor é de perda de mercado e do avanço de outros parceiros na UE, que tem diversas frentes de discussões. Bruxelas anunciou recentemente o fechamento de acordos com o Canadá e com o Japão. Além disso, negocia a revisão do tratado de livre comércio com o México e tem um diálogo correndo com a Austrália e a Nova Zelândia. Um acordo transatlântico, com os Estados Unidos, foi engavetado após a chegada de Donald Trump à Casa Branca. Mas pode voltar à cena em uma eventual volta dos democratas ao poder nos EUA.

Uma possibilidade, a ser apreciada pelos negociadores sul-americanos, é "desidratar" também a oferta do Mercosul. A UE tem inúmeros pleitos de abertura, que vão do setor de serviços (advocacia e construção), até compras públicas. Também são demandantes em propriedade intelectual e indicações geográficas.

Enquanto isso, a oferta agrícola da UE é crucial para algum sucesso das negociações com o Mercosul, cujas autoridades não aceitam conversar em outros termos a não ser em cotas anuais de 150 mil toneladas para carne bovina e 600 mil toneladas apenas para o etanol usado como combustível - e livre comércio para o etanol industrial, segundo explica fonte ligada às negociações.

Ontem, no segundo dia da nova rodada de negociações em Brasília, entidades de classe do agronegócio brasileiro consideraram que as cotas divulgadas informalmente até agora para os dois produtos produzidos pelos sul-americanos são "pífias". E pretendem cobrar um avanço nesses valores, em almoço hoje com negociadores dos dois blocos, oferecido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). "A oferta agrícola da UE tem que melhorar, não faz sentido ter um acordo que está sendo negociado há 17 anos com uma oferta agrícola pífia", diz Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[20/10/2017] - Pecuarista do MS fica sem ter para quem vender
[20/10/2017] - JBS já vinha reduzindo abates no MS
[20/10/2017] - Disputa pode ter consequências graves para a JBS
[20/10/2017] - Agência reduz nota de crédito da JBS
[20/10/2017] - Arroba: frigoríficos aproveitam ação da JBS
[20/10/2017] - Missão do MAPA ao Uruguai já tem data fechada
[20/10/2017] - Agro demitiu mais que contratou em setembro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/10/2017] - MAPA está menos pessimista com a pecuária
[19/10/2017] - Saída da JBS trava mercado do boi no MS
[19/10/2017] - Pecuaristas não aceitam tombo da arroba no MS
[19/10/2017] - CPI: ação da JBS é estratégia do medo
[19/10/2017] - Protesto de funcionários da JBS reúne 4 mil no MS
[19/10/2017] - Com parada da JBS, pecuaristas pedem ICMS menor
[19/10/2017] - Justiça suspende bloqueio de bens dos Batista
[19/10/2017] - Arroba: parada da JBS afeta mercado do boi em SP
[19/10/2017] - Incerteza trava o mercado do boi
[19/10/2017] - Cade: venda do Mataboi deve ser anulada em 1 mês
[19/10/2017] - Marfrig reinicia abates em mais uma unidade
[19/10/2017] - Exportação de boi tem queda de quase 70%
[19/10/2017] - Leite cada vez mais caro para produzir
[19/10/2017] - Queda do leite deixa produtores com dívidas
[19/10/2017] - Produtores e índios querem trabalhar. E a Funai?
[19/10/2017] - Juízes e fiscais se recusam a aplicar nova lei
[18/10/2017] - JBS suspende abates em todas as unidades do MS
[18/10/2017] - Cade rejeita compra do Mataboi por Júnior Friboi
[18/10/2017] - BNDES pagou caro por ações da JBS, diz TCU
[18/10/2017] - Arroba: mercado do boi está devagar
[18/10/2017] - Polpa cítrica está mais cara
[18/10/2017] - Cade em alerta por concentração em insumos
[17/10/2017] - A verdade sobre a portaria do trabalho escravo
[17/10/2017] - Funcionários da JBS temem demissões em massa
[17/10/2017] - JBS disse que quer vender ações nos EUA em 2018
[17/10/2017] - CVM abre processo contra diretor da JBS
[17/10/2017] - Exportações de carne bovina sinalizam recorde
[17/10/2017] - UE: França vai usar Carne Fraca para barrar acordo
[17/10/2017] - Arroba: mercado trava com ofertas baixas
[17/10/2017] - Reposição sofre com a seca e indefinição da arroba
[17/10/2017] - Maggi: bloqueio ao leite uruguaio é temporário
[17/10/2017] - Produtores pedem maior atenção à pecuária de leite
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br