Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
139,00 129,00 135,00
GO MT RJ
130,00 127,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1270,00
Garrote 18m 1530,00
Boi Magro 30m 1860,00
Bezerra 12m 940,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 17/11/2017 10:35

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS: pequenos e médios frigoríficos ganham espaço

 
 
 
Publicado em 08/06/2017

O envolvimento da JBS em escândalos de corrupção alterou a dinâmica do mercado do boi e das carnes. Desde então, o maior indústria de processamento animal do mundo, deixou de adquirir grandes volumes de matéria prima muito em função de uma postura cautelosa dos produtores brasileiros.

Embora não haja uma direção definida a seguir neste momento, alguns movimentos já indicam a possibilidade de reestruturação das dinâmicas até aqui impostas.

Segundo o presidente da Abrafrigo (Associação Brasileira dos Frigoríficos), Péricles Salazar, no Mato Grosso é possível acompanhar com mais intensidade uma evolução dessas mudanças.

"Enxergamos toda essa situação como uma oportunidade para pequenas e médias indústrias. É possível que em seis meses tenhamos uma realidade diferente nesses mercados", diz Salazar.

Até aqui, a JBS adotou política de adquirir plantas e manter boa parte delas fechadas. Essa estratégia, porém, deverá facilitar a entrada de novas empresas e o fortalecimento de outras já operantes.

De acordo com o presidente há notícias de que a JBS pretende fechar novas unidades, abrindo "caminho tanto na compra de bovinos, quanto no mercado de carnes", diz. Atualmente o ramo é composto 50% pelas grandes indústrias como JBS, Marfrig e Minerva e, os outros 50% por pequenos e médios.

Essa composição mostra que há "capacidade de suprir a demanda por parte dos consumidores, como também dos fornecedores de animais para o abate, no caso de uma solvência da JBS", ressalta Salazar.

Nesta terça (6), a JBS anunciou a venda suas operações na Argentina, Paraguai e Uruguai para subsidiárias da Minerva, pelo valor de US$ 300 milhões. "Essa notícia dá um sinal de quão grave está à situação", acrescenta o presidente.

A JBS informou que pretende utilizar os recursos obtidos com a transação para diminuir sua alavancagem financeira. A empresa terminou março com dívida líquida de 47,8 bilhões de reais. Em termos de alavancagem financeira, esse número equivalia a 4,2 vezes o Ebtida de 12 meses.

Na visão do presidente da Abrafrigo, a participação da JBS deve cair no mercado interno. Mas, diz não acreditar que essas 'oportunidades' com a saída da empresa, possam criar um novo monopólio no país.

"Confiamos que a política brasileira não erre pela segunda vez. Não teremos um novo BNDES como financiador", diz Salazar.

O envolvimento da JBS em escândalos de corrupção alterou a dinâmica do mercado do boi e das carnes. Desde então, o maior indústria de processamento animal do mundo, deixou de adquirir grandes volumes de matéria prima muito em função de uma postura cautelosa dos produtores brasileiros.

Embora não haja uma direção definida a seguir neste momento, alguns movimentos já indicam a possibilidade de reestruturação das dinâmicas até aqui impostas.

Segundo o presidente da Abrafrigo (Associação Brasileira dos Frigoríficos), Péricles Salazar, no Mato Grosso é possível acompanhar com mais intensidade uma evolução dessas mudanças.

"Enxergamos toda essa situação como uma oportunidade para pequenas e médias indústrias. É possível que em seis meses tenhamos uma realidade diferente nesses mercados", diz Salazar.

Até aqui, a JBS adotou política de adquirir plantas e manter boa parte delas fechadas. Essa estratégia, porém, deverá facilitar a entrada de novas empresas e o fortalecimento de outras já operantes.

De acordo com o presidente há notícias de que a JBS pretende fechar novas unidades, abrindo "caminho tanto na compra de bovinos, quanto no mercado de carnes", diz. Atualmente o ramo é composto 50% pelas grandes indústrias como JBS, Marfrig e Minerva e, os outros 50% por pequenos e médios.

Essa composição mostra que há "capacidade de suprir a demanda por parte dos consumidores, como também dos fornecedores de animais para o abate, no caso de uma solvência da JBS", ressalta Salazar.

Nesta terça (6), a JBS anunciou a venda suas operações na Argentina, Paraguai e Uruguai para subsidiárias da Minerva, pelo valor de US$ 300 milhões. "Essa notícia dá um sinal de quão grave está à situação", acrescenta o presidente.

A JBS informou que pretende utilizar os recursos obtidos com a transação para diminuir sua alavancagem financeira. A empresa terminou março com dívida líquida de 47,8 bilhões de reais. Em termos de alavancagem financeira, esse número equivalia a 4,2 vezes o Ebtida de 12 meses.

Na visão do presidente da Abrafrigo, a participação da JBS deve cair no mercado interno. Mas, diz não acreditar que essas 'oportunidades' com a saída da empresa, possam criar um novo monopólio no país.

"Confiamos que a política brasileira não erre pela segunda vez. Não teremos um novo BNDES como financiador", diz Salazar. Com informações do Notícias Agrícolas.

Mercado externo

No mercado externo as mudanças podem demorar mais tempo para acontecer. Segundo Salazar, ocupar o espaço da JBS exigiria a "realização de contratos e busca de clientes", que possivelmente ocorreria em maior espaço de tempo.

No mercado externo as mudanças podem demorar mais tempo para acontecer. Segundo Salazar, ocupar o espaço da JBS exigiria a "realização de contratos e busca de clientes", que possivelmente ocorreria em maior espaço de tempo. Com informações do Notícias Agrícolas.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/11/2017] - Arroba: mercado está movimentado
[17/11/2017] - Reposição começa a se novimentar
[17/11/2017] - Frigol reabre unidade em Goiás
[17/11/2017] - Marfrig quer avançar mais sobre o mercado da JBS
[17/11/2017] - JBS já levantou R$ 6 bi com vendas de ativos
[17/11/2017] - Polícia recupera carga milionária de sêmen
[17/11/2017] - Milho: produção deve cair em 2018

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[16/11/2017] - Arroba: mercado firma e pode subir mais
[16/11/2017] - Arroba: frigoríficos pagam bem acima da referência
[16/11/2017] - Rússia ameaça barrar importações de carnes
[16/11/2017] - Marfrig parcela dívida bilionária no Refis
[16/11/2017] - Funrural: mudanças na MP beneficiam frigoríficos
[16/11/2017] - Produtores expulsam índios invasores no Paraná
[16/11/2017] - Farelo de soja: dólar parou de subir
[16/11/2017] - MAPA ainda prevê queda para o PIB da Pecuária
[14/11/2017] - Confinamento surpreende e sobe 12% no MT
[14/11/2017] - Arroba: mercado firme com alta na demanda
[14/11/2017] - Minerva prevê dois anos favoráveis aos frigos
[14/11/2017] - Delação derrubou as vendas da JBS no Brasil
[14/11/2017] - Marfrig tem prejuízo de R$ 58,4 milhões
[14/11/2017] - China já representa quase 40% das exportações
[14/11/2017] - Leite: margens devem continuar apertadas
[14/11/2017] - CCPR tem até o final do mês para pagar pela Itambé
[14/11/2017] - Confiança da pecuária sobe e puxa índice do Agro
[14/11/2017] - Reforma Trabalhista já está valendo
[14/11/2017] - Empregado rural perde e deve pagar R$ 8,5 mil
[13/11/2017] - Arroba volta a subir
[13/11/2017] - Carne segue em alta no varejo
[13/11/2017] - Reposição começa a subir em Rondônia
[13/11/2017] - Turquia aumenta compras de boi em pé do Brasil
[13/11/2017] - Minerva retoma abates em unidade reaberta
[13/11/2017] - JBS: incertezas quanto ao futuro continuam
[13/11/2017] - MAPA acompanha risco de quebra da JBS
[13/11/2017] - JBS nega que esteja em dificuldades
[13/11/2017] - Para evitar embargo, Brasil libera trigo russo
[13/11/2017] - Exportações puxam para cima o preço do milho
[13/11/2017] - Empréstimo público pode pagar compra da Itambé
[13/11/2017] - Leite: uma maneira simples de aumentar a produção
[10/11/2017] - Arroba começa a subir com alta da carne
[10/11/2017] - Vendas de carne começam a melhorar
[10/11/2017] - Agro brasileiro exportou R$ 8 bi em um mês
[10/11/2017] - Lucro do Minerva tem alta de 81%
[10/11/2017] - Deputados protestam contra destruição de fazenda
[10/11/2017] - Mercosul: Brasil pode igualar exigência sanitária
[09/11/2017] - Mercado futuro indica alta para a arroba do boi
[09/11/2017] - Arroba não acompanhou alta das exportações
[09/11/2017] - Arroba sobe em algumas praças
[09/11/2017] - Reposição: chuvas devem puxar demanda
[09/11/2017] - Porte de arma no campo é aprovado em comissão
[08/11/2017] - Arroba: pressão de baixa está perdendo força
[08/11/2017] - Hong Kong e China puxam exportações de carne
[08/11/2017] - Exportações de boi em pé aumentaram 200%
[08/11/2017] - Dono da JBS se diz perseguido e fica em silêncio
[08/11/2017] - Criadores de Angus são contra retirada de vacina
[08/11/2017] - MP do Funrural é aprovada, apesar do PT
[08/11/2017] - UE cita corrupção para inspecionar carne do Brasil
[07/11/2017] - Arroba: cenários diferentes para o boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br