Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
134,00 121,00 127,00
GO MT RJ
125,00 117,00 128,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1110,00
Garrote 18m 1300,00
Boi Magro 30m 1640,00
Bezerra 12m 840,00
Novilha 18m 1070,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 18/8/2017 11:17

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O ótimo momento da bancada ruralista

 
 
 
Publicado em 11/08/2017

"O setor econômico percebe um outro ar." Logo após deixar o prédio da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), na avenida Paulista, o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), explica que o respiro mais aliviado do mercado é evidente e consensual nos setores agrário e industrial.

"Não está um pouquinho melhor. Está muito melhor. Estamos com a inflação em menos da metade do que estava havia um ano. Estamos com juros de um dígito. Os Estados produtores sentiram isso de forma muito forte. É um novo momento." Em hipótese alguma a melhora é radical, ele admite. "Mas avançou muito. Os números hoje da economia são infinitamente melhores do que eram havia um ano. Então é claro que isso pesa, sem dúvida nenhuma", analisa o parlamentar, que havia acabado de participar de uma reunião do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp.

No comando da hoje considerada uma das mais poderosas bancadas do Congresso, a frente do agronegócio - ou bancada ruralista -, e também uma das principais fiadoras da sustentação de Temer no governo, Leitão tem acesso fácil ao Palácio do Planalto. A Frente Parlamentar Agropecuária conta hoje com 200 deputados e 24 senadores inscritos, de diferentes correntes partidárias. Em votações relevantes, geralmente a bancada levanta cerca de 140 a 160 votos fechados. No dia seguinte à reunião com a Fiesp, o parlamentar, do Mato Grosso, já estava em Brasília.

A frente parlamentar do agronegócio "recebeu" Temer e seu séquito - o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), e o ministro da Secretaria do Governo, Antonio Imbassahy (PSDB), que cuida das articulações com o Congresso e liberações de emendas para parlamentares - para um almoço, encontro tradicional da bancada todo início de semana.

O movimento do presidente de ir até a bancada ruralista um dia antes da votação da denúncia contra ele no Congresso - ser recebido pelos parlamentares, e não recebê-los - é um evidente sinal da força dos ruralistas para pautar a agenda do Congresso. 

De fato, a bancada ruralista "já levou" muitas desde a posse de Temer. Logo no início do mandato do peemedebista, a Casa Civil suspendeu 13 processos de demarcações de terras indígenas que estavam prontos, apenas aguardando homologação presidencial. O Ministério da Justiça, que posteriormente seria comandado pelo deputado Osmar Serraglio (PMDB-RS), da bancada ruralista, também sustou outros seis processos de demarcação. Temer endossou meses depois um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) que proíbe reconhecer como área indígena qualquer reserva que tenha se formado depois da Constituição de 1988, um entendimento que já tinha sido firmado pelo STF no caso da Raposa Serra do Sol.

Mimo presidencial

Os ruralistas foram agraciados com outro mimo presidencial: conseguiram negociar dívidas da previdência rural por meio de uma medida provisória sobre o Funrural. O Supremo decidiu, em março, que a cobrança da previdência rural de pessoas físicas era constitucional. Sob pressão, Temer editou a medida que reduziu a alíquota de contribuição e permitiu o pagamento de débitos em até 176 vezes. E o Congresso ainda pode amenizar ainda mais as regras, ao votar a medida provisória e modificá-la num projeto de conversão.

"Não tem como tratar isso como troca de favores", afirma Leitão. Segundo ele, "desde o primeiro dia" do mandato presidencial de Temer, a Frente Parlamentar da Agropecuária entregou uma pauta com os assuntos de interesse da bancada. "São temas que estavam na gaveta havia 30, 20 anos. Fizemos uma cronologia disso no início do mandato do Temer. E vem acontecendo normalmente. Não é algo que aconteceu nesta semana ou a partir da denúncia. É o que vinha acontecendo havia muito tempo, com várias reuniões [com o governo]. Algumas dessas ações entraram e saíram, e outras estão aí no forno para poder entrar. Mas nenhuma se iniciou com a denúncia, é muito claro isso", diz o deputado ruralista.

Outra vitória da bancada ruralista foi a Medida Provisória 759, que tratou da regularização fundiária. 

O presidente da FPA rebate as críticas. "Quem mora no Norte e Nordeste do país sabe o problema que é, você está há 40 anos na área, produz e não tem título, morre e não pode deixar de herança para seu filho. Não entendo como esses setores podem querer criticar a titularização de terra no Brasil. E quem está na favela? Ele invadiu há 50 anos, é a casa dele, não vai sair mais de lá. Não pode ter o título daquela propriedade? Ou vai passar de neto para bisneto morando em área ilegal?", argumenta Leitão.

Na boca do forno

A pauta da bancada ruralista está em alta e, como diz o próprio presidente da frente do agronegócio, há muitos projetos e medidas "na boca do forno" para serem aprovados, como quer o setor. Um caso iminente é o polêmico marco regulatório do licenciamento ambiental, a próxima batalha. O Projeto de Lei 3.729 tramita no Congresso desde 2004 e já houve inúmeras alterações (substitutivos) diante da polêmica do tema e falta de consenso. O relator é o deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), também da bancada ruralista.

Pereira está otimista com a aprovação do projeto e afirma que a relação com o atual governo não poderia ser melhor. "Eu falo com o presidente Temer todos os dias. Tenho autorização para isso. É um governo parlamentarista. Então isso é muito bom." O Brasil, segundo Pereira, é respeitado no mundo por sua produção de alimentos. Ele acrescenta que, no cenário de atual recessão econômica, quem impede o naufrágio e assegura algum crescimento do PIB é o agronegócio. "Então todos [no Congresso e no governo] tratam o agronegócio com a palma da mão", afirma.

"Estamos aí com 13 milhões de desempregados. Quem vai gerar emprego para esse povo é a iniciativa privada. Não é o presidente Temer, não. Todo mundo trata muito bem o povo do agronegócio. Todos. E o presidente Temer, nem se fala, porque Temer é uma pessoa muito educada, é um gentleman, uma pessoa fantástica. Isso aí é bem natural", afirma o relator do projeto de licenciamento ambiental. Segundo ele, após inúmeros debates, chegou-se a um consenso sobre o tema. "Esse projeto já está pronto para ser votado. Depois de 12 anos, e de um ano sob minha relatoria, existe um consenso total."

Em nota, o Ministério do Meio Ambiente afirmou que "o texto desenvolvido sob coordenação do MMA está próximo de um consenso técnico e político". Esse debate com os parlamentares, acrescentou o ministério, "será concluído o mais breve possível, com o cuidado de evitar açodamentos que possam resultar em retrocessos ambientais". O objetivo do projeto, explicou o ministério, na nota, "é elaborar uma lei que balize o licenciamento ambiental no país, assegurando eficácia e consistência técnica". "O licenciamento é uma das principais ferramentas da Política Nacional do Meio Ambiente e necessita de uma base legal adequada."

Com seu pragmatismo ímpar, Leitão admite, ainda, que há outra polêmica sobre "uma tal de área de relevância". E explica, didaticamente: "Você é dono de uma propriedade rural, produz mamão papaia. Descobriu que lá tem um passarinho do peito azul e bico amarelo que é uma raridade. Aí o Ibama tem todo o direito, de acordo com a proposta deles, de ir lá e cercar aquela propriedade como área de preservação e relevância. Mas a responsabilidade é sua, como produtor, de não deixar o passarinho morrer. O que não concordamos: isso não pode ser feito sem estudo. O Brasil tem que parar de fazer lei sem estudo".

Se depender da bancada ruralista, qualquer menção sobre área de relevância deve passar longe do marco regulatório do licenciamento. "Tem que gastar dinheiro com tecnologia e fazer um plano diretor das áreas de preservação que precisam ser renovadas ou instaladas, e áreas de relevância. Com estudo técnico. Não pode é dizer: olha, apareceu um passarinho então vou criar uma área ali. E o proprietário, como é que faz? E o planejamento da vida dele?", diz Leitão.

Há ainda dois temas que os ruralistas querem mexer até o fim do ano: autorizar a venda de terras brasileiras a estrangeiros e também mudar regras referentes ao uso de agrotóxicos no país. Terras estrangeiras é um assunto que só deve começar a ser debatido no mês que vem, diz Leitão. "No meio do caminho", há ainda mais pólvora: as medidas provisórias, a 756 e a 758, que tratavam de novas reservas de preservação ambientais. Essas duas MPs, que tratavam de alterações em áreas ambientalmente protegidas no Norte do país, foram integralmente vetadas por Temer, um dia antes de o presidente embarcar para uma viagem pela Europa. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[18/08/2017] - Arroba: aumenta espaço para mais alta
[18/08/2017] - Mercado do boi tem reação no Mato Grosso
[18/08/2017] - Reposição tem a maior alta do ano
[18/08/2017] - Ladrões roubam mais de 100 bezerros em fazenda
[18/08/2017] - Pecuarista tem 26 bois mortos por onças no MT
[18/08/2017] - China abre investigação sobre o frango brasileiro
[18/08/2017] - Associação de frigoríficos nega dumping

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[17/08/2017] - Arroba: frigoríficos já pagam acima da referência
[17/08/2017] - CEPEA: arroba em alta em todo o país
[17/08/2017] - Para o Minerva, o pior já passou no mercado
[17/08/2017] - Brasil exporta mais gado em pé em 2017
[17/08/2017] - Onde o pecuarista foi mais afetado pela crise?
[17/08/2017] - Fundador do Marfrig confessa ter pago propina
[17/08/2017] - Grupo da família Bertin pede recuperação judicial
[17/08/2017] - JBS confessa não ter feito investimentos acordados
[17/08/2017] - Preço do leite cai. Quedas vão continuar?
[17/08/2017] - RS aprova terceirização da inspeção veterinária
[17/08/2017] - Sem espaço em silo, milho é estocado a céu aberto
[17/08/2017] - Governo desiste de taxar LCA
[16/08/2017] - Arroba: cenário é de alta cada vez mais forte
[16/08/2017] - MS confirma foco de raiva em três cidades
[16/08/2017] - TCU: JBS não comprovou uso de R$ 3bi do BNDES
[16/08/2017] - JBS: motivos para comemorar nos EUA
[16/08/2017] - MAPA prevê recuo de mais de 6% no PIB da Pecuária
[16/08/2017] - STF volta a decidir sobre outro conflito rural
[15/08/2017] - Arroba: oferta curta e novas altas
[15/08/2017] - Como aproveitar a alta do boi?
[15/08/2017] - Confinamento será mesmo menor em 2017
[15/08/2017] - Exportações de carne bovina seguem em ritmo forte
[15/08/2017] - Boi sobe, mas não anima a reposição no Pará
[15/08/2017] - JBS tem lucro apesar de toda a tempestade
[15/08/2017] - BNDES quer que o próprio JBS processe os Batista
[15/08/2017] - Marfrig elevará abates em 80%
[15/08/2017] - Minerva fecha trimestre com forte crescimento
[15/08/2017] - Iagro confirma surto de raiva em MS
[14/08/2017] - Arroba do boi segue subindo
[14/08/2017] - Arroba em alta puxa mercado de reposição
[14/08/2017] - Carne sobe no atacado pela segunda semana
[14/08/2017] - MS: pecuaristas querem formar cooperativa da carne
[14/08/2017] - Maggi confirma missão dos EUA ainda em agosto
[14/08/2017] - Multas menores a frigoríficos voltam a valer
[14/08/2017] - Dona da JBS espera concluir desmonte até outubro
[14/08/2017] - Maggi confirma mudanças na vacina contra aftosa
[14/08/2017] - MAPA publica edital de contratação de temporários
[14/08/2017] - Começa hoje prazo para entrega do ITR
[11/08/2017] - Arroba segue com força na alta
[11/08/2017] - Marfrig anuncia a reabertura de mais uma unidade
[11/08/2017] - Silagem causou morte de mais de mil bois no MS
[11/08/2017] - BRF tem prejuízo de R$ 167 mi com Carne Fraca
[11/08/2017] - Dona da JBS injeta quase meio bilhão em banco
[11/08/2017] - Funcionários estão envolvidos em 80% dos roubos
[11/08/2017] - O ótimo momento da bancada ruralista
[10/08/2017] - Arroba segue em alta firme
[10/08/2017] - CEPEA: frigoríficos já têm dificuldade em comprar
[10/08/2017] - Multa maior a frigoríficos não será mais votada
[10/08/2017] - JBS: CVM vê indícios de irregularidade em operação
[10/08/2017] - Presidente de CPI teve campanha paga pela JBS

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br