Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
147,00 131,00 142,00
GO MT RJ
140,00 134,00 139,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1300,00
Garrote 18m 1570,00
Boi Magro 30m 1970,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1180,00
Vaca Boiadeira 1330,00

Atualizado em: 18/1/2018 12:21

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Confinamento menor deve ajudar a saída da crise

 
 
 
Publicado em 17/07/2017

A redução do confinamento bovino deve “enxugar” a oferta de carne no mercado, assim como um possível aumento na exportação de carne também provocaria uma redução na oferta interna. Essa é a opinião do presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), Alberto Pessina, a respeito dos benefícios primários relacionados à diminuição do confinamento como solução paliativa para a atual crise no setor pecuário brasileiro.

Com o cenário desgastado nos últimos 18 meses, que vão desde a fragilidade da demanda interna, a desvalorização do real no final de 2016, o encarecimento dos insumos, ao aumento da oferta, à Operação Carne Fraca, à volta da cobrança do Funrural, à delação dos executivos da JBS, até a recente suspensão das importações de carne in natura pelos Estados Unidos, a pecuária nacional se viu “atolada em uma avalanche de problemas”, enumera o executivo, em entrevista à equipe da SNA/SP.

Segundo Pessina, além disso, com escalas de abate relativamente longas em todo o país, especialmente considerando os frigoríficos de menor porte, não há no horizonte uma perspectiva de redução na oferta, que possa aliviar a pressão nos preços.

De acordo com ele, é preciso entender que a demanda tem um peso maior na formação de preços do que a oferta: “Se considerarmos o cenário atual, também estamos tendo uma pressão de queda na demanda (por carne bovina), principalmente no mercado interno. Por este motivo, uma redução de oferta em um cenário de retração de demanda, possibilita uma menor reação nos preços do que um cenário com forte demanda”.

PRESSÃO DOS PREÇOS DO BOI GORDO

Para Pessina, a pressão dos preços do boi gordo impacta diretamente na margem de lucro do pecuarista, pois representa 100% da receita da engorda. Isso é diferente de uma redução nos custos da ração, que impactam apenas 25% da margem, ou de uma redução dos preços no boi margo, que tem um impacto de 60%.

“Por esse motivo, a queda nos preços das vendas é muito mais impactante na margem de lucro do produtor do que uma queda no preço dos insumos”, enfatiza o executivo, acrescentando que o governo federal precisa, urgentemente, tomar medidas para socorrer a produção e aliviar as pressões nos produtores, “que há dois anos já vêm sofrendo os efeitos da queda na demanda e do aumento nos custos”.

“Cerceado no mercado internacional por barreiras não alfandegárias, com dificuldades de credibilidade do elo industrial, acrescido da redução do poder de compra da população, a cadeia produtiva da carne entrou em desequilíbrio, com oferta maior do que a demanda”, afirma o diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) Alberto Werneck de Figueiredo, secretário Municipal de Agricultura de Resende (RJ).

Segundo ele, como o boi não é uma mercadoria que possa ser deixada na prateleira indefinidamente - porque tem momento certo para o abate econômico - a retração nos valores de comercialização do boi gordo faz com que os criadores precisem parar de repor os respectivos estoques de bezerros, provocando nos produtores dos respectivos bezerros também um represamento, cuja solução única é o abate de matrizes.

“Esse abate amplia a oferta de animais no mercado já combalido, agravando ainda mais a crise”, diz Figueiredo.

Diretor da Federação de Agricultura do Mato Grosso (Famato) e presidente do Sindicato Rural de Juína, em Mato Grosso, José Lino Rodrigues destaca que, na categoria dos machos, cerca de 60% dos animais estão represados na região, mas nas fêmeas, esse percentual é superior.

“Não temos para quem vender. Em Mato Grosso do Sul, há uma grande concentração da JBS e poucos têm coragem de entregar no prazo. Os animais estão passando de 22 arrobas e começamos a ser remunerados com preço de vaca. Alguns produtores estão vendendo animais de 17 arrobas para terminar no confinamento, mas as opções são restritas”, relata Rodrigues.

OUTRAS SOLUÇÕES

O presidente do Conselho de Administração da Assocon acredita que o problema de concentração de plantas frigoríficas pode ser aliviado com a facilitação das negociações entre os Estados brasileiros, tendendo a melhorar a utilização da capacidade instalada no país, e ainda aliviaria as regiões produtoras com altas concentrações.

Na opinião de Pessina, o problema da demanda fraca por carne é uma questão mais complicada, no entanto, algumas medidas podem ser tomadas para aliviar esse problema, como facilitar e incentivar as exportações.

“O mercado externo está se recuperando e, provavelmente, demandará mais carnes e alimentos. Assim, o governo (brasileiro) poderia gerar incentivos para que as agroindústrias de médio e pequeno porte pudessem voltar a exportar e recuperar uma parte desse mercado”, sugere o executivo, acrescentando que as linhas de crédito para exportação poderiam ser facilitadas às empresas, voltando a incentivar a entrada delas no mercado internacional.

Outra medida, conforme Pessina, seria a redução de impostos, aliviando as margens “para que o produtor volte a ter resultado positivo, ou a melhora dos preços ao consumidor final, principalmente no mercado interno”.

“O governo (brasileiro) poderia gerar incentivos para que as agroindústrias de médio e pequeno porte pudessem voltar a exportar e recuperar uma parte desse mercado”, sugere Alberto Pessina, presidente do Conselho de Administracao da Assocon. Foto: Divulgação

INFLUÊNCIA EXTERNA

O diretor da SNA Alberto Figueiredo lembra que o comércio internacional é regido por acordos comerciais, que são firmados em locais próprios, em função dos países envolvidos: “No entanto, o aumento de oferta de qualquer produto, por parte de qualquer país, implica na ocupação de uma fatia nova de mercado que, originalmente, era ocupada por outro país. É natural que os prejudicados lutem para não perder suas conquistas”.

Segundo o executivo, quando isso ocorre, “abre-se uma verdadeira guerra entre os envolvidos, muitas delas decididas anos depois em tribunais internacionais”. “Os países que se sentem prejudicados, cientes dos limites legais de interposição de barreiras, normalmente alfandegárias, por meio da instituição de impostos de importação, acabam se valendo de artifícios para inibir a concorrência”, avalia.

“Criam-se, assim, as barreiras não alfandegárias, que são normalmente baseadas em padrões de qualidade, uma vez que esses são sujeitos a interpretações, e, assim, com critérios subjetivos”, ressalta Figueiredo.

RECUPERAÇÃO DO SETOR

Na avaliação do presidente do Conselho de Administração da Assocon, a recuperação da pecuária pode acontecer em médio prazo associada à recuperação da economia brasileira. “O que precisamos entender é que a demanda é o principal fator que influencia a formação dos preços e margens. Como hoje nossas vendas estão 80% atreladas ao mercado interno, não há como não sentir uma crise econômica dessa magnitude”, reforça Pessina.

Segundo o executivo, isso deve servir de lição para que a cadeia passe a se preocupar com a criação de novos mercados e com a ampliação da venda nos mercados já existentes.

“Para isso, será necessário um amadurecimento tanto do produtor quanto da indústria, pois a entrada em novos mercados exigirá maiores controles e protocolos visando atender as maiores exigências desses mercados”, analisa.

Na visão de Pessina, “temos de entender que somente o trabalho em conjunto da cadeia permitirá a resposta rápida a essas exigências”.

“Problemas como o de abcessos nos Estados Unidos (relacionados a vestígios de vacina contra febre aftosa encontrados na carne exportada pelo Brasil para o mercado norte-americano) serão cada vez mais comuns. E eles não serão resolvidos nos frigoríficos e, sim, por meio de um trabalho conjunto entre os fornecedores de insumos e os produtores”, observa.

“O setor industrial de carnes sempre foi o ponto fraco da cadeia produtiva no Brasil, inibindo, por décadas, o desenvolvimento da nossa pecuária”, critica o diretor da SNA Alberto Figueiredo. Foto: Arquivo SNA

Na opinião do diretor da SNA, o escândalo da Operação Carne Fraca, deflagrada em 17 de março passado pela Polícia Federal, pode ter sido “plantado e propositalmente exacerbado”, para prejudicar a imagem do Brasil no mercado internacional de carnes, “uma vez que nosso país começou a conquistar mercados que, até então, eram cativos de outros grandes países”.

Para Figueiredo, “o governo brasileiro reagiu de forma infantil a essa provocação e acabou confessando que os problemas existiram efetivamente, quando, na realidade, os poucos desvios de conduta, que não são privilégios nossos, não representavam quaisquer riscos ao processo de exportação, pelo tipo de eventuais infrações e pelo número de estabelecimentos envolvidos”.

“Por outro lado, o setor industrial de carnes sempre foi o ponto fraco da cadeia produtiva no Brasil, inibindo, por décadas, o desenvolvimento da nossa pecuária”, critica o diretor da SNA. Com informações da SNA.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[18/12/2017] - Boletim Notícias da Pecuária em férias coletivas
[15/12/2017] - Arroba: frigoríficos correm atrás de boi
[15/12/2017] - Carne sobe e está no maior preço do ano
[15/12/2017] - Exportações de carne podem bater novo recorde
[15/12/2017] - CNA: manutenção de vacina complica vendas aos EUA
[15/12/2017] - Senado aprova Lei do Funrural mas Temer deve vetar
[15/12/2017] - Produtor foi expulso de terras por indígenas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/12/2017] - Índios são usados para obter verbas públicas
[15/12/2017] - ARTIGO: Governo é dono de 47% das terras do País
[15/12/2017] - Esvaziada, CPMI da JBS acaba
[14/12/2017] - Arroba: altas são generalizadas
[14/12/2017] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[14/12/2017] - Exportações de carne seguem fortes em dezembro
[14/12/2017] - Exportações de carne do MT batem recorde
[14/12/2017] - Abates cresceram 9% no terceiro trimestre
[14/12/2017] - MAPA cede e facilita importação de trigo russo
[13/12/2017] - Arroba: frigoríficos estão precisando comprar boi
[13/12/2017] - Reposição ganha força com a chegada das chuvas
[13/12/2017] - Exportação de gado subiu quase 32% em 2017
[13/12/2017] - Agência prevê 2018 melhor para os frigoríficos
[13/12/2017] - Mercosul cede, mas UE adia acordo para 2018
[13/12/2017] - Brasil trabalha forte para abrir mercado britânico
[13/12/2017] - Maggi crê que mercado dos EUA será reaberto logo
[13/12/2017] - Argentina ganha espaço entre os exportadores
[13/12/2017] - JBS deverá devolver terreno de frigorífico no MT
[13/12/2017] - Câmara conclui aprovação da Lei do Funrural
[13/12/2017] - Famato pede prorrogação para inscrição no CAR
[13/12/2017] - MST invade fazenda recém-desocupada no Paraná
[12/12/2017] - Exportações de carne bovina: recorde histórico
[12/12/2017] - MAPA vai atender exigências dos russos
[12/12/2017] - Arroba: frigoríficos tentam segurar alta do boi
[12/12/2017] - Produção de carne fica estável no MS
[12/12/2017] - Frigoríficos criticam imposto menor para o boi
[12/12/2017] - Mais um processo contra a JBS e Wesley Batista
[12/12/2017] - UE quer abertura, mas carne bovina ainda é entrave
[11/12/2017] - Operação da PF investiga propina da JBS a fiscal
[11/12/2017] - Arroba continua a subir com firmeza
[11/12/2017] - Carne sobe e melhora perspectiva para o boi
[11/12/2017] - Reposição começa a se agitar no Tocantins
[11/12/2017] - Acordo com a UE pode ser anunciado até o dia 21
[11/12/2017] - Missão oficial de Hong Kong inspeciona frigorífico
[11/12/2017] - Funrural: votação deve acabar amanhã na Câmara
[11/12/2017] - Venda de milho está parada
[08/12/2017] - Arroba: frigoríficos pagam cada vez mais pelo boi
[08/12/2017] - Frigoríficos: vendas para o Natal surpreendem
[08/12/2017] - Reação do mercado agora depende do consumidor
[08/12/2017] - JBS diz que vai recuperar o mercado perdido
[08/12/2017] - BNDES deve vender ações da JBS
[08/12/2017] - JBS mantém planos de vender ações em NY
[08/12/2017] - Venda da Itambé pode parar na Justiça
[08/12/2017] - Governo do MS reduz impostos para laticínios
[08/12/2017] - Preço do farelo de algodão cai com força
[07/12/2017] - Arroba: boi sobe e tem mais espaço para alta
[07/12/2017] - Preço do bezerro sobe com volta das chuvas
[07/12/2017] - Exportações podem fechar ano com forte alta
[07/12/2017] - Ameaça de Trump faz México buscar carne do Brasil
[07/12/2017] - Negociações para reabertura da Rússia vão bem

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br