Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
139,00 131,00 134,00
GO MT RJ
131,00 129,00 134,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1190,00
Garrote 18m 1420,00
Boi Magro 30m 1700,00
Bezerra 12m 890,00
Novilha 18m 1120,00
Vaca Boiadeira 1340,00

Atualizado em: 20/10/2017 10:36

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Pecuaristas poderão arrendar terras indígenas

 
 
 
Publicado em 04/10/2017

O presidente da República, Michel Temer, deve publicar uma Medida Provisória até a próxima segunda-feira, dia 9, para regulamentar o arrendamento de áreas dentro de terras indígenas por agricultores e pecuaristas. A promessa foi feita a parlamentares da bancada ruralista em reunião realizada no início da noite desta terça-feira, dia 3, no Palácio do Planalto. A informação foi confirmada por deputados presentes ao encontro, que também contou com a participação do ministro da Justiça, Torquato Jardim.

Atualmente, a exploração de terras indígenas por terceiros para produção agrícola e pecuária não é regulamentada por lei. Portanto, é ilegal, segundo o consultor jurídico da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Rudy Ferraz. Há, no Congresso Nacional, ao menos dois projetos de lei que tentam regulamentar essa prática. A PEC 215, entre outros pontos, também garante a legalidade dessa prática. A bancada ruralista deve articular a inclusão na pauta do Plenário da Câmara dos Deputados, onde precisa ser votada duas vezes antes de ir para o Senado Federal.

A Medida Provisória para as parcerias agropecuárias entre produtores e indígenas deve seguir o padrão das regras já existente para exploração mineral, por exemplo. Os índios receberão royalties e pagamentos pela cessão da terra. Um ponto importante destacado pelos parlamentares que articulam a proposta junto ao governo é que os plantios ou criações de animais se darão apenas em terras já tituladas pela Funai e nas áreas consolidadas, para que não haja nenhum desmatamento.

Segundo o deputado Luis Carlos Heinze (PP/RS), que participou da reunião com Temer, o arrendamento de terras indígenas é comum em vários estados do país hoje em dia. No Rio Grande do Sul, são 40 mil hectares já explorados. Em Santa Catarina, mais 5 mil hectares. Ele defende a legalização e a regulamentação dessas parcerias para dar segurança jurídica aos produtores e também garantir renda e lucro para toda a tribo.

Heinze afirmou que já denunciou diversos arrendamentos irregulares no Rio Grande do Sul onde apenas o cacique e poucos índios ficavam com o dinheiro. Ele garante que essa é uma demanda dos próprios índios. Para ele, a medida é necessária para que índios e ‘brancos’ possam firmar contratos para fazer a exploração das terras. “Uma regra para o Brasil inteiro. O branco vai poder plantar com tranquilidade, porque tem um contrato como com qualquer um, e o índio vai poder ter renda pra ele, para beneficiar toda a comunidade indígena. Que fique bem claro que seja para toda tribo e não só para alguns índios. Índios vão ter receita regular, com toda transparência”.

Mais cedo nesta terça-feira, Heinze e o deputado Valdir Colatto (PMDB/SC) já haviam se reunido com o presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, para tratar das parcerias e arrendamento de terras já demarcadas.

Para Colatto, a Medida Provisória vai garantir segurança para o plantio imediato da safra de grãos começar em SC e RS. Mas só a votação da PEC 215 é que trará solução definitiva para a questão indígena. “Se não sair agora, estão impedidos de plantar. É importante, porque os índios hoje não têm o que comer. O governo não tem dinheiro pra sustentar um milhão de indígenas. A PEC 215 acolhe as 19 condicionantes do julgamento do caso Raposa Serra do Sol, autorizando e regulamentando as condições para produção e distribuição dos royalties de hidrelétricas, minerais, agricultura. É a verdadeira emancipação da cidadania indígena. Fomos pedir apoio. Antes não andou porque o governo anterior era contra”.

Mais tema indígena

Os pedidos da bancada ruralista ao presidente da República, Michel Temer, se concentraram na resolução dos problemas com os povos indígenas. Além da regulamentação das parcerias entre agricultores e índios, os parlamentares cobraram o cumprimento e a efetividade do parecer vinculante da Advocacia-Geral da União (AGU), documento assinado em julho que determina o marco legal de outubro de 1988 para a demarcação de terras indígenas.

Segundo os deputados, a cobrança foi feita ao ministro da Justiça, Torquato Jardim. Uma das críticas é que, em ações julgadas no Supremo Tribunal Federal, procuradoras da República que defendem a Funai, contrariam o parecer da AGU e apoiam demarcações fora dessas regras.  Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[20/10/2017] - Pecuarista do MS fica sem ter para quem vender
[20/10/2017] - JBS já vinha reduzindo abates no MS
[20/10/2017] - Disputa pode ter consequências graves para a JBS
[20/10/2017] - Agência reduz nota de crédito da JBS
[20/10/2017] - Arroba: frigoríficos aproveitam ação da JBS
[20/10/2017] - Missão do MAPA ao Uruguai já tem data fechada
[20/10/2017] - Agro demitiu mais que contratou em setembro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/10/2017] - MAPA está menos pessimista com a pecuária
[19/10/2017] - Saída da JBS trava mercado do boi no MS
[19/10/2017] - Pecuaristas não aceitam tombo da arroba no MS
[19/10/2017] - CPI: ação da JBS é estratégia do medo
[19/10/2017] - Protesto de funcionários da JBS reúne 4 mil no MS
[19/10/2017] - Com parada da JBS, pecuaristas pedem ICMS menor
[19/10/2017] - Justiça suspende bloqueio de bens dos Batista
[19/10/2017] - Arroba: parada da JBS afeta mercado do boi em SP
[19/10/2017] - Incerteza trava o mercado do boi
[19/10/2017] - Cade: venda do Mataboi deve ser anulada em 1 mês
[19/10/2017] - Marfrig reinicia abates em mais uma unidade
[19/10/2017] - Exportação de boi tem queda de quase 70%
[19/10/2017] - Leite cada vez mais caro para produzir
[19/10/2017] - Queda do leite deixa produtores com dívidas
[19/10/2017] - Produtores e índios querem trabalhar. E a Funai?
[19/10/2017] - Juízes e fiscais se recusam a aplicar nova lei
[18/10/2017] - JBS suspende abates em todas as unidades do MS
[18/10/2017] - Cade rejeita compra do Mataboi por Júnior Friboi
[18/10/2017] - BNDES pagou caro por ações da JBS, diz TCU
[18/10/2017] - Arroba: mercado do boi está devagar
[18/10/2017] - Polpa cítrica está mais cara
[18/10/2017] - Cade em alerta por concentração em insumos
[17/10/2017] - A verdade sobre a portaria do trabalho escravo
[17/10/2017] - Funcionários da JBS temem demissões em massa
[17/10/2017] - JBS disse que quer vender ações nos EUA em 2018
[17/10/2017] - CVM abre processo contra diretor da JBS
[17/10/2017] - Exportações de carne bovina sinalizam recorde
[17/10/2017] - UE: França vai usar Carne Fraca para barrar acordo
[17/10/2017] - Arroba: mercado trava com ofertas baixas
[17/10/2017] - Reposição sofre com a seca e indefinição da arroba
[17/10/2017] - Maggi: bloqueio ao leite uruguaio é temporário
[17/10/2017] - Produtores pedem maior atenção à pecuária de leite
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br