Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
124,00 113,00 120,00
GO MT RJ
113,00 116,00 118,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1090,00
Garrote 18m 1320,00
Boi Magro 30m 1660,00
Bezerra 12m 830,00
Novilha 18m 1070,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 21/7/2017 10:44

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Pecuaristas sofrem os efeitos da crise da JBS

 
 
 
Publicado em 12/06/2017

Os efeitos devastadores da delação premiada dos executivos da JBS já são sentidos em toda a cadeia produtiva de carnes do país e preocupam os pecuaristas. A crise começou antes mesmo de os depoimentos dos donos da companhia envolvendo o presidente Michel Temer virem a público, no mês passado: a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, sobre irregularidades em frigoríficos, já havia afetado a exportação de proteína animal do Brasil. O escândalo das delações só fez agravar a situação: com a redução do abate pela JBS, o preço da arroba do boi caiu, e o gado lota os pastos, para desespero dos pecuaristas.

Os produtores nacionais têm enfrentado dificuldades para receber à vista pela venda do gado — a JBS determinou que todas as compras sejam pagas somente após 30 dias. Além disso, vários bancos estariam se recusando a receber as notas promissórias emitidas pelo frigorífico, com medo de calote, deixando os pecuaristas estrangulados, sem recursos.

Com a credibilidade afetada pela delação, muitos produtores só aceitam vender para a JBS à vista. O resultado é uma queda no total de bois abatidos e gado parado, lotando os pastos dos pecuaristas e dando prejuízo para aqueles que mantêm os animais confinados.

Enquanto isso, as principais concorrentes da JBS — Minerva Foods e Marfrig — não têm capacidade de processar a mesma quantidade de gado que era comprado pelo frigorífico. Procuradas, as duas empresas não quiseram comentar o assunto.

O vice-presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Pedro Camargo Neto, aponta que o problema é mais grave no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul (estados que têm os maiores rebanhos do país), onde a JBS concentra a maior parte da capacidade de abate. Os produtores não têm a opção de vender para outras empresas. Por problemas de logística e de custo, eles não conseguem levar o gado para ser abatido em outros estados.

— É um problema muito sério. Você tem uma estrutura de abate que não é usada, e alguns bois ficam sem ter para onde ir. Os preços estão caindo. Em Mato Grosso, a JBS concentra 50% da capacidade de abate. Em Mato Grosso do Sul, a empresa tem cerca de 40%. Você não tem o que fazer com esse gado todo de uma vez — explica Camargo.

Em Mato Grosso, as estimativas apontam que o preço da arroba acumula queda de 5% desde o início da crise da JBS, segundo o diretor-executivo da associação dos criadores do estado (Acrimat), Luciano Vacari. Os produtores pediram ao governo do estado que agilize a certificação de frigoríficos locais — que representariam uma alternativa à JBS — e demandam, ainda, a isenção de ICMS para levar o boi para ser abatido em outros estados, onde há mais opção de empresas.

— O problema é a concentração do mercado pela JBS. Com a crise política deles, as outras indústrias frigoríficas estão se aproveitando para, mais uma vez, pressionar o preço e comprar mais barato. Isso tem um impacto direto na renda do pecuarista, que está tomando prejuízo — afirma Vacari.

Até o escândalo da delação, a JBS pagava à vista ao pecuarista pela compra dos bois. Depois do episódio, o grupo empresarial, que detém marcas como Friboi e Seara, mudou o modelo de negócio e passou a quitar a fatura em 30 dias, emitindo Nota Promissória Rural. 

O resgate antecipado da nota promissória em instituições financeiras tem sido outra dificuldade para os pecuaristas. Há relatos de que alguns bancos não estão aceitando descontar a nota, que permite a antecipação do crédito.

Outros estados também têm problemas. O gerente de estudos técnicos da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Edson Novais, explica que a JBS representa quase 40% do total da capacidade de abate de bovinos no estado e que a crise da companhia afeta todos os produtores.

— O preço da arroba em Goiás está caindo. Os produtores estão inseguros. Os bancos não estão mais aceitando as promissórias da JBS. Tudo isso está pressionando a arroba para baixo. A grande preocupação é com a artificialidade do preço do boi, porque os custos continuam altos, a quantidade de abate não está normal — afirma o produtor.

Produtor de gado na cidade de Jataí, no interior de Goiás, Evandro Vilela de Barros afirma que os produtores estão apreensivos com a situação da JBS e temem até mesmo um calote. Ele conta que os pecuaristas também pediram ao governo do estado para facilitar o transporte do gado para ser abatido em outras unidades da federação.

— O negócio não está fácil. A gente está vendendo menos, e os concorrentes deles estão pagando menos, mas os custos para a criação do animal ficaram maiores. A realidade é que há uma dependência da JBS. Esse é o mal do monopólio. A situação é de muito prejuízo — diz o pecuarista.

Um levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), comprova as queixas dos produtores. Em maio, os preços da arroba de boi gordo recuaram 4,63%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Foi a maior queda para o mês desde 1998, início da série histórica.

Os pesquisadores ressaltam que a situação poderia ser pior, com os preços caindo ainda mais, se não fossem as boas condições climáticas. Com mais chuvas no mês, os pecuaristas podem “segurar” os animais no pasto, sem necessidade de vendê-los rapidamente e sem custos adicionais para manter o peso dos bois. O problema, avaliam os produtores, é que o período de seca vai começar agora.

— Nós estamos prevendo uma crise muito grande na hora que esse boi tiver que ser abatido. Quando parar de chover, tiver uma geada, ou os pastos secarem, será preciso abater os animais, porque o prejuízo é ainda maior. Mas não há frigoríficos suficientes, porque a JBS está comprando menos, e não tem alternativa — afirma Camargo Neto, da SRB.

Em nota, a JBS informou que “padronizou todos os processos de compra de gado no Brasil há mais de um mês, com pagamento no prazo de 30 dias, o que já acontecia em 97% das praças onde atua.”

Os preços da arroba de boi gordo continuam em queda em junho, alcançando, na parcial do mês, a menor média real da série histórica do Cepea desde agosto de 2013: R$ 130,86.

Após O Globo revelar em seu site, no dia 17 de maio, as gravações do dono da JBS, Joesley Batista, envolvendo Temer, o preço de venda da arroba do boi caiu de R$ 136,29, em 18 de maio, para encerrar a semana a R$ 128,25, segundo o Cepea/USP. Esse número que representa uma queda de 3,3% no acumulado do mês, em comparação a junho do ano passado.

Além da crise da JBS, o Cepea destaca que o volume das exportações de proteína animal caiu 10% em maio (frente ao mesmo mês do ano passado), refletindo a Carne Fraca, e o mercado interno ainda não é capaz de aumentar seu consumo de carne.

Apesar da paralisia nos negócios de boi e do recuo nas cotações, a carne continua cara para o consumidor. Em maio, na média nacional, os preços aumentaram 0,14%, segundo dados da inflação oficial, medida pelo IBGE. Com informações do jornal O Globo.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/07/2017] - Pecuaristas pressionam por redução do ICMS
[21/07/2017] - Arroba: oferta encurta e pressão perde força
[21/07/2017] - Arroba: mercado futuro sinaliza alta
[21/07/2017] - Reposição: queda forte em Minas Gerais
[21/07/2017] - Agro sofrerá duro impacto com medidas de Temer
[21/07/2017] - Marfrig avalia reabrir outra unidade
[21/07/2017] - Maggi: MAPA trabalha para reabrir frigoríficos

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[21/07/2017] - Chamado de bandido, Joesley quer processar Temer
[21/07/2017] - Mexicana oferece R$ 6 bi para ficar com a Vigor
[21/07/2017] - Acordo comercial depende da UE, diz ministro
[21/07/2017] - Crise diminui confiança do produtor rural
[21/07/2017] - Cai volume de entregas de adubos
[21/07/2017] - Governo publica medida para disciplinar demarcação
[20/07/2017] - Arroba: oferta está menor e reduz pressão de baixa
[20/07/2017] - Arroba: ofertas de frigoríficos variam
[20/07/2017] - Confinamento deve ter forte queda
[20/07/2017] - Governo vai abrir mercado à UE para evitar embargo
[20/07/2017] - CVM abre novo inquérito para investigar a JBS
[20/07/2017] - Dona da JBS avança na venda da Vigor
[20/07/2017] - Vaca louca vai afetar as exportações dos EUA?
[20/07/2017] - Filipinas seguem EUA e suspendem carne do Brasil
[20/07/2017] - Raiva se espalha e alerta pecuaristas em SP
[20/07/2017] - Onça mata 10 bezerros e 4 cães de pecuarista em GO
[20/07/2017] - Exportações de milho ganham força
[19/07/2017] - Quando a arroba vai se recuperar?
[19/07/2017] - Arroba: pressão de baixa volta a derrubar o boi
[19/07/2017] - Alta das exportações não beneficiou o pecuarista
[19/07/2017] - Abates do MT caem para o menor nível em 7 anos
[19/07/2017] - Justiça desbloqueia R$ 800 mi de Joesley Batista
[19/07/2017] - CPI da JBS não sai do papel
[19/07/2017] - Governo retirará frigoríficos da MP do Funrural
[19/07/2017] - MAPA fará concurso para reforçar fiscalização
[19/07/2017] - Leite: pressão de baixa vai continuar?
[19/07/2017] - EUA registram caso de vaca louca
[18/07/2017] - Exportações de carne começaram julho com força
[18/07/2017] - EUA: Maggi crê em reabertura do mercado em 60 dias
[18/07/2017] - Secretário americano cobra ações do Brasil
[18/07/2017] - Arroba: queda do boi pode estar próxima do fim
[18/07/2017] - Reposição segue devagar no Tocantins
[18/07/2017] - Bancos aceitam prorrogar dívidas da JBS
[18/07/2017] - Agro lidera a geração de empregos em junho
[18/07/2017] - Quem são os interessados em comprar a Vigor?
[18/07/2017] - Fiscais usam exportações para fazer reivindicações
[17/07/2017] - Exportações de carne têm o melhor resultado do ano
[17/07/2017] - Entidade prevê Brasil e EUA líderes em carne
[17/07/2017] - Arroba: pressão de baixa menor em 2 regiões
[17/07/2017] - Reposição segue lenta e pressionada
[17/07/2017] - Confinamento menor deve ajudar a saída da crise
[17/07/2017] - Maggi tenta hoje levantar embargo dos EUA
[17/07/2017] - JBS vende operação de confinamento no Canadá
[17/07/2017] - Desmonte do grupo da JBS deve chegar a R$ 20 bi
[17/07/2017] - Justiça vai analisar incentivos dados à JBS
[17/07/2017] - Farelo de soja subiu mas preço é menor que em 2016
[17/07/2017] - Preço do milho segue pressionado
[17/07/2017] - Como prevenir a brucelose no rebanho?
[14/07/2017] - Países importadores reagem ao mensalinho da JBS
[14/07/2017] - MAPA suspeita que JBS queira desestabilizar setor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br