Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
145,00 133,00 135,00
GO MT RJ
129,00 128,00 143,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1300,00
Garrote 18m 1600,00
Boi Magro 30m 1930,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1400,00

Atualizado em: 24/2/2017 12:48

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Após acusar JBS, CPI volta atrás no Mato Grosso

 
 
 
Publicado em 15/12/2016

A CPI dos Frigoríficos da Assembléia Legislativa de Mato Grosso foi encerrada na última terça-feira (13), após dez meses de instalação, sem conclusões firmes sobre o que realmente acontece no mercado de abate de bovino em Mato Grosso. A série de fechamentos de plantas de frigoríficos desde no ano passado, 50% das 45 que existiam então no Estado, não teve explicação convincente e ficou reduzida a uma circunstância do mercado, que teria levado ao aluguel ou venda de pequenas plantas para grupos maiores, que em Mato Grosso dominam mais de 50% das atividades.

A “caça às bruxas” de cartel de frigoríficos anunciada pelo presidente da comissão, deputado Ondanir Bortoloni “Nininho” (PSD), no início dos trabalhos, se transformou em averiguação de concentração de atividades, sem nenhum resultado concreto. E o deputado José Domingos Fraga, do mesmo partido, também baixou o tom ao se referir ao setor.

A CPI dos Frigoríficos foi aberta na primeira semana de março deste ano por suspeita de formação de cartel entre grandes empresas do ramo, como resultado do fechamento de várias plantas em Mato Grosso por motivos ainda pouco esclarecidos. Na semana em que fora instaurada, o deputado Nininho, autor da proposta de investigação, disse que realizaria ‘caça às bruxas’ dos grupos suspeitos de montarem o ‘monopólio’.

“Vamos investigar esse verdadeiro cartel que está formado aqui no nosso Estado. Não podemos admitir que essas empresas peguem dinheiro nosso, venham aqui em Mato Grosso, fechem 20 plantas frigoríficas e não aconteça nada com elas”, disse ele em entrevista ao site GPS Notícias.

Demissões

Segundo ele, a restrição da exploração do segmento a um número reduzido de empresas no controle das plantas forçou a demissão de mais de oito mil trabalhadores nos últimos anos com o fechamento de 21 frigoríficos. “Queremos saber o porquê do fechamento de 21 plantas frigoríficas no Estado. Hoje, a atividade empresarial de abate está fatiada entre cinco segmentos econômicos: quatro deles são a JBS. Minerva, Malfrig e Frialto e Arantes. Enquanto outros grupos frigoríficos existentes são independentes”, afirmou, à época, o deputado Nininho.

Controle de Mercado

Um mês após o início dos trabalhos, o relator da CPI, deputado José Domingos Fraga, falou em indícios de controle do mercado por grandes grupos em Mato Grosso com influência sobre o preço praticado. “Infelizmente hoje o mercado está monopolizado. O interesse econômico está ditando as regras na formação de preço”, afirmou em entrevista ao site FolhaMax.

O cartel provocava a prática de preço desvalorizado da arroba do boi em Mato Grosso segundo a CPI. Em entrevista na primeira semana de junho, o deputado Nininho declarou que o preço em Mato Grosso estava até 18% abaixo do mercado, impedindo o ganho do pecuarista de corte sobre a produção. À época, o preço da arroba do boi gordo estava cotado em R$ 154, em São Paulo, R$ 143 em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, R$ 140 em Mato Grosso do Sul e R$ 133, em Mato Grosso.

Com avanço das apurações pela CPI, Nininho fez ataque direto à JBS S.A. O deputado disse que o controle do mercado de abate de bovinos que tinha sido identificado em cinco meses de trabalhos e serviço de base para abertura da investigação fora manipulado pela empresa, que possui o maior número de plantas em Mato Grosso.

Ele disse que o suposto monopólio começou a ser formado em 2009, ano em que a JBS recebeu aporte de R$ 5 bilhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). “Estranhamente nesse mesmo ano o grupo JBS fez aquisição de plantas frigoríficas em Mato Grosso. Aí recebemos uma notícia veiculada pela imprensa paulista, que esse grupo vai assumir atividades internacionais na Irlanda com um faturamento de US$ 35 bilhões”, disse Nininho em entrevistas.

Em junho, o deputado fez uma declaração estendendo a suposta manipulação do mercado para outros dois grandes grupos com domínio de plantas de frigoríficos no Estado. Segundo ele, dados a que membros da CPI tiveram acesso apontavam para acordo entre a JBS e outras duas empresas para domínio do mercado. “Temos dados com números levantados de que houve acordo comercial entre os três maiores grupos frigoríficos de Mato Grosso, para monopolizar o comércio da carne no Estado. Vamos buscar os resultados para revermos as injustiças causadas contra os pecuaristas e, quem sabe, ver a possibilidade de reabrir algumas plantas no interior”, afirmou em entrevista ao Mídia News.

Apenas “impressão de formação de cartel”

Em seu relatório final, a CPI se limitou a divulgar o já conhecido sobre as atividades do mercado e o domínio do JBS S/A em Mato Grosso pela quantidade de plantas sob controle e o volume de abate. Em período de oito anos, o grupo passou do pouco expressivo 1,5% do total de abates no País, em 2006, para 16% em 2007 um salto superior a quatro vezes até 2014, ano em que passou a comandar mais de 50% do mercado.

A CPI concluiu, ainda, que a situação de restrição de agentes no mercado de abate de frigoríficos em Mato Grosso se deve à falta de regras para controlar o desenvolvimento do mercado de maneira a tornar o segmento participativo para pequenas e grandes empresas. Segundo o deputado Nininho, ocorre saturação de plantel para o desenvolvimento de atividades por concentração de várias plantas em algumas regiões do Estado. “Mato Grosso tem condições de abrir mais cinco plantas de frigoríficos, só. Há uma escassez de solo e outros tipos de insumos adequados para o desenvolvimento das atividades”, disse.

A falta de condições naturais para a atividade é somada a outros dois fatores que, conforme a conclusão da CPI, leva à “impressão” de formação de cartel de frigoríficos no Estado, voltando atrás em suas afirmações bastante contundentes sobre a existência de um monopólio.

Nininho: “Falta política pública para padronizar abate”

O primeiro dos fatores apontados pela CPI seria a falta de política pública para padronizar as atividades de abate. “Hoje há amontoados de plantas em um pequeno diâmetro de áreas, com poucos quilômetros separando uma das outras. Dentre elas, as controladas por grandes grupos e as propriedades de pequenos produtores de gado para corte”, diz hoje Nininho.

Segundo o relator da comissão, deputado José Domingos Fraga (PSD), para conseguir desenvolver seus trabalhos as grandes empresas precisam adquirir as plantas de pequenos pecuaristas de corte, que para manter resultado positivo das finanças necessitam vender ou alugar aos grandes grupos, com maior capacidade financeira, suas instalações.

Fraga: “Frigoríficos trabalham de forma arrojada”

E o deputado José Domingos Fraga também muda o discurso. “A forma de trabalho desses empresários é muito arrojada. Para conseguir uma planta rentável era preciso adquirir ou alugar uma planta em situação não adequada de produção para conseguir gerir seus negócios”, disse.

Essa a explicação, por exemplo, dada pela CPI para a aquisição de seis plantas em Mato Grosso pelo grupo JBS S/A para serem fechadas logo em seguida. O motivo seria a falta de estrutura de produção suficiente nas plantas isoladamente que foram conglomeradas em única instalação para o funcionamento da produção. Cinco delas já teriam sido devolvidas aos donos.

Conforme dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), 18 plantas de abate de bovinos para venda ao exterior estão instaladas hoje em Mato Grosso, e 11 deles são controladas pelo grupo JBS S/A. Outras sete pertencem às empresas Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos (2), BRF Brasil Food s(2), Marfrig Global Foods (2) e o Frigorífico Mataboi (cujo proprietário é da família controladora do JBS).

Conforme a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Mato Grosso é hoje o maior produtor de bovinos para abate, com cerca de 110 mil propriedades no ramo e com mais de 29 milhões de cabeças. Com informações do Circuito Mato Grosso.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/02/2017] - Marfrig: prejuízo alto ainda preocupa
[24/02/2017] - Apesar do prejuízo, Marfrig se diz otimista
[24/02/2017] - BRF registra primeiro prejuízo da história
[24/02/2017] - Arroba: pressão de baixa perde força
[24/02/2017] - Carne cai no atacado: e a arroba?
[24/02/2017] - CNA quer prazo para pecuaristas pagarem dívidas
[24/02/2017] - MT tenta agilizar obra em BR que cruza reserva

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/02/2017] - Arroba: pecuarista não aceita preços menores
[23/02/2017] - Frigoríficos tentam segurar preço da carne
[23/02/2017] - Projeto permite pastagem na Reserva Legal
[23/02/2017] - Marfrig faz acordo para fechar unidade
[22/02/2017] - Arroba: escalas encurtaram
[22/02/2017] - IMEA alerta para excesso de oferta de boi
[22/02/2017] - Reposição: queda do boi trava mercado em MG
[22/02/2017] - Lucro do Minerva cai 81%
[22/02/2017] - Frigorífico será leiloado após decisão do STJ
[22/02/2017] - Não haverá acordo com a UE sem carne bovina
[22/02/2017] - Exportações do agro: alta de quase 18% em janeiro
[22/02/2017] - Agro ajuda a amenizar a crise em Minas Gerais
[21/02/2017] - Delator: Batista queria controlar fiscalização
[21/02/2017] - Arroba: o carnaval tem ajudado?
[21/02/2017] - Arroba: como fica a recria?
[21/02/2017] - Arroba tem queda no MS
[21/02/2017] - PIB da Pecuária deve cair no Mato Grosso
[21/02/2017] - Mercado do leite ganha força em Santa Catarina
[21/02/2017] - Câmbio pressiona preço do farelo de soja
[21/02/2017] - Açougues deverão mostrar fornecedor no MT
[20/02/2017] - Nova delação implica Joesley Batista, da JBS
[20/02/2017] - Agronegócio, de novo, puxará recuperação
[20/02/2017] - Governo fala em retirar vacina contra aftosa
[20/02/2017] - Setor rural vai pagar a conta da reforma?
[20/02/2017] - Arroba: referência caiu em SP
[20/02/2017] - Exportações: otimismo para frigoríficos?
[20/02/2017] - Preço do leite sobe também em fevereiro
[20/02/2017] - Preço do milho segue em queda
[20/02/2017] - Entrega de fertilizantes recorde
[17/02/2017] - ABIEC confirma exportações fortes em janeiro
[17/02/2017] - Arroba: onde os frigoríficos pagam mais?
[17/02/2017] - Para onde vão os preços da reposição?
[17/02/2017] - Expoinel MG não vendeu nenhum animal
[17/02/2017] - Leite em alta
[17/02/2017] - Governo liberará compra de terras por estrangeiros
[17/02/2017] - Estrangeiros: preço da terra vai subir?
[16/02/2017] - Arroba: vender a prazo vale a pena?
[16/02/2017] - CEPEA: frigoríficos tentam pagar cada vez menos
[16/02/2017] - Carne bovina ganha espaço em relação à suína
[16/02/2017] - CPI da Funai não consegue votar quebra de sigilo
[16/02/2017] - Coordenadora do MST é presa com arma ilegal
[15/02/2017] - Joesley Batista nega que vá deixar o JBS
[15/02/2017] - Batista nega que Lulinha seja sócio do JBS
[15/02/2017] - Maggi vê indícios de cartel de frigoríficos
[15/02/2017] - Arroba: pecuarista não aceita preço menor
[15/02/2017] - Arroba: varejo tem lucro recorde, pecuarista paga
[15/02/2017] - Abate de fêmeas deve voltar a crescer
[15/02/2017] - Exportações de carne do MT dobraram
[15/02/2017] - Confinamento: será difícil fechar a conta em 2017
[15/02/2017] - Produtores de leite pedem socorro ao MAPA

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br