Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
140,00 129,00 135,00
GO MT RJ
130,00 127,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1270,00
Garrote 18m 1530,00
Boi Magro 30m 1860,00
Bezerra 12m 940,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 21/11/2017 10:18

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Margens dos frigoríficos só sobem

 
 
 
Publicado em 07/06/2017

Intensificada após a divulgação da delação premiada dos irmãos Batista, a redução dos preços do boi gordo no Brasil recompôs a margem dos frigoríficos no mercado interno. A melhora de margens ocorre no momento em que a rentabilidade e as vendas na exportação patinam, enquanto no mercado doméstico a demanda segue fraca.

Levantamento da consultoria MB Agro - braço da MB Associados - mostra que a diferença entre o preço da carcaça bovina casada no atacado do Estado de São Paulo e a cotação do boi gordo está 5% mais alta. Normalmente, esse indicador é negativo porque não estão incluídos os subprodutos do abate bovino (couro, sebo, entre outros). Chamada de spread, a diferença entre a carcaça e o boi gordo é um indicador de margem bruta.

Acompanhe as cotações da arroba do boi gordo e da reposição em: www.pecuaria.com.br/cotacoes.php

Segundo o analista César Castro Alves, da MB Agro, a recuperação da margem dos frigoríficos decorre da queda dos preços do boi gordo. "O spread no mercado interno está bom", afirmou ele, ponderando que, no caso da JBS, o ritmo de abates mais fraco por causa da delação limita os ganhos pois a companhia tem mais custos fixos.

Mas os concorrentes da JBS podem aproveitar o momento favorável no mercado interno, acrescentou. "Os concorrentes aproveitam o vácuo. Os maiores frigoríficos aproveitam muito porque são considerados mais sólidos", disse Alves, em alusão a Marfrig Global Foods e Minerva Foods.

No caso dos pequenos frigoríficos, também há oportunidades. Ainda que não gozem da mesma confiança perante os pecuaristas se comparados aos maiores frigoríficos, a redução das escalas da JBS é uma oportunidade para os pequenos acelerarem os abates. "Os pequenos vão tentar produzir mais enquanto sobra boi", disse.

De certa forma, isso já está acontecendo. Conforme o informou ontem o Valor, a escala de abates - programação da produção futura de carne - da JBS caiu 65% desde a divulgação da delação. Se antes da delação a empresa tinha assegurada a compra de boi necessária para o abate dos cinco dias seguintes, agora só assegura a compra de dois dias. Por outro lado, os concorrentes aumentaram a média de cinco dias para até sete dias.

Se no mercado interno a margem dos frigoríficos melhorou por causa da queda dos preços do boi gordo, na exportação o cenário ainda é ruim, embora também haja recuperação.

Conforme a MB Agro, o spread na exportação - diferença entre o preço da carne vendida e o do boi gordo - atingiu 6% em abril, último dado disponível.

Na comparação com o primeiro trimestre, trata-se de uma sensível melhora tendo em vista que o spread de janeiro, fevereiro e março ficou próximo de 1%. "Mas ainda não está bom. Está arrastando", avaliou o analista. A média histórica do spread na exportação é de 26%, segundo a MB Agro. O levantamento da consultoria teve início no ano de 1997.

De acordo com Alves, a margem da exportação melhorou por conta da alta do preço em dólar. Até abril, o câmbio não ajudava. Em maio, o real se desvalorizou em decorrência da crise política detonada pela delação da JBS, o que pode ser positivo para as exportações.

Embora não tenha fechado os dados do spread de maio, o analista ponderou que a margem da exportação precisa de um câmbio estável. Em um cenário volátil, também há espaço para que os importadores pressionem por uma queda dos preços da carne exportada.

De toda maneira, a desvalorização do real é positiva para a exportação, ressaltou. No início de 2016, quando o dólar estava próximo de R$ 4, o spread dos frigoríficos brasileiros na exportação oscilou entre 30% e 40%, lembrou Alves. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/11/2017] - Arroba: semana começou com escalas curtas
[21/11/2017] - Maggi nega que Rússia tenha fechado mercado
[21/11/2017] - Embargo russo atinge 59 frigoríficos de bovinos
[21/11/2017] - Governo do MS suspende benefícios fiscais da JBS
[21/11/2017] - Carne: EUA apontam irregularidades na fiscalização
[21/11/2017] - Leite longa vida tem queda de preço
[21/11/2017] - Agro demitiu em outubro, saldo continua positivo

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/11/2017] - Rússia confirma bloqueio à carne bovina brasileira
[20/11/2017] - Arroba segue em alta
[20/11/2017] - BNDES quer avaliar mercado pecuário
[20/11/2017] - Preço do leite continua a cair em Minas Gerais
[20/11/2017] - Pesquisadores querem vaca gir transgênica
[20/11/2017] - Compradores de milho recuam e preço cai
[20/11/2017] - MP do Funrural é presente de Natal à JBS
[20/11/2017] - Prazo para aderir ao Refis rural está acabando
[17/11/2017] - Arroba: mercado está movimentado
[17/11/2017] - Reposição começa a se novimentar
[17/11/2017] - Frigol reabre unidade em Goiás
[17/11/2017] - Marfrig quer avançar mais sobre o mercado da JBS
[17/11/2017] - JBS já levantou R$ 6 bi com vendas de ativos
[17/11/2017] - Polícia recupera carga milionária de sêmen
[17/11/2017] - Milho: produção deve cair em 2018
[16/11/2017] - Arroba: mercado firma e pode subir mais
[16/11/2017] - Arroba: frigoríficos pagam bem acima da referência
[16/11/2017] - Rússia ameaça barrar importações de carnes
[16/11/2017] - Marfrig parcela dívida bilionária no Refis
[16/11/2017] - Funrural: mudanças na MP beneficiam frigoríficos
[16/11/2017] - Produtores expulsam índios invasores no Paraná
[16/11/2017] - Farelo de soja: dólar parou de subir
[16/11/2017] - MAPA ainda prevê queda para o PIB da Pecuária
[14/11/2017] - Confinamento surpreende e sobe 12% no MT
[14/11/2017] - Arroba: mercado firme com alta na demanda
[14/11/2017] - Minerva prevê dois anos favoráveis aos frigos
[14/11/2017] - Delação derrubou as vendas da JBS no Brasil
[14/11/2017] - Marfrig tem prejuízo de R$ 58,4 milhões
[14/11/2017] - China já representa quase 40% das exportações
[14/11/2017] - Leite: margens devem continuar apertadas
[14/11/2017] - CCPR tem até o final do mês para pagar pela Itambé
[14/11/2017] - Confiança da pecuária sobe e puxa índice do Agro
[14/11/2017] - Reforma Trabalhista já está valendo
[14/11/2017] - Empregado rural perde e deve pagar R$ 8,5 mil
[13/11/2017] - Arroba volta a subir
[13/11/2017] - Carne segue em alta no varejo
[13/11/2017] - Reposição começa a subir em Rondônia
[13/11/2017] - Turquia aumenta compras de boi em pé do Brasil
[13/11/2017] - Minerva retoma abates em unidade reaberta
[13/11/2017] - JBS: incertezas quanto ao futuro continuam
[13/11/2017] - MAPA acompanha risco de quebra da JBS
[13/11/2017] - JBS nega que esteja em dificuldades
[13/11/2017] - Para evitar embargo, Brasil libera trigo russo
[13/11/2017] - Exportações puxam para cima o preço do milho
[13/11/2017] - Empréstimo público pode pagar compra da Itambé
[13/11/2017] - Leite: uma maneira simples de aumentar a produção
[10/11/2017] - Arroba começa a subir com alta da carne
[10/11/2017] - Vendas de carne começam a melhorar
[10/11/2017] - Agro brasileiro exportou R$ 8 bi em um mês
[10/11/2017] - Lucro do Minerva tem alta de 81%

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br