Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
146,00 130,00 138,00
GO MT RJ
131,00 133,00 137,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1560,00
Boi Magro 30m 1950,00
Bezerra 12m 990,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1340,00

Atualizado em: 16/2/2018 11:07

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Margens dos frigoríficos só sobem

 
 
 
Publicado em 07/06/2017

Intensificada após a divulgação da delação premiada dos irmãos Batista, a redução dos preços do boi gordo no Brasil recompôs a margem dos frigoríficos no mercado interno. A melhora de margens ocorre no momento em que a rentabilidade e as vendas na exportação patinam, enquanto no mercado doméstico a demanda segue fraca.

Levantamento da consultoria MB Agro - braço da MB Associados - mostra que a diferença entre o preço da carcaça bovina casada no atacado do Estado de São Paulo e a cotação do boi gordo está 5% mais alta. Normalmente, esse indicador é negativo porque não estão incluídos os subprodutos do abate bovino (couro, sebo, entre outros). Chamada de spread, a diferença entre a carcaça e o boi gordo é um indicador de margem bruta.

Acompanhe as cotações da arroba do boi gordo e da reposição em: www.pecuaria.com.br/cotacoes.php

Segundo o analista César Castro Alves, da MB Agro, a recuperação da margem dos frigoríficos decorre da queda dos preços do boi gordo. "O spread no mercado interno está bom", afirmou ele, ponderando que, no caso da JBS, o ritmo de abates mais fraco por causa da delação limita os ganhos pois a companhia tem mais custos fixos.

Mas os concorrentes da JBS podem aproveitar o momento favorável no mercado interno, acrescentou. "Os concorrentes aproveitam o vácuo. Os maiores frigoríficos aproveitam muito porque são considerados mais sólidos", disse Alves, em alusão a Marfrig Global Foods e Minerva Foods.

No caso dos pequenos frigoríficos, também há oportunidades. Ainda que não gozem da mesma confiança perante os pecuaristas se comparados aos maiores frigoríficos, a redução das escalas da JBS é uma oportunidade para os pequenos acelerarem os abates. "Os pequenos vão tentar produzir mais enquanto sobra boi", disse.

De certa forma, isso já está acontecendo. Conforme o informou ontem o Valor, a escala de abates - programação da produção futura de carne - da JBS caiu 65% desde a divulgação da delação. Se antes da delação a empresa tinha assegurada a compra de boi necessária para o abate dos cinco dias seguintes, agora só assegura a compra de dois dias. Por outro lado, os concorrentes aumentaram a média de cinco dias para até sete dias.

Se no mercado interno a margem dos frigoríficos melhorou por causa da queda dos preços do boi gordo, na exportação o cenário ainda é ruim, embora também haja recuperação.

Conforme a MB Agro, o spread na exportação - diferença entre o preço da carne vendida e o do boi gordo - atingiu 6% em abril, último dado disponível.

Na comparação com o primeiro trimestre, trata-se de uma sensível melhora tendo em vista que o spread de janeiro, fevereiro e março ficou próximo de 1%. "Mas ainda não está bom. Está arrastando", avaliou o analista. A média histórica do spread na exportação é de 26%, segundo a MB Agro. O levantamento da consultoria teve início no ano de 1997.

De acordo com Alves, a margem da exportação melhorou por conta da alta do preço em dólar. Até abril, o câmbio não ajudava. Em maio, o real se desvalorizou em decorrência da crise política detonada pela delação da JBS, o que pode ser positivo para as exportações.

Embora não tenha fechado os dados do spread de maio, o analista ponderou que a margem da exportação precisa de um câmbio estável. Em um cenário volátil, também há espaço para que os importadores pressionem por uma queda dos preços da carne exportada.

De toda maneira, a desvalorização do real é positiva para a exportação, ressaltou. No início de 2016, quando o dólar estava próximo de R$ 4, o spread dos frigoríficos brasileiros na exportação oscilou entre 30% e 40%, lembrou Alves. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[16/02/2018] - Arroba: preços firmes com alta da carne
[16/02/2018] - Preço do bezerro se recupera
[16/02/2018] - Malásia confirma missão de inspeção ao Brasil
[16/02/2018] - Produtores temem apagão do milho em 2018
[16/02/2018] - CVM abre novo inquérito sobre a JBS
[16/02/2018] - Funrural: deputado quer que Temer prorrogue prazo
[16/02/2018] - Crédito rural começa 2018 com força

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2018] - Arroba: é hora de vender?
[15/02/2018] - Tombo da arroba interrompe reposição no Maranhão
[15/02/2018] - Disputa pelo controle da Itambé continua
[15/02/2018] - Empresa da JBS nos EUA tem alta de 90% no lucro
[15/02/2018] - Briga entre China e EUA pode beneficiar o Brasil?
[14/02/2018] - Arroba: o que esperar desta semana?
[14/02/2018] - Preço da carne despenca no atacado
[14/02/2018] - Reposição: indefinição à espera do boi
[14/02/2018] - China aumenta compras de carne bovina brasileira
[14/02/2018] - Pecuaristas vêem um mercado sob ameaça
[14/02/2018] - Brasil terá mais um grande mercado para a carne
[14/02/2018] - MAPA tenta reabrir outro mercado
[14/02/2018] - Qual a expectativa para o preço do milho?
[09/02/2018] - Arroba do boi reage e começa a subir
[09/02/2018] - Operação Carne Fraca fecha delação premiada
[09/02/2018] - Diretores da JBS são recebidos em Brasília
[09/02/2018] - Senado promete acelerar vetos do Funrural
[09/02/2018] - Brasil deve produzir menos milho em 2018
[09/02/2018] - Processo por naufrágio com bois é encerrado
[09/02/2018] - Vigiagro impede entrada de praga no Brasil
[08/02/2018] - Arroba: leve alta antes do Carnaval
[08/02/2018] - CEPEA: exportações de carne seguem fortes
[08/02/2018] - Produtores temem novos bloqueios às exportações
[08/02/2018] - Exportações de gado começam o ano aquecidas
[08/02/2018] - Raiva bovina: surto no interior de SP
[08/02/2018] - JBS: bancos voltam a negociar dívida
[08/02/2018] - Quadrilha lucrou R$ 400 mil com roubo de gado
[07/02/2018] - Arroba: em ritmo de Carnaval?
[07/02/2018] - A reposição está cara?
[07/02/2018] - Analista prevê melhora para a pecuária
[07/02/2018] - Preço do milho tem pequena recuperação
[07/02/2018] - CNA vai à Justiça contra bloqueio de bens
[07/02/2018] - Frente trabalha para derrubar vetos ao Funrural
[06/02/2018] - Especulação tomou conta do mercado do boi
[06/02/2018] - Tribunal libera exportação de gado em todo o País
[06/02/2018] - Brasil exporta 600 mil bois por ano
[06/02/2018] - JBS anuncia aumento de abates em unidade do MT
[06/02/2018] - Minerva estuda reabrir outra unidade
[06/02/2018] - Produção de leite pode subir sem gastar mais
[06/02/2018] - Pecuarista está pagando para tirar leite
[06/02/2018] - Prazo para parcelar o Funrural está acabando
[06/02/2018] - Funrural: o que fazer agora?
[05/02/2018] - Arroba: frigoríficos em situação confortável
[05/02/2018] - Reposição travou no MS
[05/02/2018] - Leite: preços vão subir?
[05/02/2018] - Tribunal derruba proibição da exportação de bois
[05/02/2018] - Pecuaristas defendem a exportação de gado
[05/02/2018] - Mais um roubo de gado de elite
[05/02/2018] - Milho subiu entre dezembro e janeiro no MS
[05/02/2018] - CEPEA: preço do milho sob pressão

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br