Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
139,00 127,00 128,00
GO MT RJ
124,00 129,00 128,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1290,00
Garrote 18m 1540,00
Boi Magro 30m 1880,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 18/5/2018 10:55

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS confirma corte de crédito na Caixa

 
 
 
Publicado em 08/06/2017

Representantes da JBS comunicaram na segunda-feira o Ministério Público que a empresa sofreu um corte repentino de financiamentos na Caixa Econômica Federal. Fontes consultadas pelo Valor afirmaram que a empresa tem um limite de crédito antigo no banco e uma linha de empréstimo que vence em 2018, mas que a instituição estatal decidiu rever as condições nas duas frentes.

Segundo essas fontes, a medida, somada a outros "recados" que já teriam sido dados por representantes do governo, foi interpretada pela JBS como retaliação depois dos fatos que vieram à tona com a delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que se tornaram uma ameaça real à permanência de Michel Temer na Presîdência. Os Batista são donos da holding J&F, que controla empresas como JBS, Vigor, Eldorado, Alpargatas, Flora e Banco Original, entre outras.

Ainda que seja natural neste momento um endurecimento da postura dos bancos na concessão de crédito a empresas controladas pela J&F, dadas as turbulências que chacoalham o grupo desde a delação, a decisão da Caixa surpreendeu o mercado, já que o banco tem participação de 4,65% na JBS e a medida, que ameaça a renovação de linhas de crédito de exportação da empresa, pode afetar as ações do carro-chefe dos irmãos Batista.

Em evento em São Paulo no fim de maio, o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, informou que o banco havia tomado medida prudencial e provisionado as operações que tinha com a J&F e as empresas da holding, mesmo não havendo inadimplência nem terem sido constatadas irregularidades nos negócios do grupo com o banco. Procurada ontem, a Caixa não se pronunciou sobre o fechamento total das torneiras, que a princípio vale para a captação de recursos novos e mesmo para a renovação de linhas. Em nota, a J&F limitou-se a afirmar que "mantém relacionamento de longo prazo com as instituições financeiras e não irá comentar negociações específicas".

O Valor apurou que outros bancos estatais, como Banco do Brasil e BNDES (que tem 21,3% da JBS) não pretendem adotar restrição semelhante. Oficialmente, o BB não se pronunciou, mas fontes da instituição reforçaram que, como em todos os casos envolvendo empresas da Lava-Jato é natural que exista uma maior cautela e aumento nos pedidos de garantias para empréstimos com as empresas da holding J&F.

Mas essas fontes lembraram que as empresas não estão inadimplentes e que há um esforço dos bancos privados e públicos para "ajudá-las" a superar as turbulências. Um representante de um dos maiores bancos privados do país reforçou essa posição. "Não há o menor interesse em cortar crédito da JBS. Todos os grandes bancos têm muito dinheiro investido na empresa e asfixiá-la só aumentaria o problema", afirmou.

Depois da assinatura do acordo de leniência entre J&F e MPF, que definiu o afastamento de Joesley do grupo por cinco anos e deu aval para as empresas do grupo continuarem a se relacionar normalmente com bancos públicos, essa posição dos bancos se fortaleceu. Em nota, o BNDES informou, como tem feito nas últimas semanas, que "trabalha com critérios técnicos na concessão de financiamentos" para a empresa.

Há uma regulação do Banco Central (BC) sobre a necessidade de provisões de acordo com o risco imputado a cada empréstimo. Mas além disso, cada banco tem sua própria política de provisionamento. Procurado, o Palácio do Planalto, informou, em nota, que "os bancos ligados ao governo farão avaliação de renegociações com o grupo J&F seguindo orientações técnicas de mercado de crédito. O Planalto afirma defender que não haja qualquer ingerência política neste tema".

Em relatório sem qualquer relação com a decisão da Caixa, o analista Alexander Robarts, da corretora do Citi, observou que lidar com "imprevistos de dívida no curto prazo" foi um dos motivos que levaram a JBS a vender ativos. Em negócio anunciado na terça-feira, a Minerva Foods adquiriu, por US$ 300 milhões, nove frigoríficos da JBS espalhados por Argentina, Paraguai e Uruguai, além de outras unidades.

O acordo de leniência firmado pela J&F com o MPF também protege esse tipo de negócio, já que prevê que a holding ou suas controladas vendam ativos sem que eles carreguem risco de ônus para potenciais compradores. O advogado Igor Tamasauskas, que representou a J&F no acordo, disse que "a questão está devidamente endereçada". Mas explicou que não é possível entrar em detalhes em razão das cláusulas de confidencialidade do acordo.

Ainda que possa considerar se desfazer de outros negócios em proteínas animais, o grupo informou ontem que não planeja vender a americana Pilgim's Pride, controlada que produz carne de frango, ou outros ativos estratégicos ("core assets") nos EUA e outras regiões. Não ficou claro, contudo, se a fatia de 75% da JBS na Pilgrim's poderá ou não ser reduzida. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[18/05/2018] - Uma notícia que pode mexer com a arroba do boi
[18/05/2018] - Exportações de carne à China podem ter forte alta
[18/05/2018] - Embargo de Trump pode complicar vendas ao Irã
[18/05/2018] - Arroba: hora da virada chegou?
[18/05/2018] - Farelo de soja pesa no bolso do pecuarista
[18/05/2018] - Projeto prevê carro mais barato a produtor rural
[18/05/2018] - Polícia investiga venda de gado furtado a frigoríf

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/05/2018] - Produtores do Nordeste poderão renegociar dívidas
[17/05/2018] - Bolsonaro: produtor não pode ficar à mercê do MST
[17/05/2018] - Arroba: mercado já não está tão ruim
[17/05/2018] - Arroba: estiagem favorece frigoríficos
[17/05/2018] - Longa vida cai novamente no atacado
[17/05/2018] - Governo dos EUA aprova aquisição da Marfrig
[17/05/2018] - Mais um processo contra a JBS
[17/05/2018] - Funrural: deputados pedem segurança jurídica
[16/05/2018] - Carne sobe no varejo
[16/05/2018] - Frigoríficos ampliam abates e reclamam do consumo
[16/05/2018] - Arroba: luz no fim do túnel para o boi?
[16/05/2018] - Reposição empaca no preço do boi
[16/05/2018] - Justiça desapropria unidade da JBS
[16/05/2018] - BNDES amplia investigações sobre a JBS
[16/05/2018] - Marfrig se endivida para pagar compra
[16/05/2018] - China pode liberar mais 84 frigoríficos
[16/05/2018] - Sem o Agro, Brasil teria deficit comercial
[16/05/2018] - Produtores vão cobrar renegociação que está na lei
[16/05/2018] - Índios ameaçam defensoras do direito à propriedade
[15/05/2018] - Governo proíbe renegociação de dívidas rurais
[15/05/2018] - JBS lucra 43,5% mais no trimestre
[15/05/2018] - JBS fecha acordo bilionário com bancos
[15/05/2018] - Marfrig culpa frango por queda da carne bovina
[15/05/2018] - Arroba: boi em queda em São Paulo
[15/05/2018] - Carne sobe no atacado
[15/05/2018] - Irã suspende compra de carne bovina do Minerva
[15/05/2018] - Momento ruim para exportações de carne
[15/05/2018] - PIB do agro deverá ser menor em 2018
[15/05/2018] - UE publica embargo ao frango
[14/05/2018] - Arroba: sinais de baixa
[14/05/2018] - Dá para investir no confinamento este ano?
[14/05/2018] - Fim do embargo europeu pode ficar para 2019
[14/05/2018] - Turquia promete aumentar compras do Brasil
[14/05/2018] - Frigorífico com 6 unidades está à venda
[14/05/2018] - Milho segue em alta
[14/05/2018] - Produtores rurais querem segurança
[14/05/2018] - Concentração e impostos pesam sobre o pecuarista
[14/05/2018] - Rússia pode embargar Paraguai por carne do Brasil
[14/05/2018] - Câmara pode mudar Reserva Legal
[11/05/2018] - Arroba: dois mercados diferentes para o boi
[11/05/2018] - Problemas sanitários travam exportações de carne
[11/05/2018] - Os desafios do mercado do boi
[11/05/2018] - JBS se recuperou mais cedo que o esperado
[11/05/2018] - Decisão judicial favorece irmãos Batista
[11/05/2018] - Mais uma burocracia para o produtor rural
[11/05/2018] - UE resolve conversar sobre embargo ao frango
[10/05/2018] - Arroba: boi cai com força no Triângulo Mineiro
[10/05/2018] - Turbulência no mercado do boi
[10/05/2018] - Minerva tem prejuízo de R$ 114 mi no trimestre
[10/05/2018] - Cartel de frigoríficos: processo já dura 11 anos

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br